Éster

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa

Nota: Se procura pela versão robótica de Arnold Suas Negas[1], veja: Exterminador do futuro.
Imagem do Ésterminador do futuro, principal representante dos ésteres.

Cquote1.png Você quis dizer: Éter Cquote2.png
Google sobre Éster
Cquote1.png Você quis dizer: Lester? Cquote2.png
Google sobre Éster
Cquote1.png Experimente também: Ésterminador do futuro Cquote2.png
Sugestão do Google para Éster
Cquote1.png Exterminar quem? Cquote2.png
Carla Perez sobre éster
Cquote1.png Hasta la vista, baby! Cquote2.png
Ésterminador do futuro sobre ele mesmo.

Os ésteres são um importante (ou não) grupo de moléculas orgânicas muito utilizadas[carece de fontes] para os mais diversos fins nas indústrias, desde a produção de aromatizantes até como uso para fins de queima de arquivo.[3] A indústria cinematográfica Holywoodiana abordou em alguns filmes um importante e dos mais conhecidos ésteres: o ésterminador do futuro[4] e sua vasta gama de aplicações.

História[editar]

Exemplo de éster-minador entrando em ação.
Estrutura em comum dos ésteres (ou não), onde o R e R1 significam Rrrrrronaldinho! radical orgânico.

Assim como a linda história da Química Orgânica, os ésteres começaram a serem estudados no início do séc. XIV, por uma leva de vagabundos cientistas que, obviamente, ninguém conhece. No entanto, muitos ésteres naturais foram descobertos durante os séc XIX e XX e amplamente utilizados na indústria alimentícia, dentre outras aplicações. Com o desenvolvimento da indústria química, passou-se a sintetizar inúmeros ésteres sintéticos, que foram utilizados como aromatizantes e compostos que dão sabor a alimentos, servindo principalmente como frutas falsas, entre outras.[5]

No entanto, com o desenvolvimento da robótica, no final do séc XXI, a US. Robotics, mesma indústria que produziu os androides Roberto Marinho, Sílvio Santos e Maísa [6], desenvolveu e concluiu com êxito o projeto T-800, onde fora desenvolvido um robô para trabalhar nas minas de estanho da Vale do Rio Doce, que seria utilizado como test drive protótipo como robô de mineração e que sobrevivesse a soterramentos, quedas e contaminantes químicos. Porém, um erro de programação[7] fez com que o referido ciborgue se tornasse um assassino, ou melhor dizendo, um matador de aluguel, porém, sem a necessidade de remuneração.

Com a ascensão da Skynet, tomando o lugar dos EUA como controladores do mundo e a construção de inúmeros esterminadores a história se complica. Para saber o restante, basta ver os filmes sobre o assunto [8] (ou não)...

Nomenclatura e formação[editar]

A reação de criação de ésteres é chamada de esterificação [9] e envolve um ácido carboxílico e um álcool, sendo o etanol um dos mais apreciados. Para compostos aromáticos[10], basta usar um fenol no lugar do álcool. Esta reação produz o referido éster e água, por condensação química. O rendimento do processo é de cerca de 66,6% e diminui conforme aumenta o tamanho da penitenciária cadeia carbônica. O processo é dinâmico e, adicionando mais etanol reagente, mais éster é criado ou não. De acordo com a IUPAC[11], International Union of Pikaretologic AlChemy, os ésteres terão a seguinte nomenclatura:

  • (Nome do ânion derivado do ácido carboxílico, substituindo o sufixo ICO por ATO) de (Nome do radical)

Exemplos:

  • Propionato de cofrila.
  • Metanoato na de butila.
  • Etanoato de metela metila.

Reações[editar]

Ésterminador produzido na China no Japão e importado pelo Paraguai.

Ésteres são compostos que reagem dependendo o grau de estresse e irritação ao qual estão submetidos. Em épocas de TPM costumam ser extremamente explosivos e instáveis, decompondo em substâncias tóxicas e/ou corrosivas. No entanto, na maior parte do tempo são calminhos, embora todos sejam muito inflamáveis e peguem fogo por qualquer coisa [12]. Geralmente reagem com bases para formar sais e álcoois (de novo?), ou com outros compostos químicos que gostam de brigar e arrebentar com tudo.

Igualmente, o esterminador do futuro possui um comportamento bastante agressivo, dependendo de seu modo de programação, no entanto sabe-se que suas habilidades o tornam extremamente reativo a tudo e perigosíssimo, capaz de dizimar populações inteiras[13] com uso de suas armas ou da gostosa do filme. No entanto, como governador da Califórnia, este ciborgue atualmente está causando poucos estragos o que se leva a crer que a idade andou enferrujando o projeto T-800 (ou não).

Ver também[editar]

Notas[editar]

  1. Esta é a tradução para o Português Brasileiro do sobrenome Schwarzenegger.
  2. Marca própria, pertencente à Columbia Pictures, Inc. Todos os Direitos Reservados, menos os direitos que não foram reservados.
  3. Estes usos foram comprovados após pesquisas e abordagens cinematográficas.
  4. Não utilizamos o nome correto (com x) por questões de direitos autorais, copyright, royalties e processos.
  5. Observa-se que este parágrafo é puro enchimento de linguiça.
  6. Os referidos androides são conhecidos internamente pela sigla T-100. Maísa é um mini-androide cuja sigla intrna é T-666.
  7. Nem sempre a POG consegue salvar, ao contrário de Jesus.
  8. Não, não estamos fazendo marketing dos filmes, embora pareça.
  9. Capitão Óbvio ataca novamente!
  10. O termo aromático refere-se ao composto possuir cus anéis benzênicos em sua estrutura e não necessariamente ao aroma que ele exala.
  11. Não confundir com PAC - Programa de Aceleração da Corrupção.
  12. Costuma-se dizer que possuem o pavio curto.
  13. Embora pareça, não nos referimos ao Rambo.