Êta Mundo Bom!

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
(Redirecionado de Êta Mundo Bom)
Ir para: navegação, pesquisa

Êta Mundo BomBoogie OogieJoia RaraFlor do CaribeLado a LadoA Vida da GenteCordel EncantadoCama de GatoParaísoNegócio da ChinaO ProfetaAlma GêmeaCaboclaChocolate com PimentaCoração de EstudanteA PadroeiraEstrela-guiaO Cravo e a RosaMulheres de AreiaFelicidadeFera RadicalBambolêA Gata ComeuAmor com Amor se PagaParaísoMarinaCaboclaDona XepaEscrava IsauraVejo a Lua no CéuA MoreninhaHelena

Galinhacaipira.jpg Enxada-2.pngEsti artigu é caipira, sô!!Enxada-1.png

Este tar di artigu pareci caipira, foi escritu purum caipira, ô ele é de fato
CAIPIIIIRRA!!!

Num istraga eli naum, si não nóis crava a inxada pra riba docê!


Cquote1.png Rede Globo apresenta: Êta Mundo Bom! Cquote2.png
Locutor da Globo anunciando essa bagaça
Cquote1.png O RLY? Cquote2.png
Uma coruja sobre citação acima
Cquote1.png Você quis dizer: Chocolate com Pimenta Cquote2.png
Google sobre Êta Mundo Bom!
Cquote1.png Experimente também: O Cravo e a Rosa Cquote2.png
Sugestão do Google para Êta Mundo Bom!
Cquote1.png Experimente também: Alma Gêmea Cquote2.png
Sugestão do Google para Êta Mundo Bom!
Cquote1.png Um caipira ingênuo vai viver altas aventuras na cidade grande ao lado de um simpático esmolé, um adorável picareta e um burro gente boa em busca de sua mãe desaparecida Cquote2.png
Narrador da Sessão da Tarde sobre Êta Mundo Bom
Cquote1.png Tudo o que acontece de ruim é para meiorá! Cquote2.png
Candinho, sempre que se fode na novela
Cquote1.png Isso que eu chamo de otimismo! Cquote2.png
Caco Antibes sobre frase acima
Cquote1.png Ele me plagiou! Cquote2.png
Mazzaropi sobre Walcyr Carrasco
Cquote1.png A mim também!!! Cquote2.png
Voltaire sobre Walcyr Carrasco
Cquote1.png A mim também!!! Cquote2.png
Monteiro Lobato sobre Walcyr Carrasco
Cquote1.png E a mim também! Cquote2.png
Walcyr Carrasco sobre Walcyr Carrasco
Cquote1.png E pra ocê meu nome é CU-negundes!!! Cquote2.png
Elizabeth Savalla, repetindo outro bordão inútil de suas personagens

Êta Mundo Bom é uma novela das seis escrita por Walcyr Carrasco, com colaboração de Jeca Tatu, Mirrrna, Dr. Dolittle, e todo o povo brasileiro, que consegue ser mais burro que o Burro Policarpo, e direção de Jorge Fernando. É um plágio descarado do conto Cândido, ou O Otimismo, publicado em 1759 pelo filósofo iluminista Voltaire, do filme Candinho, de 1954 e do conto O Comprador de Fazendas, do livro Urupês, de Monteiro Lobato. A trama também apresenta uma radionovela intitulada Herança de Ódio, que todos os personagens ouvem, para mostrar aos jovens de hoje que vício em novela não é coisa só da Globo.

Enredo[editar]

Quem é o mais burro?

Mazzaropi Candinho foi separado da mãe logo após seu nascimento e foi acolhido pelo casal Cu-negundes e Quinzinho, pobretões que acham que são importantes só porque Dom Pedro II foi à fazenda deles pra fazer o número 2. Mas quando cresce, Candinho vira empregado nessa casa e é expulso por se apaixonar pela primogênita, Filomena, a quem eles queriam empurrar para um velho rico.

Pancrácio, picareta pé-rapado amigo da família que criou Candinho e seu grande mentor, o aconselha a seguir para a capital em busca da mãe biológica, Anastácia, que ele nunca conheceu. Assim Candinho viaja junto de seu inseparável burro, Policarrrrpo. A mãe, a esta altura, é uma viúva milionária e também está à procura do filho na capital. Ela, que é tão burra quanto o filho, conta com a ajuda do detetive Jack, da melhor amiga Emma Watson, do advogado Araújo e da empreguete Maria, mas não dá ouvidos a eles quando dizem que Ernesto é impostor. Mas Anastácia, burra do jeito que é, não faz ideia de que a sobrinha, Cristina Sandra, fará de tudo para atrapalhar esse encontro, pois teme perder a posição de herdeira. A personificação de todas as vilãs de Walcyr Carrasco, na frente de Anastácia, Sandra é doce e generosa, mas por trás, é gananciosa e interesseira.

Sem se deixar abater, Candinho enfrenta as mais diversas situações para sobreviver na cidade grande, onde conhece seu fiel amigo, o esmolé Pirulito, e ajuda Pancrácio a escapar quando seu disfarce é descoberto. Além da busca incessante pela mãe, ele também vai lutar com patadas e relinchos pelo amor de Filomena, que agora mora na capital e é espancada diariamente pelo cafetão Ernesto. Com uma lábia infalível e um pé de valsa daqueles, o vilão conheceu Filomena e a convenceu a fugir com ele para a capital com a promessa de se casar com a bela roceira. Mas o mundo de Filó desaba quando os dois chegam a São Paulo. Ernesto diz que não vai casar coisa nenhuma e força a moça a se prostituir na casa de Madame Therèze Madame Sofia. E o pior: Ernesto fica com a maior parte do dinheiro que ela ganha no local.

Além de tomar a mulher de Candinho, Ernesto, em um plano infalível, se junta com Sandra pra tomar a grana dele, fingindo que é Candinho. Ele copia todos os trejeitos do rapaz, incluindo seu sotaque caipira, sua burrice e ainda lhe rouba o medalhão. Só Maria, a empregada que odeia Sandra, desconfia da farsa e se junta com Pancrácio pra desmascarar os dois vilões malvados.

A Radionovela[editar]

Os personagens da trama são viciados na radionovela Herança de Ódio. Ela conta a história de uma família milionária que está em vias de perder sua fortuna e honra na pequena cidade de Rio de Janeiro: os Batista. Recém-chegado de São Paulo e guiado por um juramento feito ao pai, Eike, em seu leito de falência, Thor Batista assume o comando das indústrias da família, que terminam sempre em X. Ele sabe que terá de enfrentar a fúria de inimigos incansáveis para defender seu patrimônio, como um juiz macumbeiro e a Receita Federal. Enquanto isto, Val Marchiori, a calculista noiva de Thor, fará de tudo para afastá-lo do amor de sua vida, Inês Brasil.

Trilha Sonora[editar]

Volume 1[editar]

Capa: Candinho com seu burro
2. Pé de Manacá - Paula Fernandes
3. O que Ouro não Arruma - Daniel
4. Dois pra Lá, Dois Pra Cá - Elis Regina (que esteve na trilha de outra novela)
5. Se Não Vira Jazz - Djavan
6. Estrada Vermelha - Victor & Léo
7. No Rancho Fundo - Chitãozinho & Xororó (ensinando a esses cantorezinhos de sertanojo universotário o que é uma música sertaneja de verdade)
8. A Saudade Mata a Gente - César Menotti & Fabiano
9. Saudade de Minha Terra - Zé Neto & Cristiano
10. Quem Vem de Longe - Gusttavo Lima
11. Avôhai - Zé Ramalho (gravação original de 1978)
12. Ai Que Saudade D'Ocê - Elba Ramalho
13. Tico-Tico no Fubá - Cluster Sisters
14. Vem Morena - Os Gonzagas
15. O Samba da Minha Terra - Elza Soares
16. Vida de Bailarina - Ângela Maria
17. Dos Meus Braços Tu Não Sairás - Nelson Gonçalves
18. Escandalosa - Emilinha Borba
19. Segredo - Dalva de Oliveira (gravação original de 1947)

Volume 2[editar]

Capa: Ernesto, Pancrácio, Sandra e Filomena

  1. O Melhor Pra Mim - Ivete Sangalo & Mu Carvalho
  2. Felicidade - Rita Lee (música de Lupicínio Rodrigues)
  3. O Impossível Vem Pra Ficar - Lenine
  4. Eta Mundo Bão - Renato Teixeira
  5. Meu Policarpo - Sérgio Reis
  6. Ela é Minha Namorada - Rodrigo Munari
  7. Casinha Branca - Maria Bethânia
  8. Se Manca - Ana Carolina
  9. Dengosa - Maria Rita
  10. Atire a Primeira Pedra - Thiaguinho
  11. Brazil (Aquarela do Brasil) - Ray Conniff
  12. Anything Goes - Cole Porter
  13. Moonlight Serenade - Glenn Miller
  14. Bésame Mucho - Daniel Boaventura
  15. Ciúme - Cídia Luize
  16. O Amor Não Precisa Razão - Jussara Silveira
  17. Tenha Pena de Mim - Zizi Possi
  18. Eu Descobri - Tuta Guedes
  19. Tudo o Que Acontece de Ruim é Para Melhorar - Paulinho Moska

Complementar: Herança de Ódio[editar]

404 Fatal Error

Essa não existe, infelizmente...

Bastidores[editar]

  • A novela está fazendo o maior sucesso. Isso se deve ao fato do povo brasileiro se identificar com os personagens principais (especialmente Candinho e Pancrácio).
  • A protagonista é a deusa Débora Nascimento, mas a atriz é tão ruim e sua personagem é tão sem sal que o autor logo tratou de colocar a personagem de Bianca Bin pra ser a protagonista em seu lugar. Sua personagem, a empregada Maria, é igual à personagem de Ísis Valverde em Boogie Oogie: moça grávida que perdeu o noivo num acidente e é obrigada a ser mãe solteira.
  • Mais uma vez, vemos atores interpretando os mesmos personagens: Priscila Fantin, uma gostosa golpista, Flávia Alessandra, uma vilã platinada, Anderson Di Rizzi, um caipira, e Elizabeth Savalla, uma neurótica que pensa que é chique e repete um bordão irritante.
  • Também vemos o autor Walcyr Carrasco repetir as mesmas tramas de sempre: uma herança disputada pelo mocinho e pelo vilão, mocinho que era pobre e teve que trabalhar pesado quase a vida toda pra depois de adulto descobrir que era filho bastardo de algum ricaço; um pobre que vira rico e um rico que vira pobre; casamento na igreja que acaba em desastre porque o noivo vê a noiva vestida antes do casório, pois segundo o autor, dá azar; uma guerra de comida (às vezes de outras matérias, mas quase sempre de comida); vários bordões repetitivos que o público decora de tanto escutar; texto declamado e bem explicadinho; um caipira ingênuo de bom coração que tem um bicho como melhor amigo com quem bate altos papos; pessoas sendo atiradas em chiqueiros; mulheres encalhadas que sofrem bullying por serem encalhadas; Elizabeth Savalla, Neusa Maria Faro e Ary Fontoura no elenco e nudes dos atores, neste caso, de Klebber Toledo.
  • Apesar de Dona Cu-negundes viver fazendo bullying com a filha Mafalda dizendo que ela é uma girafuda e que sua irmã Filomena é mais gostosa por ser menorzinha, na vida real, as duas têm exatamente a mesma altura.
  • Apesar de termos grandes atores como Marco Nanini no elenco, o melhor ator da novela sem dúvida é o que faz o burro Policarpo.
  • A menos que você seja a Mafalda, nunca verá o cegonho do Romeu mais de uma vez.