A Entrada dos Gladiadores

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa

A Entrada dos Gladiadores, ou Vjezd gladiátorů, em checo ou ainda Grande Marche Chromatique, por conta do uso de escalas cromáticas, que justamente o artificio principal da obra, além de não ter nada haver com o cromo, é uma marcha militar do grandioso Julius Fučík, em todos os sentidos. Por conta de alguns fatores estranhos, e também por conta de muita sorte, essa música se tornou famosa mundialmente graças a um velho qualquer do Canadá, que distribuiu pela América do Norte inteira seus discos tocando essa marcha. Ou seja, se não fosse esse cabra safado nunca teríamos a menor noção de sua existência.

História[editar]

Julius Fučík se aderindo à moda de circo após à fama pegar.

A múmica foi composta em 1897, pelo compositor de música erudita Julius Fučík, além de valsas, polcas e principalmente marchas militares, por isso mesmo que talvez ele fosse apenas um militar poser. Originalmente a música se chamava Grande Marche Chromatique, mas depois de um tempo, ele começou a gostar do PT e do Lula, que nem existiam na época, mas ele viu isso numa viagem no tempo que ele ganhou de brinde da TAM, e por gostar do PT e do Luloso, ele queria retroceder tanto no tempo, como o PT faz com o Brasil, que ele mudou o nome dela para A Entrada dos Gladiadores, que remete à época dos gladiadores da Roma Antiga.

Porém, foi apenas em 1910 que ela começou a adentrar na estrada do sucesso, ou seja, naquele ano ainda nem era conhecido o seu nome internacionalmente. Mas, porque em 1910? Isso porque nesse ano, um velho que já usava a tática de China de lucrar, ou seja aquele velho truque de mudar apenas um pequeno detalhe do produto, para não dizerem que foi plágio. E o que ele mudou, apenas a droga do nome da marcha, que mudou para Thunder and Blazes. E com isso lucrou muitos nadas com ela, mas ao menos transformou essa marcha em fama mundial, mas só não sabemos se o Julius conseguiu viver para vê-la famosa, já que o mesmo bateu as botas seis anos depois.

Sobre[editar]

A marcha, por conta de sua fama de música de circo hoje em dia não tem mais nem um pingo de marcha militar, e realmente lembra muito mais uma música de circo. E por conta disso ela também não é tão levada à sério como as "verdadeiras" marchas militares, mas desde quando se levam à sério músicas eruditas hoje em dia? Graças ao funk carioca, óbvio.

Além disso a música usa muito a técnica de escalas cromáticas, que é meio que um sobe e desce, começando do dó e terminando no dó novamente, pois como foi dito a escala sobe e desce. E é ela que dá essa melodia inicial agitada, e que logo depois de uns dois minutos vai embora, deixando a música um tédio total, tanto que só o seu início que ficou famoso, e é mais tocado, pois nem os músicos aguentam tocar-la por inteiro, principalmente os pianistas, já que a escala cromática arromba com os dedos...

Cultura pop[editar]

Na cultura pop a única aparição sua são em circos, já que não dá para colocar em qualquer outra cena que logo será associada ao circo, então nem adianta. Mas como ninguém tá pouco se lixando mais para o circo, consequentemente ela começará a aparecer em filmes de circo. Mas como atualmente ninguém gosta de nada relacionado ao circo, depois dessa onda de palhaços assassinos, uma grande palhaçada (sim, tinha que ter esse trocadilho), a música está em desuso, mas sempre terá alguma coisa relacionada a circo que tocará esse bagulho, sem nem ao menos souber que isso na verdade é uma marcha militar...