Amy Fisher

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Garota hentai.gif SEM VERGONHA!!

Tava procurando putaria e caiu nesta página "sem querer", não é?! Pelo menos feche a porta do quarto e divirta-se!

Michaelmyers.jpg Este artigo é sobre um(a) ASSASSINO(A)!

Este(a) louco(a) sadomasoquista provavelmente esquarteja suas vítimas, sofre de problemas mentais ou foi violentado(a) pelos pais. Se vandalizar o artigo, Dexter virá atrás de você!


Amanda Pescadora
Amy Fisher.jpg
Sua fase assassina vs. sua fase putona com cara deformada
Nascimento 21 de agosto de 1974
Wantagh, Nova Nova Nova Nova Iorque
segundo a Wikipédia
(mas o IAFD diz que foi em Merrick)
Nacionalidade Bandeira dos Estados Unidos Estados Unidos
Ocupação Atriz pornô e assassina fracassada
Olhos Castanhos claros
Cabelo Castanho escuro (originalmente ruiva de farmácia)

Amy Elizabeth Fisher, também chamada posteriormente de Elizabeth Bellers, é a eterna Lolita de Long Island, famosa por ainda com 16 anos dar pra todo mundo lá na cidade mais famosa dos ZÊUA, e também por ter tentado matar a mulher de um de seus amantes um ano depois, em 1992. Tempos depois, como não tinha muito mais o que fazer da vida, decidiu virar atriz pornô (a princípio sem querer querendo, mas depois acabou dando certo).

História de crimes[editar]

Ficher é filha de um judeu com uma ítalo-americana (o que explica sua beleza extravagante, com a pele meio morena igual italiano, mas com uma nareba abençoada), ela ainda com 16 anos já estava tomada no giraia e sua perseguida queria ser perseguida (pior gag da história, desculpem-me pela piada horrorosa que nem o Cazalbé riria...). Numa dessas, ela quebrou deliberadamente o carro dos pais pra poder levar na oficina de Joey Buttafuoco, um latino lá que ela gamou de cara nos músculos de mecânico dele, e ela logo queria que ele trouxesse a peça que ela queria pra arrochar o parafuso na rosquinha dela. Sem duplo sentido, seus pervertidos (ou não!).

Nessas entradas e saídas na garagem dela, digo, dele, o Joey começou a perceber que uma hora ia dar merda, que a mulher dele ia descobrir, que o FBI ia comer o cu dele por ele estar pegando uma menor de idade, enfim, tudo o que se possa imaginar de dar errado com a vida dele. Assim, a Amy ficou possessa e decidiu ir bater na casa do amante no dia 19 de maio de 1992. Chegando lá, ela foi atendida pela esposa do carinha, Mary Jo Buttafuoco, e já foi dizendo pra ela que seu maridinho estava comendo sua irmã mais nova que ela, ainda mostrou pra esposa do cara umas trinta camisinhas usadas do Joey como prova. Como a mulher tocou o foda-se, chamou a menina de maluca e foi entrando de volta em casa, a Amy simplesmente meteu um balaço na cabeça da mulher, que sabra dios como sobreviveu.

A Amy acabou condenada a passar de 5 a 10 anos de cadeia (mas o Joey também acabou tendo o dele e passou uns seis meses engaiolado e levando vassourada no rabo devido a suas práticas de estupro de vulnerável). Ela acabou saindo em 1999 após sete anos presa graças a um servicinho que ela prestou pro promotor do Condado de Nassau.

Vida posterior e carreira pornográfica sem querer querendo[editar]

Logo que saiu da cadeia fez um teste de sofá com o dono do jornal Long Island Express e virou colunista de lá. Em 2003 casou-se com Louis Bellera e fizeram três filhos de lá pra cá. Aliás, além dos três filhos, também fizeram muito sexo. Tanto que em 2007 o maridão teve a BRILHANTE IDEIA de vender umas sex tapes deles pra produtora Red Light District dos EUA, que adorou o estilo cavala da Amy e começou a promover com o nome "Long Island's Killer Lolita Strikes Again Amy Fisher: Caught on Tape". Puta com a situação, Amy processou a Red Light, mas não pelo uso de suas imagens e sim porque ao contrário de John Wayne Bobbitt, outro maluco que passou por uma situação bizarra lá e acabou virando atô pornô, ela não tava ganhando nada com a parada louca. Após entrarem num acordo, Amy então decidiu cair de boca, digo, de cabeça na vida da putcharia, fazendo uns 11 filmes em várias produtoras até por volta de 2016. De lá pra cá tá paradona, mas vai saber se o maridão cuckold não convence ela a fazer mais umas paradinhas loucas. Ele só tenha medo dela pirar de novo como na adolescência e encarnar o espírito da Catherine Tramell de Instinto Selvagem e fazer um filme do tipo "Long Island's Lolita Killing Her Husband" (ou pior, tope rodar um filme com o Douglas Torres e entre em pânico com os gritos de "YEAH MAN!" dele...).