André Weil

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
André Weil
AndreWeil.jpg
Weil com cara de quem deu e não gostou
Nascimento 6 de maio de 1906
Paris
Morte 6 de agosto de 1998
Princeton
Nacionalidade Francês,
Ocupação Vagabundo Matemático
Altura 197 centímetros
Peso O mesmo de sua mãe, aquela vadia gorda 81
Signo Gêmeos
Olhos Castanho
Cabelo Castanho escuro

Cquote1.png Você quis dizer: Matemática em pessoa Cquote2.png
Google sobre André Weil

André Weil foi um matemático francês que não fez porra nenhuma na história.

Vida[editar]

Nasceu em Paris, de pais alsacianos que haviam fugido da Alsácia quando ela foi totalmente fodida pela Alemanha, estudou em Paris, Roma e Gottingen, completando o doutorado em 1928. Passou dois anos lecionando na Universidade Muçulmana Aligarh, na Índia. E em 1930, não se sabe porque diabos ele nutriu um grande interesse pela literatura satanista sânscrita. Passou um ano em Marselha, e depois seis anos em Strasburgo. Weil estava na Finlândia quando a Segunda Guerra Mundial estourou. Sua mulher, Eveline, gostosa, voltou para a França, mas sem ele. Uma anedota famosa é confirmada em sua autobiografia: depois de ter sido preso sob suspeita de espionagem na Finlândia, quando a Akatsuki URSS atacou, ele escapou de levar um tiro somente pela intervenção de Wolf Rolf Nevanlinna. Ele voltou para a França via Suécia e Reino Unido, e foi detido em Le Havre em Janeiro de 1940 por posse de dorgas e armamento pesado. A acusação é de que ele não tinha se apresentado para o serviço militar, e foi então encarcerado em Le Havre e depois em Rouen. Foi lá, na prisão militar em Bonne-Nouvelle, distrito de Rouen, de fevereiro até maio, que ele construiu o trabalho que fez sua reputação subir. Ele foi mandado para julgamento em 3 de Maio de 1940. Sentenciado a cinco anos de cadeia, foi-lhe facultado optar em ir para uma unidade militar, e ele então juntou-se a um regimento em Cherbourg, ele se fodeu. Depois da queda da França, ele reuniu-se à sua família em Marselha, onde chegou por mar, através de um navio. Ele seguiu para Clermont-Ferrand, onde conseguiu encontrar Eveline, a gostosa, que havia estado na região sob ocupação alemã. Em Janeiro de 1941, eles saíram de Marselha por mar e seguiram para Nova Iorque. Durante toda a guerra, o vagabundo passou nos Isteites.

O que ele fez[editar]

Porra nenhuma Ele fez contribuições até que consideráveis em diversas áreas, sendo a mais importante sendo as profundas conexões entre a geometria algébrica e a teoria dos números. Isto começou em seu trabalho de doutorado, como estava se achando o fodão, resolveu foder fazer algumas coisas que iriam apenas foder com a vida dos estudantes da atualidade, já que todas as suas criações e descobertas são todas incompreendíveis de se compreender, levando ao Teorema de Mordell-Weil. O Teorema de Mordell-Weil teve uma prova ad hoc; Weil começou a separação do argumento da descendente infinita em dois tipos de abordagem estrutural, por meio da função altura para dimensionar pontos iracionais, e por meio da Cohomologia de Galois, que não seriam assim nomeadas por mais de oito mil duas décadas. Ambos os aspectos desenvolveram-se firmemente em teorias substanciais.

Weil te encarando.

Entre suas grandes realizações estão a prova, em 1940, enquanto esteve na prisão, da hipótese Riemann para função zeta local, e o subsequente estabelecimento de fundações apropriadas para que a geometria algébrica sustentasse o resultado. Pelos padrões modernos, sua asserção de que tinha uma prova foi extremamente fácil (até porque ele era fodão, lembra ?), mas as condições da época da guerra foram determinantes, bem como o fato dos peritos alemães pouco terem feito ou comentado sobre o tema. As assim chamadas conjecturas Weil tiveram grande influência entre os anos 50, elas foram provadas... posteriormente por Bernard Dwork, Alexander Grothendieck, Michael Artin e Pierre Deligne, que completou a etapa mais difícil em 73, o que o tornou um pouco mais foda do que Weil. Ele apresentou o anel adele em lá por 1939, seguindo a iniciativa de Claude Chevalley com os ideles, e forneceu uma prova do teorema Riemann-Roch utilizando-se deles, sendo que uma versão apareceu na teoria dos números... foda. Sua "matriz divisora" para o teorema Riemann-Roch de três oitão 38, foi uma antecipação de ideias posteriores tais como os espaços modulares de feixes. Eventualmente, a abordagem adélica tornou-se básica na teoria de representação automórfica. Weil morreu feliz como uma purpurina, pois virou fodão, ficou puta reconhecido, e tinha uma mulher gostosa.

Mhascara.jpg
Matemágicos Matemáticos, geômetras e outros nerds
v d e h

al-Khwarizmi, o impronunciável - Alan Turing - Albert Einstein - André Weil - Bombelli - Bhaskara - Cantor - Manuel Bento de Jesus Caraça - Euclides - Euler, our king! - Fermat, o príncipe - Ferrari - Fibonacci - Galileu - Galois, o rebelde - Goldbach - Gauss, o príncipe - Newton - Inácio do Amaral - Lambe Humberto - Tio Laplace - Tio Omar do Quibe - Veneno Poisson - Pitágoras, o largo - He Man Riemann - Tartaglia, o gago - Jacques Tetas - Recorde - Pascal - Abel, o azarado - Arquimedes - Paul Anônimo - Cardano, o mais azarado - Tales, o pioneiro - Filho duma tenda - Neumann, o atômico - Erdös, o sociável - Cauchy