Antonio de Magianis

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Jason voorhees.jpg Este artigo é sobre um(a) ASSASSINO(A)!

Este(a) louco(a) sadomasoquista provavelmente esquarteja suas vítimas, sofre de problemas mentais ou foi violentado(a) pelos pais. Se vandalizar o artigo, Dexter virá atrás de você!

Ladraompce.jpg Antonio de Magianis é um ladrão.

Este artigo é sobre alguém em que votamos de 4 em 4 anos.
Se ele ainda não lhe roubou, vai roubar.

Guarde bem sua carteira antes de ler este artigo.

Senhor ladrão.png
Mafiapre.jpg PORCA MISÉRIA!!

Questo articolo è 100% made in Italia ed è sotto il controllo di Cosa Nostra! Perciò sta' bene attento a dove metti le tue manacce zozze o i nostri amici verranno a casa tua per spezzarti le gambine!


Cquote1.png Você quis dizer: Günther Cquote2.png
Google sobre Antonio de Magianis
Cquote1.png Aprendeu tudo o que sabe comigo. Cquote2.png
Robin Hood sobre Antonio de Magianis


Antonio de Magianis, nascido durante o Renascimento e morto em alguma outra data qualquer, é mais um dos milhares de membros da Ordem dos Assassinos presentes na série Assassin's Creed. É o líder de uma tropa de mendigos ladrões que habitam os becos de Veneza e roubam alimentos de feiras de rua para sobreviver. Também vem a ser um antepassado do cantor Mats Söderlund , mais conhecido pela alcunha ridícula de "Günther". Sua principal função na história foi servir de quebra-galhos para Ezio e ajudá-lo em sua missão de acabar com a festa dos templários e da família Barbarigo.

História[editar]

Foto da carteira de identidade de Antônio.

Antonio de Magianis, apelidado em sua infância como Tonin, nasceu e cresceu numa família pobre, que residia em uma pocilga localizada próximo a uma ferrovia abandonada nas periferias de Veneza. Seu pai, quando o jovem era criança, exercia o ofício de sapateiro e engraxate, o que não era um emprego rentável, obrigando o velho a sempre que possível, bater carteira dos nobres que o procuravam por seus serviços. Sua mãe trabalhava como empregada, e o pagamento da mesma, além de ser muito inferior à metade de um salário mínimo, sempre atrasava ou era descontado devido a avareza de seus patrões, que em todas as ocasiões onde surgia alguma oportunidade, inventavam um monte de pretextos para descontar do salário. Eram muito recorrentes desculpas como: "Tem uma partícula cósmica invisível a olho nu em cima do meu piano, vou retirar isso do seu pagamento". Logo, sua mãe também passou a furtar seus patrões, e sempre voltava para casa com dinheiro, joias ou objetos de valor roubados.

As atitudes de seus pais então se configuraram num grande mau exemplo para Antonio, que passou a aencarar o negócio da família como algo perfeitamente normal, e passou a fazer daquele peculiar hobbie um verdadeiro costume. Antonio passou a roubar primeiramente talheres dos vizinhos e roupas do varal. Porém, conforme foi crescendo, aquele hábito foi ficando cada vez mais forte, e Antonio passou também a roubar casas, bancos e até vasos de cemitério. Em vista disso, acabou desenvolvendo cleptomania, e seus pais só foram descobir isso quando o jovem chegou em casa certo dia com a carcaça putrefato de alguma pessoa que ele tinha desenterrado do túmulo e trazido para casa. Seus pais então enviaram seu filho para o psiquiatra, que trabalhou duro no garoto até ele voltar completamente curado de seu mal.

Após alguns anos, Antonio finalmente volta para a casa completamente curado. Seus pais, vendo o mal que tinha gerado no filho, pararam de roubar e começaram a dedicar-se unicamente ao trabalho honesto, para que isso não desse novamente mau exemplo para ele, uma vez que a cleptomania poderia voltar à tona a qualquer momento. Afinal, ninguém nunca fica completamente livre de seus problemas psicológicos. É claro, como eles pararam de apelar para a ladroagem, a sua situação financeira ia de mal à pior, ainda mais porque os tempos estavam cada vez mais difíceis e a demanada por serviço era a mais baixa dos últimos anos, ainda mais com o aumento da taxa de impostos, que além de arrancar as únicas moedas que a família tinha, tornava as pessoas cada vez mais miseráveis receiosas de gastar o pouco dinheiro que sobrava. Isso levou ao corte de custos das famílias, que pararam de s edar ao luxo de gastar com sapateiros e empregadas, ainda mais quando podia-se fazer tudo sozinho e ainda por cima de graça.

Antonio na época em que tentou ganhar a vida como cantor de rua.

Por fim, devido a grande pressão da pobreza e à escassez extrema de comida, os pais de Antonio acabam por morrer literalmente de fome, deixando-o sozinho no mundo. À medida que ficava mais velho, Antonio desenvolvia cada vez mais um súbito desejo de se tornar um ricaço e deixar aquela vida miserável para trás, pois não queria ter o mesmo fim que seus pais. Então Antonio passou a estudar pesado para poder passar na única universidade federal de Veneza. Infelizmente, o mesmo não tinha dinheiro para pagar livros para estudar, e acabou ficando em último lugar nas provas, levando um dos maiores golpes que a vida podia lhe aplicar.

Para completar, o tempo de expiração para pagar os impostos da casa que seus pais tinham lhe deixado acabou expirando, e Antonio foi jogado nas ruas da amargura. Logo, por pura necessidade, Antonio se viu novamente obrigado a roubar para sobreviver, seguindo o passo de seus pais. Além disso, Antonio teve de procurar um novo lugar para habitar, mas como o abrigo para sem-teto já estava lotado, sua única solução foi a de morar embaixo da maior ponte da cidade. Com isso, Antônio tornou-se além de ladrão de rua, um infeliz mendigo sujo e que passava a vida inteira vestindo um retalho de roupa que fazia um espantalho ficar melhor apresentado do que ele.

Com o passar do tempo, Antonio foi mantendo contato com outros indivíduos que se encontravam na mesma situação com ele. Foi então que certo dia, Antonio conheceu um grupo composto por outros rejeitados pela sociedade, que se mudaram da ponte da cidade vizinha em busca de novos horizontes e melhores condições de vida. Antonio então descobriu que eles também eram ladrões, ,e sob sua ldierança, juntos formaram a primeira grande gangue de ladrões-mendigos de Veneza. Como em grupo é muito mais fácil trapacear, dar golpes e roubar; em pouco tempo eles ficaram ricos com o dinheiro furtado, e finalmente tiveram condições de financiar uma casa própria.

Ingresso na Ordem[editar]

Durante um passeio pelos becos de Veneza, Antonio presenciou o dono da pizzaria local, o Seu Luigi, sendo assassinado por um anônimo encapuzado. O anônimo encapuzado viu que Antonio tinha testemunhado à cena, mas não podia matar um inocente só para evitar possíveis futuras confusões. Então, o encapuzado apresentou-se como sendo um membro da Ordem dos Assassinos, e após explicar tudo o que podia sobre a mesma, disse que Seu Luigi era na verdade um templário que estava envenenando a pizza e dando para os inocentes comerem.

Antonio ao lado de três de seus comparsas: Alex Mercer, Alladin e Ike.

Após as explicações, convidou Antonio para ingressar na Ordem. Antonio aceitou, com a condição de que seus comparsas o acompanhassem enssa nova fase de sua vida. Vendo que não tinha jeito, o assassino misterioso apresentou todos a um mestre assassino, e todos foram ingressados na Ordem após o ritual de iniciação. Daquele dia em diante, o grupo dedicou-se a assassinar templários e roubar unicamente da nobreza, que integravam a podridão da sociedade da época. Como já estavam bem na vida após tantos furtos, boa parte desse dinheiro era distribuído para os menos afortunados, no melhor estilo Robin Hood.

Certo dia, Antonio foi ordenado a assassinar um templário conhecido como Emilio Barbarigo, sucessor de Seu Luigi na pizzaria. A Ordem ordenou sua morte pelo fato de ele estar capturando assassinos de todas as partes e obrigando-os a trabalhar como escravos na pizzaria, onde eram obrigados a preparar a massa, o recheio e o molho caseiro para a mesma. Antonio então atentou contra a vida de Emilio ao lado de seus comparsas ladrões, mas fracassou miseravelmente, o que resultou em um dos infelizes do seu grupo sendo ferido. Foi então que conheceu Ezio Auditore da Firenze, o dono da pizzaria oficial dos assassinos. Ezio aceitou ajudar um dos ladrões feridos se em troca, Antonio e seu grupo prometessem ajudar a acabar com a pizzaria da concorrência. Como Antonio já queria acabar com a raça do desgraçado mesmo, ele uniu o útil ao agradável.

Ezio e Antonio então foram em busca de Leonardo da Vinci, o responsável por ter esboçado a planta da pizzaria anos antes de sua construção, para descobrir quais as fraquezas da fortaleza inimiga, e descobrir qual seria o melhor ponto para invadir e assassinar o templário. Com a ajuda de Da Vinci, eles chegam a conclusão de que a melhor forma seria através do telhado - no qual a janela do banheiro não tinha qualquer tipo de vidro de proteção. Obviamente, o trabalho sujo acabou ficando para Ezio, já que Antonio não teve competência suficiente para concluir a tarefa. Ao término do serviço, Antonio entrega um saquinho de moedas na maior cara de pau para Ezio, como recompensa por ter executado aquela que deveria ser a sua responsabilidade.


Vida de Assassino[editar]

Desenho de Antonio de Magianis feito por algum desocupado.

Após o memorável fracasso em suas primerias missões, Antonio finalmente julgou que já estava na hora de fazer algo de útil e que prestasse. Daquele dia em diante, Antonio e seus comparsas passaram a arquitetar seus planos melhor e não apenas partir pra porrada, como tinham feito até então. O esquema que eles passaram a adotar era simples: enquanto dois deles distraíam a vítima, um batia sua carteira e por fim, Antonio o assassinava. É claro, seria muito mais fácil eles primeiro assassinar os inimigos para depois roubar sua carteira, mas como eles gostavam da emoção, sempre optavam pelo mais difícil.

Posteriormente, Ezio teria descoberto um objetivo dos templários de assassinar Giovanni Mocenigo, o líder da maior comunidade de pizzaiolos da Itália, como parte de um plano que visava a dominação de todas as pizzarias de Veneza, e posteriormente, de toda a Itália. Ezio então, sabendo que Antonio estava lutando para mostrar o quão o mesmo era capacitado para suprir a demanda da ordem, resolveu recorrer ao mesmo, dando-lhe oportunidade de mostrar algum serviço. Porém, quando Ezio passou tais informações para Antonio, ao invés de ele colocar-se à disposição para o que fosse necessário, a sua primeira atitude foi entrar em desespero e dizer que a situação estava preta, pedindo para Ezio um tempo para pensar no assunto.

Quando Antonio estava fazendo suas malas para fugir da Itália e se esconder em alguma caverna qualquer no interior da floresta, porém, ele viu uma foto de seus pais, lembrando que se ele resolveu aderir aquela vida e estava vivendo bem no momento, foi tudo graças aos ensinamentos gatunos dos mesmos, e prometeu a si mesmo que não iria desistir. Logo, após perambular por toda a Veneza e colher uma porrada de informações inúteis dos mendigos da cidade, mais tarde foi até a casa de Ezio dizer que estaria disposto a ajudar no que fosse preciso. Lá se depara também com Leonardo, e novamente trabalham em equipe, após Antonio repassar tudo o que tinha descoberto pelos becos da cidade.

Antonio, Ezio e Leonardo estudando o esboço da máquina de lavar na qual Ezio voaria.

Como o lugar onde provavelmente aconteceria o envenenamento de Giovanni ficava muito longe de onde eles estavam posicionados; Antonio, Ezio e Leonardo começaram a trabalhar nos aprimoramentos rápidos da máquina voadora de Da Vinci para que Ezio pudesse se apropriar da mesma para chegar até o local em menos de 1 hora do horário previsto do assassinto de Giovanni. Após feitos os últimos ajustes na engenhoca, Ezio finalmente se põe a manobrar aquele treco. Infelizmente, a máquina estava com um pequeno defeito na rebimboca da parafuseta, e Ezio acaba caindo assim que saiu do telhado pilotando aquele transporte suicida. Como não tinha tempo a perder, Ezio teve que ir à pé, e mesmo contando com todo o poder do Le Parkour, chega ao local tarde demais. Quando Antonio fica sabendo do fracasso da missão, volta para a casa cabisbaixo por mais uma vez não ter ter servido para absolutamente nada de útil.

Porém, nem tudo estava perdido. Dia depois, Ezio e Leonardo novamente se reuniram para conversar, e Ezio foi até o bordel da cidade em busca de Antonio, que para afogar as mágoas de mais uma falha abismal, estava enchendo a cara de vinho, mesmo com uma freira conhecida como Teodora Contanto tentando convencê-lo a voltar para casa e rezar um pouco. Ezio consegue convencer Antonio a ajudá-lo, e dessa vez chamam também a freira e um grupo de mendigos para reunião na casa de Da Vinci, provando o quanto estavam desesperados. Lá começaram a elaborar um novo plano, dessa vez para assassinar o novo líder da comunidade de pizzaiolos, agora um templário, e de preferência sem máquinas de qualidade questionável. Finalmente Antonio consegue ser de alguma utilidade, sugerindo que o pizzaiolo fosse morto durante o Carnaval, já que estaria o tempo todo trabalhando no preparo de pizzas para a grande festa e provavelmente estaria desprotegido.

Antonio contando histórias da Carochinha de pescador.

Alguns dias depois Antonio ajudou Ezio a chutar a bunda de Rodrigo Bórgia e companhia, auxiliando Ezio a conseguir um artefato raríssimo que estava nas mãos do mesmo, conhecido como Pieces of Eden, que trata-se do fóssil real da serpente que ofereceu a maçã para Adão e Eva. Como Rodrigo Borgia escapou da emboscada, Antonio e mais uma porrada de figurantes se reuniram em uma cidade localizada na região favelada da Itália onde o alvo estava escondido para distrair os templários enquanto Ezio, a verdadeira estrela do espetáculo, usava o poder da maçã apodrecidapara se infiltrar numa capela católica e assassinar o inimigo. Obviamente, Ezio ficou com todos os créditos, sendo que Antonio sequer foi mencionado nas histórias.

Após concluído os eu trabalho, Antonio retorna para Veneza, onde funda um asilo para mendigos e ladrões de toda a Itália, rapidamente tornando-se uma figura divina para eles.

Ver também[editar]