Ástato

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
(Redirecionado de Astato)
Ir para navegação Ir para pesquisar
Ástato
Astatine.JPG
Representação do ástato, mais parece um brócolis alienígena isso aí
Símbolo, número As, 85
Série Quase-gás-nobre
Principal isótopo Hue-hue-br
Propriedades atômicas
Massa atômica Talvez 210
Dureza Não sei
Nível de radioatividade Muita
Nível de toxicidade Média
Propriedades físicas
Comestível? Tempero
Inalável? Não
Posso passar na pele? Não
Onde encontrar Zona Negativa
ponto de fudição -7,35ºC
ponto de rebuliço 58,85ºC
Coisas de quadrinhos
Probabilidade de te transformar num super-herói Nulo


Cquote1.svg Você quis dizer: Astuto Cquote2.svg
Google sobre Ástato
Cquote1.svg Você quis dizer: Asfalto Cquote2.svg
Google sobre Ástato

Ástato ou astatínio pra quem gosta de falar bonito é um halogênio, cuja fama é ser o elemento mais raro da Terra e incrivelmente nem assim consegue ser popular, eu mesmo nunca vi falarem sobre o ástato como falam dos colegas de grupo flúor, cloro, bromo e iodo. Sendo assim só um pesadelo para estudantes de química que têm que decorar essa inutilidade.

História[editar]

Elemento mais imaginário que real, sua existência foi prevista pelos alquimistas e magos da Terra Média, que chamaram aquele espacinho na coluna 17 pelo termo em latim macarrônico eka-iodo, por ser tipo um iodo só que mais nojento.

Quando ainda não havia televisão, a diversão dos químicos era gastar a existência procurando o elemento que faltava na fileirinha dos halogênios, até que eras depois o ástato foi finalmente sintetizado em 1940, por um grupo de cientistas da Califórnia que misturaram bismuto com partículas de adamantium. Mas por ser tão pouco frequente, começou a gerar questionamentos do tipo "E se eu cheirasse esse pozinho ultrararo aqui que eu talvez nunca mais encontre?" e por isso resolveram mantê-lo escondido nas profundezas da crosta terrestre mesmo.

Características[editar]

Como toda coisa inexistente que gera um monte de teorias, imagina-se ser um semicondutor ou metal altamente radioativo que imita seus amiguinhos halogênios, ou seja, é um paga-lanche da química. O ástato é o elemento mais raro do mundo encontrado naturalmente, estima-se haver meros 34 gramas dele em todo o planeta, quantidade tão pequena que não dá para fumar ou cheirar ou usar em armas megadestrutivas e portanto, atrai zero interesse humano.

Usos[editar]

Elemento fictício com valor somente no campo teórico, logo não se conhece nenhuma aplicação prática disso, sendo mais um tapa-buraco ali naquela vaguinha na coluna 17 para deixar essa tabelinha do mal mais completa e bonita.