Bananal

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa

Bananal é um pequeno vilarejo situado abaixo de Barra Mansa.

Como chegar[editar]

Chegar a Bananal é um desafio, tem que passar em meio a uma buraqueira que destruirá a regulagem e balanceamento do seu carro. Você terá que escolher um meio de transporte adequado: Ou de Burro ou de moto (siga essas dicas caso você tenha amor ao seu carro e a sua coluna!). Pensando bem, o melhor modo é de helicóptero. Há rumores que existe uma (do Bebeto) que leva alunos de Bananal para Barra Mansa e Volta Redonda, mas ainda não sei se isso é verdade ou apenas uma lenda.

Esta foto representa o avanço da tecnologia nesta pobre cidade. Um dos meios de transporte mais avançados da cidade, acima das bicicletas e os burros. Ou então nem vai!!!

Para quem contraria as leis da natureza e prefere esportes radicais, pode ainda se aventurar em ir de ônibus, escolhendo entre duas empresas que prezam pela segurança e conforto do passageiro: Passaro Marrom que faz o trajeto entre as Bananal-São Paulo pelas exuberantes curvas da estrada dos tropeiros, onde cada curva é um gorfo; ou o não menos importante e confortável onibus da Colitur, que faz o acesso entre Barra Mansa e Bananal. É nesse fabuloso trajeto que você percebe que sim, deveria ter ido de helicoptero, ou mesmo ter ficado em casa.

Como ela é?[editar]

Bananal

A cidade é um buraco, a mesma placa que está escrito "Bem Vindo", atrás ta escrito "Volte Sempre", porque Bananal só tem duas ruas, uma para ir e uma para voltar, sendo que a saída da cidade é o mesmo lugar da entrada... Coisa de doido!

População[editar]

O povo daqui é muito hospitaleiro, te recebe com uma pedra numa mão e um pau na outra. O pessoal que vem de Barra Mansa e Volta Redonda tem que ser muito atleta e correr, porque a inveja nessa cidade é admirável. Outro detalhe é a fofoca que rola entre os moradores desse ridículo vilarejo subdesenvolvido, essa parte só morando (digo, se escondendo do mundo) aqui para saber como é.

ECAnomia[editar]

A economia é baseada nas grandes fazendas de café (só lembrando que o ciclo do café acabou junto com a escravidão a uns bons anos atrás) como diz a propaganda da Vanguarda "A cidade parou no tempo". Há uma velharia que ainda está em pé não sei como, que é a tal da "Pharmácia Popular", que parece mais um museu, a farmácia (com PH) mais antiga do Brasil em funcionamento, e o povo daqui ainda se orgulha de ter uma velharia daquela em pé ocupando lugar do que poderia ser alguma coisa para a cidade crescer. O turismo também caracteriza a economia de Bananal.

Loja local.

Problemas[editar]

Bem acredite que ainda há alguns malucos que vem visitar esse buraco aqui. Sobre o turismo também há uma coisa que me intriga, a cidade por ser colonial, precisa de uma burocracia do caralho pra você fazer uma construção com mais de 3 andares. Em sua opinião, como a cidade vai se desenvolver não permitindo nem fazer construções? É, a cidade sempre vai estar parada no tempo. E os caminhões pesados que passam na cidade sem nota fiscal! que comédia isso, os caminhões passam no centro da "cidade colonial" destruindo casas e construções antigas e a polícia não vê! Incrível isso né, um caminhão de toneladas que derruba casas, igrejas e estraga estradas, acabando com a estrutura da cidade passar por desapercebido nos olhos da polícia, junto a um esquema de gás que rolou aqui que eu prefiro nem comentar.

Lazer[editar]

Produto de exportação

O Lazer dos humildes habitantes dessa cidadela é vadiar na pracinha, para ver se encontra alguma neguinha pra tirar uma. Eu gostaria muito de falar das boates dessa cidade, mas infelizmente (ou felizmente?) todas se fecharam. O "Studio 43" e "Neverland", ambos por motivos do excesso do uso de drogas dos inquilinos que frequentavam tal lugar. Pra você ter noção, uma dessas boates pertencia a delegada da cidade, que no momento se encontra presa por tráfico de drogas. Outra diversão da humilde população dessa cidade é ir beber no Bistréco, que é uma mistura de Bistrô com Boteco Um costume também da cidade é nos últimos domingos fazer feirinha. Nos últimos domingos do mês, a peãozada arreia seus cavalos e vem encher a cara e brigar, vira e mexe rola uma foiçada, tiro e tal. Se fosse só isso tudo bem, mas acaba sobrando para os cavalos né, que andam na calçada, são maltratados e forçados a levar de volta pra casa os verdadeiros animais que vem montados neles.

Curiosidades:[editar]

Cuidado você, morador de Bananal. Ao sair de casa, tranque bem a porta dos fundos, pois ao voltar para casa você corre o risco de encontrar um Padre celebrando uma missa na sua garagem, por que em Bananal é assim mesmo, cada garagem que se abre é uma igreja nova, quando não é igreja é bar! Um detalhe interessante da cidade é o problema da ausência de luz. Em Bananal basta aparecer uma nuvem para a luz cair, e o mais interessante ainda é que a empresa Rica de rações, nunca fica sem luz ¬¬ será que rola uma grana nisso? Aqui até foi feito uma paródia com uma música: "Ih choveu, Bananal escureceu!”. Muito engraçado também é o fato de que as lan-houses aqui funcionam de maneira muito diferente. A tecnologia é tão ultrapassada que se você trouxer a lenha de casa para colocar no computador é R$2,00 a hora, já se você consumir a lenha da lan-house fica R$2,50 a hora. Essas são as lan-houses mais desenvolvidas da cidade, por que algumas ainda funcionam a manivela, com hamsters girando a rodinha, etc... Mais um fato que me deixa encabulado é que eu não sei, mas parece que Bananal é uma das únicas cidades do Brasil cuja pessoa não precisa ser maior de idade para dirigir... Estranho, não? Será um decreto que só funciona aqui ou será que certas pessoas molham as mãos dos policiais?

É, toda cidade tem seus defeitos. Bananal também, apesar de seus inúmeros defeitos a cidade também tem suas qualidades... mas não vou cita-las por que eu sou muito otário! Hahá abraços.