Blasfêmia

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Night creature.JPG Blasfêmia surgiu das trevas!!

Vamos mergulhar o mundo nas trevas!!

Puro osso.gif


Blasfêmia nasceu quando um demônio estava querendo inventar algo diferente para que o acusassem. Um demônio que se preze, adora deus ser acusado e olhar com todas as faces da ironia para quem o acusa. Nenhuma doutrina nem seguimento religioso sabia disso de blasfêmia, uma das criações do demônio para ter mais atenção do que já possui... Possuir ele está acostumado, mas para saber como nasceu isso de blasfêmia, continue lendo mais essa informação de pura sabedoria da DP.

Blasfemando[editar]

Cão ao cometer a primeira blasfêmia.

Após pensar algum tempo, esse capeta queria um termo novinho, brilhante e cheirando a fábrica, para sua coleção de elogios, daqueles que muitos demônios gostam de escutar a manada toda de fiéis o chamando... E sabe o quanto fieis de todas as abominações denominações amam chamar demônios, e os demônios amam ser chamados, embora sequer lhes passe pela cabeça incorporar em alguém na igreja, mas eles gostam de ver o espetáculo de doidos se contorcendo ou pra ganhar algum dos pastores e bispos ou por descontrole mental mesmo.

Nesse caso, ninguém que esteja se retorcendo igual lagartixa com cãibra em alguma Universal da vida, diz blasfêmia nenhuma, e para que se a própria igreja é em si uma blasfêmia, nem só contra deus, mas contra qualquer ser com um pouco de bom senso? Qualquer demônio que escuta uma blasfêmia se lembra de quando isso surgiu. O demônio que teve a ideia estava passeando por um mosteiro e sendo assediado por um monje bichona que havia levado foras e admoestações dos outros monges por seu comportamento inadequado, o demônio disse que não queria erguer seu rabo de flechinha para ninguém por não gostar de dar o cu e disse que ele que fosse pedir para deus dar a bunda pra ele... Nesse momento um Abade(que nome), escutou e fez um ar de que queria matar o pobre capetinha, e claro que o demônio gostou de ver o Abade fodido da cara, mas não deixou de pensar com suas ideias demoníacas que, achava muito mais pesado o Abade aceitar um monge assediando os demais do que algumas palavrinhas ofensivas ao altíssimo.

Não adiantou... e o abade achou tão grave oque o maldito demônio havia dito que em sabia com que palavras o excomungar. O Abade se arrependeu na hora, pois quando o capeta se apresentou pedindo para dar um passeio pelo mosteiro, o Abade permitiu, achando que seria um bo desafio para sua fé, mas é claro que se arrependeu na mesma hora. Olhando para o capeta, que fazia uma cara de tão satisfeito que, enquanto o balde abade não encontrava termos para excomunga-lo e demônio não sabia como expressar tanta alegria de ver ele tão alterado. A biba monja já estava longe, havia tirado da reta mesmo em geral gostando de por o dela na reta.

Assim...[editar]

Comemoração à primeira blasfêmia proferida.
Mais um acordo bem sucedido entre um demônio e a igreja.

O abade gaguejou, ficou roxo, vermelho igual ao capeta que o observava e das várias coisas ininteligíveis que ele disse o demônio pegou algumas sílabas e sugeriu ao mestre: Blasfêmia. Eu disse uma blasfêmia. E o abade berrou Sim! Você disse uma BLAS-FÊ-MI-A!!! - O demônio já mais calmo, porém ainda feliz apenas mostrou um ar de ironia e aprovação. Agora não precisava mais fazer muita coisa, o abade já estava determinando junto aos demais mestres como seria aplicado esse novo termo e em que ele consistiria. O demônio, os observava sorrindo às vezes, em um canto afastado, mas estavam de olho nele, para que não fugisse sem uma sentença.

Ele esperou pacientemente a sentença: O fariam sumir em um banho de água benta e assim o fizeram. Ele até gostou do bainho, aquele monte de velhos dizendo coisas divinas e espirrando aqueles frascos de aguinha benta nele, até dançou um pouco e eles berravam cada vez mais... Quando o demo não viu mais graça e eles estavam já roucos e com o estoque de água benta quase no fim, ele foi embora cansado, mas satisfeito com a blasfêmia cometida. Agora a comunidade religiosa tinha algo com que se ocupar por algum tempo, que eram as blasfêmias e suas classificações e em como incorporar(...) isso às escrituras sagradas.