Boko Haram

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Cptislamico.jpg الله وحده هو الله وهتلر رسول الله

Boko Haram é Muçulmano! Isto significa que ele(a) acredita em Alá, Maomé e no Gênio da Lâmpada, além de adorar se explodir.
Este artigo foi trazido por Muhammad e seu autor é membro da Mesquita Universal.

Boko Haram é um grupo de entretenimento jihadista atuante no norte da Nigéria, inspirados pelos supervilões de Hollywood. Seu nome na língua hausa local significa literalmente "O odor corporal e um baixo QI são os sinais de Deus amado", enquanto em todas demais línguas do mundo significa "loucos varridos fanáticos mas que foda-se, afinal eles são lá da África e não estou nem aí para a barbárie que eles cometem naquele continente que não sinto a menor compaixão em ajudar".

História[editar]

Independente da espécie, os apóstatas devem ser punidos, segundo o Boko Haram.

O Boko Haram foi fundada no início do século XX por Abubakar Shekau, um empresário religioso que tinha como objetivo tornar-se notório e morrer extremamente rico, e para sua fortuna ele foi bem sucedido em todos os seus objetivos. Ele convenceu uma porrada de miseráveis nas tribos esquecidas do interior da Nigéria de que aqueles que não conseguissem perceber que ele era profeta de Deus deveriam morrer, e que o dinheiro era um mal que deveria ser dado todo para ele que como profeta supremo saberia o destino certo dessa renda maligna toda. A trajetória deste líder, porém, não durou muito, pois ao caos que se seguiu dos inúmeros massacres que foram se multiplicando no interior do país, seus próprios seguidores o confundiram com um homem educado e o cortaram em pedaços minúsculos e fê-lo em Suya (uma iguaria local feita por carne crua com especiarias e saliva em uma frigideira quente).

O líder morreu, mas o legado ficou, os fanáticos bokistas perceberam que ter alguma liderança era inteligente demais, e como eles defendem a estupidez plena, aderiram ao anarquismo. A sua primeira aparição internacional se deu em 2011, quando o Boko Haram ganhou prêmio na categoria de "Nome Mais Idiota" na Convenção Internacional da Violência Insana, e comemorou a vitória explodindo 3.700 nigerianos educados, bem como mais de 2.300 iletrados que poderiam tentar educar-se no futuro.

O problema de tanta matança é que a população interiorana começou a ficar escassa, o que obrigou o grupo a raptar forçosamente meninas adolescentes de grandes aldeias para atuar como fãs e dar uma falsa impressão de apoio popular. Em 2012 foram mais de 20.000 mulheres raptadas para serem obrigadas a se vestirem com cortinas (a burca) e servirem de escravas sexuais, afinal o Corão condena apenas a infidelidade, então para eles é só casar, estuprar, divorciar, e se for o caso casar novamente caso não morram de AIDS.

A Nigéria precisa do Boko Haram como um homem se afogando numa piscina de merda precisa de um bloco de concreto. O grupo tem sido tão bem sucedido em instigar o ódio em um país com 52 grupos linguísticos distintos, que a ONU está considerando seriamente a possibilidade de pedir ao Boko Haram para conduzir e mediar o processo de paz entre Israel e Palestina. Uma vez que esta mediação na vez passada tenha sido executado por um dos arquitetos da invasão do Iraque (Tony Blair), o Boko Haram só poderia melhorar as coisas e fomentar a união no Oriente Médio. Uma boa rodada de assassinato em massa mútuo deve ajudar a apoiar a identidade tradicional do Oriente Médio como uma poça de sangue e ao mesmo tempo dar um descanso à Nigéria.

Ideologia[editar]

Em demonstração de amor à Allah, o Boko Haram decidiu odiar todos os outros povos, crenças e ideias, defendendo a ideia de que ninguém pode ter ideias mais.

Os seguidores do Boko Haram não têm qualquer ideologia formal, porque eles acreditam que as ideias são pecaminosas. Eles acreditam que quem matar mais de vinte pessoas educadas torna-se imediatamente um "jihad", o que significa que naquele instante Allah vem e remove o seu cérebro e leva-o até o Paraíso, onde dezesseis belas donzelas passarão a eternidade tirando sarro de suas partes íntimas diminutas.

O Boko Haram reverencia os textos do Corão, que ensinam que a Terra é plana, a noite é dia, o vinho é o mal e morrer é bom. Matar pessoas que se recusam a se inscrever para tal absurdo é também, naturalmente, bom. Alguns nigerianos fizeram o erro fatal de acusar os bokistas de que tudo isso é extremamente estúpido, enquanto os bokistas na verdade adoram a estupidez, além do que, eles sabem que é preciso um mínimo de educação para ver o quão estúpido suas crenças são, e assim matar qualquer um que aponta isso para eles.