C&A

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa

C&A é uma zona loja de departamentos, ou "fast fashion" se você quiser valorizar as roupas que você vesta, que vende roupas bregas, relativamente caras pelo péssimo material que são feitas e muitas vezes, idiotas para o público favelado metido a rico por comprar em loja de departamentos e não naquelas lojas de rua.

C&A de Pégasus, garoto propaganda da loja, demonstrando a coleção primavera-verão desenhada por Clodovil.

História[editar]

C&A começou sua história quando Seiya, um Cavaleiro do Zodíaco, saiu do programa e resolveu, com a ajuda de Clodovil, abrir o cu da bichona uma rede de lojas.

Para fazer mais sucesso, eles convidaram um garoto propaganda esquisito, chamado Negão da C&A Sebastian, que lembra muito o haitiano de Heroes.

Significados de C&A[editar]

- Canalhas & Aloprados;

- Cachorros & Atormentados;

- Chiqueiro & Asqueroso;

- Carniça & Asquerosa;

- Cafonas & Arapucas;

- Corrupção & Armadilhas;

- Circo & Anarquia;

- Cocô & Algozes;

- Cínicos & Agoniantes;

- Carrascos & Abusadores;

- Cruéis & Atazanadores;

- Complicação & Aborrecimento;

- Câncer & Aberração;

- Catinga & Aberração;

- Cagados & Atormentados;

- Cretinos & Anormais;

- Canalhas & Abomináveis;

- Cachorros & Anormais;

- Câncer & Anormalidade;

- Chancelamento & Abusos;

- Cagados & Anormais;

"O logo que parece uma bolacha com babados.

Sebastian, a alma TEM cor[editar]

O Negão da C&A Sebastian foi chamado para a C&A por meio de um teste. Foi escolhido por ser pauzudo a dedo por Clodovil. A sua única função foi comer o estilista da loja, já que nos comerciais ele só ficava pinotando de um lado para o outro. Seiya ficou possesso, largou Clô e se uniu a Shun e resolveu abandonar o negócio, tanto que fez um novo filme.

Quem mais está nessa Nhaca?[editar]

O que vendem nessa porra?[editar]

Que roupas lindas você compra aqui.
  • Roupas Cafonas
  • Cuecas, Meias, Camisas, etc...
  • Vibradores
  • Latões de lixo
  • Panos de chão
  • Flanelas

Quem vai e quem não vai?[editar]

  • Gay- Vai porque a Forever 21 não vende roupas "masculinas" ainda (claro que eles procuram roupas masculinas, mas só porque as femininas do tamanho GG são pequenas demais pra eles, porque se não...)
  • Hétero solteiro - Também vai, mas bem rapidinho ou pra acompanhar a mulher
  • Hetero casado - Raramente vai pois a esposa é quem compra as roupas dele e das crianças.
  • Emo- Vai
  • Indie- a pergunta correta é: isso existe ainda?!
  • Influencer - finge que não vai mas também vai, é só arrancar a etiqueta depois.
  • Poser- finge que vai, mas não vai!
  • Homem Geek - Não ia, mas agora vai porque agora lá vende roupas de super heróis.
  • Mulher Geek - Não vai, prefere ir pra Riachuelo, pois a C&A acha que mulher geek só gosta da Mulher Maravilha.
  • Celebridades que lançaram coleções pra C&A com o seu nome - claro que não vão!
  • Funkeiro - Não vai porque funkeiro, se não usa roupa falsa, usa grife de pobre, você sabe, aquelas roupas caríssimas, cafonas e que você nunca viu um rico usando.
  • Evangélico - Não vai de jeito nenhum! Está boicotando a C&A que sempre faz propagandas com gays se pegando e homens vestidos de mulher. Mas não rejeita uma blusinha da C&A de presente de Natal.
  • Otaku - Se vai é só pra comprar calça, pois as blusas de personagens de anime ele compra na internet ou num Piticas da vida.
  • K-popper - Mesma situação dos otakus, aquele casaco do BTS não se acha na C&A de jeito nenhum!
  • Você - Vai. Aliás, pelo menos metade das suas roupas foram compradas na C&A.


Slogan[editar]

Era "desprazer em conhecer". Mas queriam ser mais ousados e passou a ser "abuse e use", mas os patrulheiros do politicamente correto encheram o saco da C&A dizendo que o slogan fazia apologia ao estupro e aos relacionamentos abusivos. O atual slogan da C&A é "tudo lindo e misturado" na tentativa de mostrar o seu engajamento com o movimento negro, que já era antigo, pois o garoto propaganda que trabalhou durante mais tempo pra empresa foi o Sebastian, isso lá pros anos 90 e primeira década de 2000, tempo que as outras lojas de departamentos só colocavam modelos brancas do Sul (na verdade, eles fazem isso até hoje). Mas não só isso, o novo slogan queria mostrar engajamento com o movimento LGBTTQ+(insira uma nova letra pra essa sigla aqui) que era cada vez mais modinha.