Campinápolis

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa

Campinápolis é uma pseudo-cidade com status de município perdida em algum lugar lá no Mato Grosso. Apesar de contar com um artigo na Desciclopédia a existência comprovada dessa cidade ainda não passa de um mito.

História[editar]

Panorama de Campinápolis... Ou seria daquela reserva indígena? Bem, é tudo essa mesma coisa no meio do nada...

Tudo começou com a Expedição Roncador-Xingu, quando bravos bandeirantes foram caminhar lá no meio do mato porque fazia parte do projeto Marcha para Oeste, um ambicioso plano de Getúlio Vargas na busca pelo Acre e sua mítica capital Eldorado. A Expedição Roncador-Xingu fora atacada por orcs no seu caminho e ficaram eternamente perdidos naquele mato. Não tiveram outra opção a não ser armar um acampamento chamado Campinápolis e durante alguns dias ficaram fazendo sinais com fumaça para ver se chegava algum resgate.

A pequena vila crescia discretamente. Diz a lenda que cogitou-se transferir a capital federal, que na época Rio de Janeiro, para Campinápolis, caso a Segunda Guerra Mundial apertasse, mas é claro que para não ter que fazer uma merda dessas, o governo brasileiro preferiu ficar assistindo a guerra de longe.

Com o tempo foram surgindo estradas de terra, até que em 1986 o povoado se torna um município, que bosta...

Atualmente não passa de mais uma dessas terras sem lei, onde índios e fazendeiros ficam se matando por posses de terras.

Economia[editar]

Campinápolis é mais uma dessas cidadezinhas sem nada de mais que sobrevive da pecuária de subexistência (não subsistência). Destaca-se também na exportação de cogumelos alucinógenos.

População[editar]

De acordo com os dados feitos pelo último censo divulgado pelo IBGE (Instituto de Burrices Geográficas e Estatística), Campinápolis possui 14.000, apesar do núcleo urbano aparentar não ter mais que 50 habitantes, porque na verdade a grande maioria desse povo são índios Xavantes lá no meio do mato, ou mesmo fazendeiros que passam o dia desmatando a flora nativa para criação de mais pastos.