Caravela-portuguesa

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Caravela-portuguesa
Uma caravela-portuguesa, encalhada na praia como sempre
Uma caravela-portuguesa, encalhada na praia como sempre
Classificação científica
Reino: Animais
Filo: Cnidários
Classe: Gelatinozo
Ordem: Sefodelogoae
Família: Pisolisodae
Gênero: Physicotropicus
Espécie: Caravela-portuguesa
physicotropicus urticantis

Caravela-portuguesa é o nome de um animal bizarro que vive tanto nos oceanos quanto nas praias, um parente das água-vivas que mais parece uma sacola plástica boiando na água (ou agonizando na praia). Recebeu esse nome, obviamente, porque se parece com uma caravela portuguesa, embarcação que navega sem rumo no Atlântico e eventualmente facilmente encalha nas praias e não deixa sobrevivente por onde passa. Este animal é um raro exemplar de animal dois-em-um, porque a cabeça é um animal e os tentáculos são outro animal, mas que separados não sobrevivem sozinhos, como se fosse um siamês entre polvo e sacola de lixo.

Por muitos anos considerado apenas um pedaço de lixo nos oceanos, nessa época em que a biologia ainda não era muito desenvolvida, só foi passar a ser considerado um ser vivo e animal em 1758, ano em que fez sua primeira vítima, o cientista Jean Baptiste Lamarck, que morreu de uma picada dessa água-viva que ele coletou das praias achando que era lixo, morte essa que inspirou a criação do Greenpeace. Lamarck amaldiçoou o animal apenas alguns segundos antes de morrer, não esquecendo de batizá-lo com o nome physicotropicus urticantis. Charles Darwin, por sua vez, sempre negou Lamarck e portanto afirma que este animal é muito bonito, não importa o que Lamarck diga sobre ele, e que merece viver.

Anatomia[editar]

Com sua cor e sabor púrpura-roxa, a caravela-portuguesa é um raro exemplo de animal siamês por natureza. Ele não consiste em um animal só, cada parte de seu corpo é um animal separado com uma vida própria, é um animal feito de quatro animais diferentes, ele é tipo o Megazorde da vida real, só que ao invés de ser formado por pedaços de robôs gigantes ele é formado por pedaços de lixo. A cabeça é formada pelo plasticus lixus que consiste numa sacola plástica de lixo que passou tanto tempo no mar que após contato com fumarolas no fundo do mar ganhou vida por abiogênese (essa aliás é a explicação da origem da vida conforme o ateísmo). Já os tentáculos são formados pelo hentai estupradoris que consiste num conjunto de fios de alta tensão que são ideais para transmitir poliomielite, estes tentáculos são preenchidos com eletricidade, veneno e uritcária. Os quatro estômagos são o faustonis gulosus que são um grupo de cavidades abertas que apenas suga tudo o que passar pela frente da caravela, geralmente cadáveres do que quer que seja que esbarrou nos tentáculos. E por fim o pinto do animal é o caralhus ambulantis que tem o papel fundamental na reprodução sexuada do bicho. Não é necessário um cérebro, mas a união desses quatro animais.

Mas é por não possuir cérebro que a caravela-portuguesa não se locomove livremente, ela apenas boia por aí, sem saber o que fazer exatamente, o que aconteceu aconteceu, cada dia é uma aventura nova para esse animal.

Comportamento[editar]

A principal atividade da caravela-portuguesa é encalhar nas praias, qualquer frequentador de praia sabe que essa é a maior diversão desses seres. Não pode estar um dia bonito ensolarado que lá estará uma nojenta caravela-portuguesa se arrastando e agonizando na areia. A tática é muito simples, ir para a areia e ficar agonizando por lá, despertando curiosidade e dó em pessoas poucas instruídas, ou crianças que ainda não entendem as perversidades da vida. Então quando essa pessoa vem e toca na caravela-portuguesa, é tarde demais, perderá a mão para sempre e o objetivo da caravela-portuguesa estará concluído.