Castries

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa

Castries é a capital e única habitação humana de Santa Lúcia, uma ilhota no Caribe, é considerada uma cidade semelhante à Nova York, só que 1 trilhão de vezes menor e piorada.

História[editar]

Um dos aconchegantes e modernos resorts de Castries.

Castries foi fundada em 1650 por uns franceses que animados planejavam recriar a ilha de Córsega no Caribe, e para isso levaram vinhos, queijos, pães, baionetas e todas essas coisas típicas da França e de Córsega. Depois de anos construindo belas casas de tijolo, infelizmente para os franceses, a ideia não deu muito certo, um furacão devastador destruiu Castries e o trabalho dos franceses foi perdido num piscar de olhos. Decidiram então ficar só com a Guiana Francesa mesmo e abandonaram Castries.

Os britânicos decidiram adotar aqueles escombros e transformaram Castries num gigantesco porto de carvão e colônia penal de canibais. Durante essa época a cidade foi intensamente colonizada por eremitas da Patagônia.

No século XIX Castries quase foi destruída depois que um inocente biólogo levou para a ilha um pequeno casal de mafagafos. O ecossistema local que não era preparado, quase foi devastado, só sobraram coqueiros, palmeiras e claro, os mafagafos e humanos.

Atualmente Castries é um grande pub com praia.

Economia[editar]

Mesmo sem muitos recursos naturais, Castries é uma das capitais mais desenvolvidas do Caribe, uma cidade que soube bem gastar os dólares dos turistas e do lucrativo comércio de rum, Castries mostra-se uma cidade bem desenvolvida, com prédios e carros, coisa que não se vê nas capitais das nações vizinhas.

Turismo[editar]

Castries destaca-se pelo seu turismo refinado, repleto de cruzeiros marítimos de alta classe.

O pacote turístico completo inclui resorts com piscinas de Fanta e massagem erótica santa-lucense, chalés com vista panorâmica para os furacões que cruzam o Mar do Caribe, quiosques com coqueteis exóticos como a famosa caipirinha de camarão, e tudo na beira da praia, onde você numa rede é servido de água de coco por mestres xaolins em quebrar cocos com a cabeça enquanto duas dançarinas de ula-ula rebolam os quadris e abanam folhas de bananeira para sua refrescância. E tudo isso e muito mais por apenas 500 leves parcelas vitalícias de 1 bilhão de dólares bananais.

Cidades irmãs[editar]