Catalunha

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Catalunya
República Catalana
Catalunha
Bandeira
Brasão
Bandeira Brasão

Localização de Catalunha

Capital Barcelona
Cidade mais populosa Llobregat, porque há umas 450 cidades da Catalunha que são ‘’de Llobregat’’, como Cornellà, L’Hospitalet, El Prat, etc, etc, etc...
Língua Língua catalã, castelhano, todas as línguas dos povos que querem se separar da Espanha e o inglês, especialmente para a elaboração de cartazes para manifestações.
Religião oficial Barcelonismo Messiânico
Governo Barcelonismo
 - Sua Majestade, Senhor das Quatro Províncias Catalãs, dos Países Catalães, do Espanyol e do FC Barcelona, Presidente da Generalitat de Catalunya Artur Mas i Gavarró ‘’de facto’’, Josep Guardiola, de direito.
Heróis Nacionais Lionel Messi, Carles Puyol, Joan Laporta, Federico Jimenez Losantos, Josep-Lluis Carod-Rovira, Antoni Gaudí, Pau Gasol, Xavi, Shakira, Jimmy Jump e La Queca, a ovelha de Carles Puyol.
Área  
 - Total Uma porção de terra ao redor do Camp Nou km² 
 - Água (%) 33,33333333333
Analfabetismo
População Sete milhões e meio, mais um, o Neymar, que acabou de chegar e ainda não entrou no censo. 
PIB per Capita Um zilhão 
IDH Ninguém nunca contabilizou, mas todos tem certeza que deve ser maior do que o da Espanha. 
Moeda Euro.
Fuso horário Greenwich
Clima Agradável, mas não custa nada ter uma blusa em mãos para prevenir
Website governamental [1]


Cquote1.png Você quis dizer: Polônia Cquote2.png
Google sobre Catalunha

Cquote1.png In...Inde...Independència! Cquote2.png
Catalão sobre Espanha

Cquote1.png Nem a pau, juvenal! Cquote2.png
Mariano Rajoy, presidente de governo da Espanha sobre Independência da Catalunha.

Cquote1.png Catalunya és un país. Té la seva pròpia cultura i llengua. Els catalans haurien de tenir el dret a decidir sobre la seva sobirania contra l'Estat espanyol. Cquote2.png
Frase completamente desprovida de opinião e orientação política, tendo como único objetivo mostrar para o leitor como é a língua da Catalunha.
Cquote1.png Eu já joguei por aqui. Cquote2.png
Oliver Tsubasa sobre Catalunha

A Catalunha (em catalão Catalunya, em espanhol Polonia e em futebolês, Futbol Club Barcelona) é um país para ela mesma, mas que em tese faz parte da Espanha, como uma das suas comunidades autônomas, o que lhe dá enorme autonomia dentro do Estado espanhol. Tem língua e cultura próprias, mas a maior parte das pessoas do resto do mundo só conhece aquelas pirâmides humanas que todo mundo que vê fica torcendo para que ela caia logo e, obviamente, o FC Barcelona.

Puyol, exemplo da beleza do povo catalão.

História[editar]

Mais um dia normal na Catalunha

Os primeiros indícios de ocupação humana na região da Catalunha remontam ao Pleistoceno, através de uma espécie hominídea que foi catalogada como Homo catalanenses, ou homem da Catalunha, o que comprova que os catalães nada tem a ver com os espanhóis! As primeiras cidades foram fundadas por cartaginenses, que passaram a exportar os jogadores de futebol ali produzidos, impondo ao povo pesados impostos, comprovando como a exploração fiscal vem desde os tempos mais antigos. Os gregos também estiveram por ali, mas acabaram vendendo as colônias para pagar a sua dívida externa.

Lá pelos duzentos e pouco antes de JC, a região passou a fazer parte de uma província romana, a Hispânia Citerior, que já tinha um mapa parecido com os dos Países Catalães, o que mais uma vez reforça o quanto a Catalunha é diferente de seu país vizinho desde sempre. Nesse momento, a principal cidade era Tarragona. Como os catalães complicavam com tudo, os romanos acabaram cansando e abandonaram a região, que acabou sendo ocupada pelos visigodos, que também não tiveram interesse em manter o controle, deixando os árabes ficar com as terras. Inicia-se a duradoura dominação árabe no território que viria a ser a Espanha. No entanto, a Catalunha foi conquistada pelos carolíngios, passando a fazer parte do Reino Franco. Tempo depois, a região originou o reino de Aragão, que compreenderia Catalunha, as Ilhas Baleares e o País Valenciano. Com o tempo e as putarias as conquistas militares e os casamentos por interesse entre monarquias, o reino cresceu, dominando a ilha da Sardenha, territórios na península itálica, a Polônia e Marte.

A Coroa de Aragão se tornou super fodona, dominadora de várias regiões e cheia de ouro. No entanto, o amor cagou com tudo. Isabel, a Rainha, achou Fernando, o rei de Castela, bem gatinho. Aí, deu merda. Ela se casou, e a partir de então, nasceu o Reino de Aragão e Castela, a Espanha. No século XVII, a Catalunha entrou em guerra contra o rei da Espanha, Felipe IV. O conflito durou doze anos, e acabou com a sodomização da Catalunha, que perdeu territórios e seguiu sendo controlada pelos espanhóis. Mais adiante, na Guerra de Secessão Espanhola, a região deu mais uma tentadinha para se tornar independente, mas não deu certo. A última batalha, onde a Catalunha foi derrotada, pelo menos serviu para gerar um feriado, a Diada, a festa nacional.

No século XIX, a região viveu uma fase de grande desenvolvimento, com a criação de indústrias produtoras de sardinha em conserva, bolas de futebol e castanholas. No século seguinte, as coisas complicaram. Durante a Guerra Civil Espanhola, a Catalunha foi fortemente atingida, por ser uma região republicana até a raiz dos cabelos. Com a vitória de Francisco Franco, os catalães sofreram bastante. O catalão e todas as outras manifestações catalanistas foram proibidas e, o pior de tudo, o Real Madrid foi bastante favorecido pelo governo e ganhou trocentos títulos.

Com a morte de Franco, a Catalunha pode voltar a ser ela mesma. O catalão e a supremacia do FC Barcelona voltaram. Nos dias atuais, as discussões sobre a soberania e a independência ganharam força. O Espanyol é uma das instituições mais interessadas com isso, porque somente assim conseguiriam ser vice-campeões do campeonato catalão de futebol, apenas atrás do Barça.

Geografia[editar]

A Catalunha está localizada no canto superior direito da Península Ibérica, banhada pelo Mar Mediterrâneo. Tem aproximadamente 32 mil quilômetros quadrados (enquanto não se unir com a Comunidade Valenciana, Ilhas Baleares e as outras regiões que falam o catalão) e sete milhões e meio de habitantes, entre catalães, estrangeiros e espanhóis das mais variadas regiões (exceto torcedores do Real Madrid, que são proibidos de viver na Catalunha conforme o Estatuto de Autonomia). Limita a norte com Andorra e França, ao sul com a Comunidade Valenciana, a oeste com a Espanha (comunidade de Aragão) e a leste com omar Mediterrâneo.

Parte de seu território é montanhoso, devido aos Pirineus. A Generatitat, o governo da Catalunha, desejava realizar a transposição da cadeia de montanhas, deslocando-as para oeste, a fim de separá-la da Espanha, mas sairia muito caro e os franceses não permitiriam, afinal elas a separam de toda a Península Ibérica.

Economia[editar]

Seria perfeita se os impostos pagos pelos catalães não fossem para outras regiões ao invés de ficarem na Catalunha. A economia catalã é a maior dentre as comunidades autônomas espanholas. Produz azeitonas e azeites, vinhos e espumantes, cereais, suínos e bovinos. Tem variados tipos de indústrias, destacando-se a produção em massa de jogadores de futebol, no Complexo Industrial de La Masia, de propriedade do FC Barcelona. Evidentemente, assim como a vizinha Espanha, a Catalunha também vive os efeitos da grave crise econômica que atinge a Europa. Os graves efeitos na Catalunha deram mais força ao independentismo catalão e, muito mais grave, levou o presidente da Generalitat, Artur Menos, a cogitar a desapropriação e nacionalização de Lionel Messi, como forma de gerar divisas para o país a comunidade autônoma.

O turismo é a atividade mais destacada. A Catalunha tem inúmeras praias e locais de interesse histórico, como as construções tortas e inacabadas de Antoni Gaudí, arquiteto mais genial de todos os tempos, pois a sua obra-prima nem precisou ser acabada para que fosse reconhecida, o Templo Expiatório da Sagrada Família.

Idiomas[editar]

Crystal Clear app xmag.pngVer artigo principal: Língua catalã

Para dar origem ao catalão, é muito fácil. Pegue uma porção de francês, meia porção de português, duas porções de espanhol e uma taça de vinho. Coloque em um liquidificador obrigatoriamente fabricado no parque industrial de Barcelona e misture bem. Cerca de 88% das pessoas que vivem na Catalunha entendem o catalão e o utilizam no cotidiano, especialmente para irritar aqueles que não o entendem. O idioma é usado nas mais diversas atividades, inclusive na imprensa, no sistema escolar, nas artes, na música e na vida sexual, pois até o gemido em catalão deve ser diferente do espanhol.

Política[editar]

Segundo a Constituição espanhola, a Catalunha é uma nacionalidade histórica, o que quer dizer, para os espanhóis, que essa conversa de independência já é história, faz parte do passado. Como, para os catalães, pouco importa o que venha da Espanha e de seu governo, a Catalunha é um país e pronto. São quatro os principais órgãos de soberania: a Generalitat, poder executivo; o Tribunal Superior de Justiça da Catalunha, poder judiciário; o Parlament, poder legislativo; e as deputações das províncias. Entretanto, todo mundo sabe que quem manda de verdade é o Barça. Como o regime é parlamentarista, os deputados catalães acabam tendo grande destaque, mas não conseguem ter muito poder diante do governo de Madrid, que acaba colocando algum defeito ou se queixando do idioma.

Divisão Administrativa[editar]

Cquote1.png Catalunha país independente deve ser Cquote2.png
Jordi Yoda Puyol sobre Catalunha

A Catalunha está dividida administrativamente em quatro províncias:

  • Província de Barcelona, cuja capital é Barcelona
  • Província de Girona, cuja capital é Girona (Girona em catalão)
  • Província de Lérida, cuja capital é Lérida (Lleida em catalão)
  • Província de Tarragona, cuja capital é Tarragona

E mais os territórios reclamados:

  • País Valencià ou Comunidade Valenciana, com capital em Valencia;
  • Catalunha do Norte, na França, com capital em Perpignam;
  • El Carxe, em Murcia;
  • Faixa de Aragão;

Partidos Políticos[editar]

Cena cotidiana na Catalunha.
  • Convergència i Unió (CiU) – Partido do atual presidente. Tem esse nome que fala em convergência e união, mas os dois grupos que o compõem vivem se estranhando. É o partido que governou por mais tempo, com Jordi Pujol, mais conhecido como Yoda.
  • Esquerra Republicana de Catalunya (ERC) – Partido liberado pelo belo Oriol Junqueras, é independentista desde sempre (ao contrário da CiU), e por isso sente pouquinho de ciúmes porque agora outros partidos estejam falando nisso.
  • Partido Socialista de Catalunya (PSC) – Filial catalã do Partido Socialista Obrero Espanhol, que anda meio de mal com a matriz. Defende o federalismo, ou seja, que a Espanha e a Catalunha sejam autônomas mas sigam sendo amiguinhas, jogando videogame e futebol juntas nos finais de semana.
  • Partido Popular (PP) – Partido que governa a Espanha, não dá muita bola para a Catalunha, tanto que, ao contrário do PSOE, não tem um nome bonitinho em catalão. É contra a independência, especialmente pela ameaça de que uma Catalunha independente pudesse ganhar o Festival da Eurovisão.
  • Ciutadans (C’s) – Radicalmente contrários à independência, preferem falar em melhores lugares para se passar férias, melhores vinhos para acompanhar faisão e queijo gouda, carros de luxo e sobre como seria um inferno viver em uma Catalunha separada da Espanha.
  • Iniciativa per Catalunya Verds-Esquerra Unida i Alternativa (ICV-EUiA)- Partido que muitas vezes é associado à determinadas práticas, é uma junção de grupos de esquerda e ambientalistas ecossocialistas. Uma de suas demandas é a liberdade de escolha... da bandeira da Catalunha Como há muitas versões da Senyera, eles defendem que cada cidadão possa escolher a sua, e ninguém tem nada a ver com a opção individual.
  • Candidatura D’ Unitat Popular (CUP)- Grupo de esquerda, faz assembleia e votação para absolutamente tudo, como votação para decidir se haverá votação no dia, votação para decidir se é possível abrir a janela da sala, votação sobre quem irá apagar a luz na hora de ir embora, etc, etc, etc...

In... inde... in-de-pen-dèn-cia!!![editar]

Ao lado do País Basco e da Galícia, a Catalunha é uma das regiões da Espanha que são consideradas como nacionalidades e tem aspirações independentistas. Em cinco oportunidades, de fato, a Catalunha foi independente, mas não conseguiu segurar a barra. Entre as justificativas para a separação, fora o fato de ter uma língua e uma cultura bem diferente da espanhola, tem relação com a sensação que os catalães tem de ser mal amados pelos espanhóis.

Eles também tem toda aquela conversa de que os seus impostos não ficam na região e, em relação à vários aspectos da política, economia, cultura e vida social, sentem-se desprezados. Josep Lluís Piqué Puyol, professor de História da Universitat Rovira i Virgili de Tarragona, afirma que esse tratamento ruim tem a ver com ciúmes, pois um catalão pega a Shakira; um dos três tenores, José Carreras, é, na verdade, Josep; na seleção espanhola de futebol os melhores jogadores são catalães; o pênis dos catalães é, em média, 5 cm maior do que o dos espanhóis[carece de fontes]; o melhor treinador de futebol do mundo, José Mourinho Guardiola, é catalão; e Barcelona é muito mais legal e os motéis são mais baratos do que em Sevilha,Madrid ou Logroño.

Artur Mas, o atual presidente da Generalitat, tem sido um grande entusiasta da independência, prometendo para o ano de 2014 a realização de um plebiscito em que os catalães votarão se querem ou não a independência, se concedem a cidadania catalã à Shakira, escolherão o vencedor do primeiro Big Brother Catalunha e quem será o enviado para contar a notícia da independência para a proprietária da Europa, Angela Merkel.

Ver também[editar]