Cavalcante (Rio de Janeiro)

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Rioband.jpg Coé, merhmão, eshte arhtchigo eh CARIOCA!

Não vandalize, senão a chapa vai ficarh quentche, cara. Agora deixa eu irh na praia pegarh um bronze nesse sol de 50 graush, comendo unsh bishcoitosh.


Cquote1.png Você quis dizer: Cascadura Cquote2.png
Google sobre Cavalcante (Rio de Janeiro)

Tom Cavalcante é um bairro da Zona Norte do Rio de Janeiro (você já tem noção da periculosidade) que é da mesma região de Madureira (noção de periculosidade dobra) e faz divisa com Cascadura (você já treme de medo só por estar lendo o artigo de tal bairro).

Porque o nome é Cavalcante?[editar]

Só mesmo alguém nesse estado pra comprar algo em Cavalcante.

Não acredito que você fez essa pergunta. Não é óbvio!?!?

O bairro[editar]

Cavalcante surgiu quando o humorista Tom Cavalcante ainda trabalhava na Rede Globo, e ganhava um salário que dava pra comprar o equivalente à 50% dos bairros minúsculos e desconhecidos da Zona Norte do Rio. Como ele sabia que um dia ele ia perder a graça, vide, pois só possui piadas repetidas, ou então, ia exagerar ao interpretar João Canabrava, um bêbado que é seu personagem mais famoso e assim acabar por gastar toda a grana que tem em Caninha da Roça, ele decidiu arrumar outra coisa para ganhar dinheiro.

Essa coisa se chama loteamento. Tom Cavalcante chegou ào político que era o dono do feudo de Cascadura (na verdade era um traficante cujo nome não será revelado pois o editor está neste momento sendo visto por alguém de lá e está se cagando de medo em dedurá-lo) e perguntou se havia alguma parte da grande Cascadura que podia ser negociada em troca de um de seus shows (avaliado atualmente pelo preço de R$ 1,25) no churrascão da favela de lá.

Como pro cara não tinha problemas, visto que todos na favela já tinham cansado de brincar de polícia e ladrão, o senhor responsável pelo loteamento de Cascadura topou, ainda mais por ser revolucionário um show de Stand Up Comedy no meio de uma favela. Bom, Tom fez o show, obviamente não foi engraçado e conseguiu o território equivalente à Cavalcante.

Distribuição e reloteamento dessa bosta[editar]

É comum a grande movimentação e interesse com relação à imóveis à venda em Cavalcante.

Bom, Tom Cavalcante então decidiu vender casas nesse lugar, até porque, como já foi dito, essa seria a segurança dele quando mais ninguém visse graça nele (e alguém já chegou a ver?). Mesmo que a renda média fazendo de Cavalcante um Cityville in real seja inferior a de um salário mínimo (ué, o que você queria? alugar casa em Cavalcante é menos lucrativo do que vender balinha no semáforo).

Com um preço bem acessível (na verdade não para os pobres, mas eu poderia comprar todo esse bairro e mais um pouco - se você for carioca, não adianta me roubar, eu também sou carioca, e já roubei todas as suas coisas, inclusive sua arma, noob!) foi fácil vender tudo na área. Não, ele nem alugou, pois sabe que rola inadimplência e pra essa cambada aí de classe média baixa ter nome no SPC é um orgulho, chega até a fazer competição de quem tem nome mais sujo em tal organização.

Por isso ele é estritamente residencial, o máximo de comércio que tem são as escolas. Que aliás são também o comércio do bairro, as particulares fazem o conhecido vendão de diplomão, que é equivalente à mais de 30% do PIB do bairro. Tem 2 academias de ginástica particulares e uma pública, vide, tem uma praça com uns metais e outras barras que servem pro povo se pendurar igual macaco e dizer que faz ginástica. Isso até o Flamengo vs. Vasco mais próximo, onde essas barras podem virar armas populares. Aí vai todo mundo pra Bonsucesso... Curtir? Festa? Só se for no Hospital Geral de lá.