Cedral (Maranhão)

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa

Cedral é uma cidadezinha-fantasma, localizada lá no sertão do Maranhão. Atualmente, possui uma população de dois habitantes vivos. Todos os outros corajosos que se atreveram a morar em Cedral acabaram morrendo de sede e de fome.

História[editar]

O centro de Cedral, em dia movimentado.

Na antiguidade, Cedral era apenas um grande banheiro público, que os moradores de Guimarães usavam para fazer as suas necessidades.

Com o passar do tempo, alguns atoas querendo a reforma agrária acabaram desmembrando Guimarães, e, por consequência, emancipando Cedral. Normalmente, isso seria bom, porém, para Cedral essa emancipação foi terrível, pois eles não podiam mais ficar nas costas da prefeitura de Guimarães.

Após a emancipação, Cedral se tornou uma verdadeira terra-de-ninguém, pois estava mais abandonada do que a saúde pública no Brasil (tá, talvez nem tanto, mas ficou bastante abandonada).

Coisa rara: Um habitante de Cedral encontrado.

Apesar de ser completamente infértil, alguns anos mais tarde, Cedral foi ocupada por alguns maridos cagões que estavam fugindo de suas esposas. Como estavam querendo ficar nesse fim do mundo inacessível por muuuuuuuuuuuito tempo, eles começaram a levantar alguns barracos, pois assim eles também poderiam atrair alguns colegas para lhes fazer companhia. Infelizmente, o objetivo não foi alcançado, e esses maridos acabaram morrendo de sede em Cedral.

Atualmente, a única coisa que existe em Cedral são alguns cadáveres no meio da rua, que já estão praticamente completamente secos, devido ao calor do cão característico da região.

Educação[editar]

Inexistente. Mas assim como a saúde, educação não é necessária em Cedral, pois os únicos dois habitantes de lá apenas se preocupam em trabalhar na roça o dia todo, e não estão nem aí para os estudos.

Saúde[editar]

Inexistente. Mas nem é necessária, pois Cedral não possui habitantes mesmo...

Transportes[editar]

Talvez seja a área mais desenvolvida de Cedral. Antes de morrer de sede, o prefeito de lá mandou construir um ônibus usando materiais recicláveis que exportou de São Paulo.