Chapada dos Guimarães

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Foto aérea da Chapada dos Guimarães.

Cquote1.png Chapada é Chapa Quente!! Cquote2.png
Braddock sobre Chapada dos Guimarães
Cquote1.png É assim que eu fico depois de tomar um copo de Pinho Sol. Cquote2.png
Guria Retardada sobre chapada
Cquote1.png Você pra mim foi o sooooooool! Cquote2.png
Tetê Espíndola em um dos seus horripilantes sons agudos sobre Chapada dos Guimarães
Cquote1.png Só...pode crê, pode crê.. Cquote2.png
Bando de hippies, habitantes de Chapada dos Guimarães, interpretando a letra de Tetê Espíndola
Cquote1.png De uma noite sem fiiiiimmmmmm! Cquote2.png
Tetê Espíndola em um dos seus horripilantes sons agudos sobre Chapada dos Guimarães
Cquote1.png Só...pode crê, pode crê.. Cquote2.png
Bando de hippies, habitantes de Chapada dos Guimarães, interpretando a letra de Tetê Espíndola
Cquote1.png Meu amooooooor, nosso amoooor estava escrito nas estrelaaaaAAAAAAaaaAAAAAs! Cquote2.png
Tetê Espíndola em um dos seus horripilantes sons agudos sobre sobre Chapada dos Guimarães
Cquote1.png Só...pode crê... Cquote2.png
Bando de hippies, habitantes de Chapada dos Guimarães, interpretando a letra de Tetê Espíndola
Cquote1.png Chuá, chuá na queda d'áááááááÁÁÁÁÁááááAÁÁÁÁaááááÁÁÁÁGUAAAAA!!!!! Cquote2.png
Tetê Espíndola em um dos seus horripilantes sons agudos sobre sobre Chapada dos Guimarães
Cquote1.png PUTA QUE O PARIU! PAREM COM ESSA PORRA! Cquote2.png
Bando de hippies, habitantes de Chapada dos Guimarães, interpretando a letra de Tetê Espíndola
Cquote1.png VIVA, VIVA, VIVA A SOCIEDADE ALTERNATIVA! VIVA VIVA! Cquote2.png
Bando de hippies, habitantes de Chapada dos Guimarães, depois de terem atirado Tetê Espíndola num dos abismos do Parque Nacional da Chapada dos Guimarães

Chapada dos Guimarães é um teoricamente um município, não passando na realidade de lugarejo rodeado por montanhas, chapadões, cachoeiras, belas paisagens, águas limpas, muito tédio, drogas e clima ameno, situado a apenas 60 quilômetros de um buraco chamado Cuiabá.

História[editar]

No século XVIII os bandeirantes luso-paulistanos quando chegaram em Mato Grosso se depararam com um paraíso com montanhas, chapadões, cachoeiras, belas paisagens, águas limpas e clima ameno. Diante de todo esse esplendor, o líder destes bandeirantes, senhor Pascoal Moreira Cabral chegou a seguinte conclusão: "Tudo isso é coisa de fresco viado. Estamos aqui atrás de ouro. Desmatem tudo!"

A partir desse momento os bravos bandeirantes começaram a cavar um gigantesco buraco em busca do ouro. Após 60 quilômetros de escavações, os bandeirantes encontraram uma depressão, uma baixada, enfim um buraco quente como o bafo do capeta. Então, na mais completa prova da suprema inteligência dos bandeirantes paulistas descendentes de portugueses, o buraco quente dos infernos foi o escolhido para ser a capital de Mato Grosso, de nome Cuiabá. O belo lugar atualmente conhecido como Chapada dos Guimarães, 60 quilômetros acima do Inferno que é Cuiabá, ficou abandonado por quase dois séculos.

Tetê Espíndola, fundadora de Chapada dos Guimarães.

A partir dos anos 70 do século XX, liderados por Tetê Espíndola, uma cantora porra louca nascida em Mato Grosso do Sul, um grupo de hippies resolve colonizar os antigos escombros da Chapada dos Guimarães. Rodeados da mais pura natureza, diante da mais pura liberdade para dentro da cabeça, de paz, amor, sacanagem e maconha, os hippies fundaram o primeiro governo anarco-maconhista, fundando a província auto-independente da Chapada dos Guimarães, caracterizada pela cultura de todos plantarem o que comem e o que fumam.

E foi desta forma, longe do clima de repressão e caretice que rondava o Brasil e o mundo durante os anos de tentativas de implementação dos bons costumes e do politicamente correto na sociedade mundial, é que Chapada dos Guimarães passa a ser governada pela ideologia hippie maconheira dos anos 70, ou seja, que lutava pela formação de uma sociedade em que todos eram livre pra curtir, sacou?

Os habitantes de Chapada dos Guimarães passaram, portanto, a viver numa boa, relax, curtindo a vida e a natureza, sem preconceito com aqueles adeptos das orgias bissexuais, com o maior respeito, praticando o sexo livre, sem distinção de raça, credo, cor, tamanho, sexo, idade, estado civil, grau de parentesco, ou a qual espécie animal ou vegetal o indivíduo possa pertencer. Tudo na boa, puxando um "brown" ou tomando um ácido bem sossegado, convivendo harmoniosamente com todos, inclusive com os duendes e extraterrestres que estranhamente, provavelmente por uma questão de timidez, claro, só aparecem por lá quando os chapadenses estão chapados.

Tudo ia bem na comunidade hippie de Chapada dos Guimarães até o dia que a sua líder, Tetê Espíndola resolveu seguir carreira artística. Para homenagear as belezas de Chapada dos Guimarães, como as cachoeiras do Véu das Noivas, Andorinha, Jamacá, Independência, ou os morros como os Morro do Chapéu, a Salgadeira, ou ainda os desfiladeiros com os simpáticos nomes de Garganta do Diabo e Portão do Inferno, Tetê compôs uma série de músicas, sendo a mais famosa "Escrito nas Estrelas", em que a cantora se esbaldava com seus sons extremamente agudos, imitando barulhos de pássaros, cachoeiras e outras coisas naturebas. Tal sucesso nacional começou a atrair forasteiros para a Chapada dos Guimarães, e o que antes era só uma confraternização de meia-dúzia de hippies acabou se tornando uma cidade com a chegada das pessoas.

No início, Tetê Espíndola fez o maior sucesso nas rodinhas com hippies e duendes sentados ao redor de fogueira. Mas o fato é que os agudos de Tetê, com o tempo enchem o saco. E um dia, cansados daquela barulheira que a cantora fazia, seus amigos hippies se revoltaram e cortaram o barato da artista: quebram seu violão, jogaram sua bituca fora e arremessaram Tetê do alto do famoso desfiladeiro do Portão do Inferno. Quando os hippies atiraram Tetê Espíndola do alto do desfiladeiro do Portão do Inferno, começaram a gritar: "Viva, viva a sociedade alternativa". Neste dia, passava por esse local um músico baiano que tomou nota daquela manifestação político social. Seu nome era Raul Seixas.

Até hoje não se sabe o que aconteceu com Tetê, mas quem vai ao Portão do Inferno e grita qualquer coisa, lá do fundo deste penhasco se ouve uma resposta numa voz fina ecoando, aguda e estridente repetindo o que você disse, ou então cantarolando os refrões "Meu amooooooor, nosso amoooor Estava escrito nas estrelaaaaAAAAAAaaaAAAAAs!" ou " Chuá, chuá na queda d'áááááAÁÁÁÁÁÁÁÁGUAAA".

Bem, depois da queda política de Tetê Espíndola, a sociedade chapadense vive sem um líder, e assim eles pretendem ficar, o que explica a total desordem na região. Somente com os hippies vivendo aquele peculiar e saudável modo de vida sem banho, com pouca roupa, tatuagens, brincos, e maconha.

Geografia[editar]

Desfiladeiro em que Tetê Espíndola desapareceu.

Para ver todas as montanhas, chapadões e cachoeiras é necessário enfrentar o clima, que é quente pra cacete. A menor temperatura já presenciada por Chapada dos Guimarães foi a de 45ºC, registrada na Era do Gelo. Os raios ultravioletas típicos da região tomaram conta para que você tenha uma grande desidratação, insolação e câncer de pele quando resolver parar por 5 minutos fora do carro apreciando uma das milhares de montanhas (ou qualquer outra paisagem) iguais que existem por lá.

Economia[editar]

A balança comercial de Chapada dos Guimarães gira em torno basicamente de dois produtos. Os chapadenses vendem ao mundo aquelas coisinhas que hippies adoram: artesanatos, cocares, tatuagens, brincos, penas, pulseiras, fitinhas e outras porcarias afins, e em contrapartida, compram aquilo que não pode faltar a um hippie: maconha. Todo esse movimentado comércio é realizado na praça central de Chapada dos Guimarães, ou então na Salgadeira.

O turismo também é muito forte em Chapada dos Guimarães. Anualmente a cidade promove um Festival de Inverno em que suas estações de esqui em pleno cerrado do Centro-oeste brasileiro são abertas ao público. Fora do inverno, nos demais finais de semana, terráqueos de todo o mundo e cuiabanos de toda Cuiabá, vão até Chapada dos Guimarães para tomarem banho na cachoeiras, beberem muita cerveja, e fazerem xixi e cocô nos rios da Salgadeira. Depois bebem esse cocô quando voltam a Cuiabá.

Política[editar]

O pequeno vilarejo é governado por um sistema anárquico drogado nudista, o que embora traga um atraso econômico, social e administrativo eterno à cidade, pelo menos deixa todos felizes. Apesar de Chapada dos Guimarães ter muitos rios e cachoeiras, a cidade sofre muito com a falta d'água. Afinal, a cidade é governada por hippies e todo mundo sabe que essa gente só faz merda e não tem capacidade de canalizar a água.

A cidade é também o habitat dos cuiabanos baderneiros e aloprados, sonegadores e chefões do crime organizado (leiam-se: políticos e apadrinhados) que constroem mansões na região.

Turismo[editar]

Sem dúvidas, o único atrativo que existe é o Parque Nacional da Chapada dos Guimarães. Toda sua beleza natural dizem ser digna de ser apreciada, apesar de que na prática é apenas ir para o meio do mato, subir um morro e olhar o horizonte no meio de um calor infernal cujo nenhum protetor solar será capaz de proteger sua pele de contrair câncer após tanta incidência de raios ultravioletas. Mesmo assim, vários turistas visitam o local para se acharem no século XV mais uma vez, dado o atraso da vida bucólica local.