Club Deportivo Guadalajara

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
(Redirecionado de Chivas)
Ir para navegação Ir para pesquisar
Club Deportivo Guadalajara
Escudo Chivas.jpg
Brasão
Hino Música de abertura do Chapolin
Nome Oficial Las Chivas Rayadas del Guadalajara
Origem Bandeira do México México- Guadalajara
Apelidos Cachorras com cornos
Torcedores Cabritos
Torcidas Chivas
Fatos Inúteis
Mascote Pequeno Jumento
Torcedor Ilustre Jacqueline Bracamontes
Estádio Estádio Omnilife
Capacidade 56.000
Sede Guadalajara
Presidente Jorge Vergara, também acionista e conselheiro
Coisas do Time
Treinador Jorge Vergara
Pior Jogador da história Nuvola apps core.png Jorge Vergara não contrata jogador ruim
Melhor Jogador da história Crystal Clear action bookmark.svg.png Jorge Vergara
Patrocinador Jorge Vergara Bimbo Industries
Time
Material Esportivo Jorge Vergara Ltda
Liga Liga de Nacos Futboleros
Divisão 1° Divisão
Títulos Copa Tequila de Futebol 12 vezes; Copa de Concacaf 1 vez.
Ranking Nacional Primeiro na tabela de gols sofridos
Uniformes Paraguai uniforme.gif



Club Deportivo Guadalajara, amplamente mais conhecido pelo nome de "Chivas de Guadalajara", já que "chivas" é o nome de uma espécie de pequeno cabrito selvagem que integra o folclore da cidade de Guadalajara de cuja urina se produz um famoso uísque local o qual os torcedores são muito adeptos de se embebedar para esquecer as decepções causadas pelo clube, é um time de futebol do México que se acha o principal rival do América e vasto colecionador de amargas decepções.

É a única equipe mexicana a jogar apenas e exclusivamente com jogadores mexicanos, isso porque nunca consegue dinheiro o suficiente para contratar estrangeiros.

História[editar]

Fundação[editar]

O Chivas é fundado em 1908 por uns traficantes belgas e franceses que vendiam roupas em uma tenda chamada Textiles Alfonso (melhor conhecida como Telas Poncho ou Tienda del Chavo). A medida que o negócio cresceu, o número de funcionários aumentou e surge a partir do ócio de tanta gente o time amador de futebol que inicialmente tinha o nome de Club Unión.

O amadorismo nunca deixaria aquele clube que se caracterizaria por seu grande patriotismo, por isso os fundadores do clube, belgas e franceses deram as cores azul, branco e vermelho à sua equipe, as mesmas cores da bandeira da França e dariam o nome de uma marca escocesa de uísques ao clube e um uniforme listrado inspirado no Paraguai. Segundo algumas fontes nada confiáveis, o Guadalajara ganhou 13 títulos tabalisquenhos na era amadora, mas segundo outras fontes do próprio time, eles ganharam 20 títulos municipais, 3 títulos semi-mundiais, 4 Olimpíadas na modalidade frescobol, 2 Oscars e 1 Prêmio Nobel.

Na mesma cidade surgiria o seu grande rival local, o Atlas FC, um time tão decadente que o Chivas teve que adotá-lo como rival porque se fosse ter como rival só o América seria sempre freguês. Mas foram os torcedores do Atlas que nessa época antiga zombavam dos jogadores do Chivas com a famosa frase "eles correm como se fossem uns cabritos doidos" (estan corriendo como Chivas Locas), chacota que foi adotada pelo Deportivo Guadalajara que passou a se chamar de Chivas desde então.

Criação do campeonato profissional[editar]

A era profissional começou em 1943 no México e o Chivas foi um dos fundadores do primeiro torneio. Desde sempre foi o time mais falido do certame e por isso nunca teve dinheiro suficiente para contratar jogadores estrangeiros, mas como o Chivas tem pobreza e arrogância em mesma quantidade, eles logo inventaram que estavam sendo apenas "patriotas". A princípio o Chivas era um time bem secundário, mas em 1950, por determinação de Francisco Franco, a Federação Mexicana de Futebol (Femexfut) foi obrigada a desaparecer com os times espanhóis que eram as equipes mais dominantes da época, como Astúrias e Real España, e como consequência disso o Chivas começou com uma sequência de 8 títulos por falta de adversários que sabiam jogar futebol.

Mas então surge o América de Tangamandápio que começa a ganhar mais que o Chivas, criando assim a nova rivalidade no México. Todo jogo entre AMérica e Chivas há esgotamento de ingressos de um público sedento em assistir uma batalha campal de guerra de nachos, episódio que viria a se repetir muitas vezes. O Guadalajara prepara-se para os jogos contra o América treinando boxe e luta livre.

El Campeonísimo[editar]

Jogadores do Chivas felizes em rever seus amigos do América.

A época de ouro do Chivas em que ficou conhecido como "El Campeonísimo" foram os anos em que o clube venceu de tudo nas décadas de 1950 e 1960. A glória foi tanta que esses títulos são lembrados por todos os torcedores de chivas, especialmente aqueles que nasceram 20 anos após o último título desse grande time do passado.

Mas até mesmo nessa época perder para o América (na luta livre) era normal, especialmente quando o goleiro do América queria mostrar a um atacante do Chivas as chuteiras novos que sua mãe lhe dera, e como os atacantes do Chivas são geralmente míopes, ele teve que mostrar as chuteiras bem perto do seu rosto. O resto dos jogadores do (a) Chivas achou que era um ataque.

La Promotora Deportiva[editar]

Mas não importa o que o Chivas faça, não importa quantos campeonatos mexicanos vença, ele sempre está falido e endividado. Por isso em 1992 um grupo de empreendedores decidiu comprar da Chivas, grupo este chamado de "La Promotora Deportiva". Esses audaciosos empresários investiram uma grande quantia de dinheiro na equipe e montaram um time incrível que ficou conhecido como "Super Chivas". Foi tanto dinheiro gasto que os títulos chegaram. O time foi banhado com títulos de propriedade, títulos de bacharel e títulos de dívida.

E tudo isso para ganhar um mísero turno de campeonato mexicano, o verão de 97, um campeonato lembrado pela maneira duvidosa de vencer o Toros Neza, o melhor time do torneio na época. Diz-se que o Chivas foi patrocinado pelo PRI (partido político dono do México), já que era um período de eleições e eles precisavam manter as pessoas felizes. Na final, mesmo tendo um time muito inferior, o Chivas estranhamente venceu o Toros Neza por 6x1 onde 5 gols foram misteriosamente marcados apenas no final do segundo tempo, sem contar que o pior jogador do Chivas, um tal de Gusatavo Nápoles, marcou 4 gols, quando em todos seus 10 anos de carreira havia marcado apenas 3 gols. A lógica dessa armação é bem simples, o Toros Neza era um time pequeno e sem torcida, e para deixar o povo feliz era necessário que o Chivas fosse campeão.

Nessa época o Chivas conseguiu estabelecer um recorde mundial como a equipe com mais dinheiro investido e menos campeonatos conquistados: Apenas 1.

Era Vergara[editar]

Jorge Vergara revoluciona os paradigmas do Chivas ao esquecer de focar em futebol e investir em outros setores, como o comércio de vestidos de noiva.

Um empresário mexicano chamado Jorge Vergara, vendo toda aquela vergonha que seu time de coração passava, entrou em cena. Vergara comprou a equipe prometendo que o Chivas seria campeão da Liga, da Copa, da Libertadores, da Liga dos Campeões, do Super Bowl e do Mundial. Ele também prometeu construir para a equipe um estádio como o de Wembley, abrir filiais da Chivas em todo o mundo e limpar o uniforme de patrocinadores e que o dinheiro do clube viria somente da torcida e do tráfico de agave.

E tudo o que Verara trouxe foi um título Apertura de 2006 e ter aberto filiais na Costa Rica, Estados Unidos e China (e todas já faliram). E o uniforme agora passou a se parecer um uniforme de Fórmula 1 com tnata propaganda que passou a possuir. Vergara até queria trazer os melhores jogadores do México para o Chivas, mas infelizmente Joan Laporta e o FC Barcelona não quiseram contribuir, por isso o Chivas na verdade sempre teve é que se contentar com as sobras das outras equipes no México.

Mas sim, houveram as vantagens, o Chivas conseguiu estabelecer uma linha de produtos, vendendo Chivas-Cola, Chivas-Churros, Chiva-Ataúdes, Chiva-Festas, Chivas-Casas, Chivas-vestidos-de-noiva, Chivas-charutos entre dezenas de outras marcas de produtos o que possibilitou o torcedor do Chivas ter de basicamente todo item possível pintado de azul, vermelho e branco.

Era Cruyff[editar]

Apesar do sucesso econômico o Guadalajara não vencia, então Vergara chamou o famoso holandês Cruyff para ser o técnico da equipe. O problema é que Cruyff e Vergara não concordavam com os conceitos de futebol total. Cruyff argumentava que o seu futebol total dizia que todos os jogadores deveriam atacar e defender, enquanto Vergara argumenta que o futebol total deveria incluir que todos os jogadores atacassem, defendessem e se oferecessem como entretenimento em festas de aniversário, casamentos, festas quinze anos e eventos da Omnilife. Mas a gota d'água para o desentendimento com Cruyff foi quando a esposa de Vergara exigiu que os jogadores do Chivas fossem servir de modelos para uma linha de produtos de beleza para mulheres. Cruyff negou a reivindicação da mulher e ela ordenou sua demissão. Logo depois Vergara anunciou que a contratação de Cruyff havia sido um erro, já que a culpa era dele que sua esposa o mandou dormir na sala de estar.

O que se seguiu foi um circo. Os gerentes e treinadores de Guadalajara começaram a se comportar como cabras (chivas) loucas e começaram a competir entre si para ver quem agia pior do que seu antecessor. José Luis del Real voltou à direção técnica, mas foi demitido depois de perder por 4x0 contra o América. Ele foi substituído pelo técnico argentino Ricardo La Volpe, mas foi demitido porque queria explicar ao podólogo da equipe, de certa forma, como um atacante central penetra na pequena área para inserir a bola no gol rival. O argentino Carlos Bustos acabou sendo o treinador da equipe só para ver o time sendo eliminado para os times mais desconhecidos do México.

O quase-rebaixamento[editar]

O Apertura 2014 se desenrolou inteiro com o Chivas em posições de rebaixamento. O Chivas só dava desgosto e seu estádio gigantesco estava sempre vazio e dando ainda mais prejuízo. O único jogo em que seu estádio foi mais ou menos enchido foi no jogo contra o Querétaro FC e só porque eles confirmaram o Ronaldinho Gaúcho como titular. Jorge Vergara queria demitir o culpado por tamanho desastre, mas ele não podia demitir a si próprio, então o time agonizava naquela edição.

Ainda na zona de rebaixamento, no Clausura de 2015 começou já perdendo para um tal de Jaguares de Chiapas (tipo o Cruzeiro perdendo pro CSA e rebaixando) e o time virava chacota nacional. Foi então que Jorge Vergara tomou uma atitude drástica para salvar o time e divulgou uma notícia que abalou a comunidade do futebol mexicano. O dono do Chivas anunciou que estava demitindo sua esposa Angélica Fuentes e ela serviu de bode expiatório para todos os males da gestão de Vergara, isso deu a motivação aos jogadores para conquistarem suados pontinhos nas últimas rodadas, e graças à ajuda do rival Atlas, o Chivas escapava do rebaixamento.

Decadência após falecimento de Vergara[editar]

Após o misterioso falecimento de Jorge Vergara, a sua ex-esposa Angélica Fuentes assumiu o controle do Chivas, transformando o time numa mera filial do Grupo Omnilife onde o futebol é apenas o quarto negócio prioritário, o que explica como um time que não ganha mais nada tem até vestido de casamento com a temática do Chivas.

A nova dona do clube, por nem se importar com futebol, deixa os técnicos fazerem o que quiser, e isso garantiu a conquista da Liga dos Campeões da CONCACAF de 2018 e o direito de ir passar vergonha no Mundial de Clubes daquele ano. O Chivas não venceria nem os times café-com-leite. Derrota para o Kashima Antlers e depois para o Espérance de Tunis.

Estádio[editar]

Em 2010, o Chivas deixou as instalações do antigo Estadio Jalisco onde sempre jogou para inaugurar o Estádio Omnilife, o estádio mais moderno e nada funcional do México, de acordo com o que dizem os funcionários de Jorge Vergara. O Estádio Jalisco já era enorme, mas quiseram construir esse segundo estádio. A construção do Omnilife foi semelhante ao processo de gestação de um elefante, um processo longo e muito doloroso para Vergara e, no final, ele deu à luz a um elefante branco gigantesco, fedido e feio que só dá prejuízo. Se um dia falarem que o Omnilife está cheio é porque todos os torcedores se vestiram de assentos, porque o mau futebol do Chivas junto com a péssima localização desse estádio e os preços abusivos do ingresso fizeram com que esse estádio jamais fosse lotado até hoje.

Títulos[editar]