Claudette (Sexta-Feira 13)

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Deppmorte.gif
Claudette (Sexta-Feira 13)
é uma vítima infeliz e sem sorte!

Tava passando as férias numa casa no meio do nada

250px-Wario WWare.gif Este artigo é sobre um personagem secundário!

Quase ninguém sabe da existência deste zé ruela que só serve pra encher linguiça na trama e provavelmente está morto. Se bobear, nem no Google tá!

Clique aqui para ver gente que só fãs alienados conhecem.


Cquote1.png Ninguém faz sexo aqui nessa porra de acampamento! Não no meu turno! Cquote2.png
Pamela Sue Voorhees sobre Claudette

Claudette é aquela guria retardada que aparece no filme Sexta-Feira 13 e que cerca de 110% da população mundial desconhece completamente a existência. Você, caro leitor, provavelmente deve estar se perguntando de onde vem essa pobre coitada. A verdade é que a dita cuja em questão trata-se na verdade daquela garota hippie que aparece logo no início do primeiro filme da série tentando se engraçar com seu namorado Barry no celeiro, mas que é bruscamente interrompida antes de concretizar o ato, uma vez que teria violado a regra mais importante dos filmes de horror: jamais, sob hipótese alguma, sequer pense em realizar atos sexuais.

História[editar]

Claudette nasceu em uma cidadezinha minúscula encravada em algum fim de mundo localizado no interior dos Estados Unidos. Seu nascimento teria sido fruto da união entre Mariska e Bob Marley. Quando nasceu, pelo fato de não ser de origem afrodescendente, seu pai, que já vivia a maior parte do tempo batizado com a erva, ao lançar seu primeiro olhar sobre a filha, logo de cara e em meio a um surto psicótico já iniciou um escândalo em pleno hospital, acusando sua mãe de trai-lo com o Seu Joaquim da venda da esquina e fazer pouco caso de seu relacionamento. Após retirar sua aliança de casamento e engolir, Bob teria abandonado sua esposa e sua filha no próprio estabelecimento.

Claudette, cantando uma música brega de paz e amor para a garotada.

Desolada e num hospital sujo, cercada por gente doente e desagradável, Mariska chegou a conclusão de que sua existência não valia mais à pena. Dessa maneira, decidiu pegar o fusca que seu pai guardava na garagem e se dirigir até um precipício, de onde se jogaria com o automóvel numa manobra de suicídio. Porém, aquilo se tratava de um transtorno psicológico pessoal dela, e sua filha não merecia morrer junto com ela. A fim de poupar a criança, Mariska para no meio do caminho e abandona sua filha numa plantação de maconha próxima a estrada, e logo em seguida, parte rumo ao seu destino.

Após chorar e espernear muito, a criança acaba chamando atenção de um grupo de hippies que estavam dando um tapa na pantera pela região. Percebendo que a criança tinha sido descartada feito lixo de restaurante, os hippies decidem adotar a pequena criança, e acabam por dar-lhe o nome de Claudette, em homenagem a uma marca de LSD que os mesmos costumavam consumir regularmente nas horas vagas. Desse dia em diante, Claudette passa a ser ingressadas nos mais diversos costumes de sua nova família: ficar mais de uma semana sem tomar banho, usar roupa floral, adotar algum apelido zen relacionado a natureza, ouvir música psicodélica e a ficar chapadona nas horas vagas.

Claudette cresceu em uma comunidade próxima da plantação onde foi encontrada, e ajudava sua família a catar as ervas da plantação e vender para a grande quantidade de motoqueiros que passava constantemente pela região. Todo o lucro obtido com a venda ilegal de maconha era suficiente para financiar os estudos de Claudette e das demais crianças da comunidade, que frequentavam uma pequena escolinha no meio do mato morro acima. Certo dia nessa mesma escola, durante uma aula de Educação Física, Claudette aproveitou que sua professora ficava mais tempo fofocando na sala dos professores do que cuidando das possíveis arruaças de seus alunos durante a aula (como todo professor de Educação Física, aliás), para ir dar uma cheirada básica na erva atrás da escola. Lá Claudette acaba por conhecer Barry, um hippie de outra comunidade, que por coincidência, estava lá pelo mesmo motivo que ela. Foi amor a primeira a vista, e após horas à fio ficando chapados e inalando todo tipo de substância tóxica, Barry e Claudette acabam se tornando namorados.

Anos mais tarde, Claudette finalmente conclui o Ensino Médio, e estava pronta para entrar para a faculdade, sendo seu sonho cursar Química, para aprender a produzir suas próprias drogas alucinógenas. Porém, só o dinheiro da venda de maconha não seria suficiente, então, ela se vê obrigada a arranjar um outro emprego. Dessa maneira, ela e seu namorado saem em busca de trabalho, e finalmente acham uma boa oferta de serviço em um acampamento próximo, que tinha aberto as portas recentemente após um longo tempo fechado por conta do assassinato de uma criança leprosa anos atrás. O acampamento precisava de alguns monitores, para vigiar o local e pôr um bando de pivetes chatos que viriam passar as férias lá na linha, e os dois decidem aceitar, já que a situação estava preta e qualquer grana extra seria bem-vinda.

Aparição no filme[editar]

Caso você já tenha assistido esse filme e ainda não se lembre de quem é essa garota (o que não seria de surpreender, tendo em vista que os adolescentes que aparecem nessa série estão sempre fazendo ou pensando em fazer sexo), a única maneira de você conseguir identificá-la é procurando pelo filme no Youtube e assistir os 5 primeiros minutos de filme. Será fácil reconhecê-la: nesse meio tempo morrem apenas duas pessoas, o primeiro é o namorado sem-graça dela, e a segunda é ela. Caso ainda não tenha conseguido avistá-la, não entre em pânico, esse é daquele tipo de personagem que por mais que você veja a cara, irá se esquecer logo em seguida, dada a inutilidade do mesmo para a trama.

Imagem rara retratando o suposto momento em que Claudette teria ido para a vala.

Mesmo sem importância alguma, Claudette consegue aparecer um pouco mais que seu namorado, Barry, o que torna o mesmo, o personagem mais inútil do filme, escalando-a para segunda posição nesse aspecto. No início do filme, Claudette aparece cantando uma música terrível. O fato é que, como parte do programa de monitoria de Crystal Lake, uma das funções dos monitores era a de entreter os pirralhos chatos, visitantes indesejados e adolescentes burros para que os mesmos não ficassem vagando pelo lugar, destruindo patrimônio do acampamento e fazendo qualquer merda no geral, do contrário, acabaria sobrando para ela e seu namorado e provavelmente seria descontado do seu salário no final do mês. Vale ressaltar que dos 5 minutos que foram destinados para que Claudette fizesse sua aparição e tivesse seu breve momento de fama, dois minutos foram usados para mostrar o restante do acampamento do ponto de vista de Pamela Sue Voorhhees, o que reduz ainda mais a já minúscula participação de Claudette no filme.

Como precisava manter os jovens desmiolados longe de problemas para que não sobrasse pra ela, Claudette entra em desespero, pois nunca teve antes de lidar com uma responsabilidade tão grande, já que foi criada numa comunidade de preguiçosos que não queriam nada com a vida. Para acalmar os nervos, Barry divide uma verdinha das boas com ela, que acaba relaxando mais. Agora, já em um momento mais ameno, Claudette decide pegar um violão velho que achou em um lixão no caminho para o acampamento e cantarolar músicas sobre os malefícios da guerra para o restante das pessoas do acampamento, que aprendeu ainda na infância durante as raves hippies de sua comunidade. Por incrível que pareça, os jovens adoraram, e enquanto ouviam Claudette cantar, mesmo essa não tendo o menor talento para a música, ficavam fora de problemas.

Após concluído com êxito o trabalho, Claudette e Barry decidem que mereciam um prêmio, e acabam saindo da vista das pessoas para ficar em um lugar mais calmo e a sós, objetivando uma pequena festinha particular. No melhor estilo caipira pobretão, eles acabam indo para um galpão velho, e em meio a toda a palha e estrume de cavalo, esticam um tapete velho e imundo, criando o cenário perfeito para deitar e rolar feito duas serpentes na época do acasalamento. Entretanto, antes mesmo dos pombinhos tirarem as roupas, eis que surge uma figura sinistra (provavelmente a mãe de Jason), que estava só esperando o momento certo para entrar em ação e punir os dois depravados por estarem pensando em fazer sexo logo de cara, ainda em pleno início de filme de terror. Após meter uma peixeira na barriga de Barry, mostrando que não estava nada feliz com o que os dois indecentes estavam preste a fazer, a figura misteriosa finalmente mata Claudette, possivelmente da mesma maneira que matou Barry. Como todo figurante de início de filme de Terror, Claudette teve uma morte off-screen. Também deve ter tido uma morte bem sem-graça, tendo em vista que sequer foi mostrada em cena.


v d e h
Ti ti ti... Ah ah ah...
Fridaythe12th.gif