Clay Regazzoni

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Nigel Mansell, é você??

Clay Regazzoni (5 de Setembro de 1939) foi um piloto suíço de Fórmula 1 que apenas ficou registrado nos anais porque possui um nome difícil pra caralho. Fora isso, ele era apenas um piloto comum, que, apesar de ter corrido com os melhores carros da categoria, conseguiu conquistar apenas míseras cinco vitórias na carreira - Ou seja, ele possui menos vitórias até mesmo que o Rubinho. Que vergonha, hein, Clay Regazzoni?

História[editar]

Clay Regazzoni, em seus tempos de escola.

Clay Regazzoni foi parido em algum hospital público da Suíça, no ano de 1939. Logo após o seu nascimento, Regazzoni já demonstrou possuir talento para as corridas, pois, usando apenas o seu carrinho-de-bebê, conseguiu atravessar o hospital rapidamente, deixando todas as enfermeiras que o estavam perseguindo para trás.

Durante a infância, Clay Regazzoni teve o primeiro contato com o automobilismo profissional, quando o seu pai o levou para assistir uma corrida de Fórmula 1. Após ter visto de perto todos aqueles pilotos suicidas, que corriam pra caralho mesmo não tendo sequer um capacete para os proteger de eventuais batidas, Clay Regazzoni simplesmente se apaixonou pelas corridas, talvez porque tinha um pouco de sangue de kamikaze correndo em suas veias.

Clay Regazzoni gostou tanto do automobilismo que pediu para o seu pai lhe comprar um pequeno kart, para começar a treinar as habilidades na pilotagem. Como o pai de Regazzoni limpava a bunda com dinheiro, ele não discutiu muito, e comprou um kart para seu filhinho pentelho. Quando recebeu o kart, Regazzoni tinha a certeza que esse era o primeiro passo para a sua entrada nas corridas profissionais. Porém, após ter testado o seu kart em algumas ruas suíças, a única entrada que ele conseguiu foi na delegacia, após ter atropelado algumas velhinhas gagás e ter destruído um poste, após uma batida em altíssima velocidade.

Como seu filho dirigia mal pra porra, o pai de Regazzoni decidiu colocar o seu filho para competir em algumas corridas amadoras de kart. Dessa forma, ele não atropelaria ninguém. Ele estava errado. Regazzoni dirigia tão mal que conseguia atropelar os seus próprios mecânicos, quando ia para as paradas. Mesmo assim, por conta da alta velocidade apresentada, Clay Regazzoni conseguiu um convite para correr na... Fórmula 1??? (isso mostra o quanto a Fórmula 1 estava precisando de pilotos naquela época). Como não tinha nada a perder (a não ser a honra, após virar motivo de piada no mundo inteiro por causa das péssimas pilotagens), Clay Regazzoni aceitou, e estava pronto para correr pela Ferrari (que naquela época era apenas uma produtora de ferro-velho).

Carreira na Fórmula 1[editar]

Foto tirada por um satélite, do momento exato do acidente de Clay Regazzoni.

No princípio de sua carreira na Fórmula 1, Clay Regazzoni achava que conseguiria conquistar um título mundial facilmente, pois achava que era só acelerar e pronto. Obviamente, por conta desse pensamento, Regazzoni se fudeu, pois bateu seu carro em praticamente todas as corridas, e mal conseguiu marcar um pontinho. Mesmo assim, como ele sabia falar italiano fluentemente, o que era fundamental para qualquer piloto da Ferrari naquela época, Clay Regazzoni permaneceu na equipe.

Na temporada que se seguiu, Clay Regazzoni conseguiu segurar os seus instintos de kamikaze, e completou a maior parte das provas. Regazzoni foi tão bem que até conseguiu a sua vitória, após metade de seus adversários terem quebrado. Essa vitória foi o suficiente para Regazzoni manter o seu espaço na Ferrari por mais algumas temporadas (para você ver como o nível estava baixo).

Apesar de ter espaço garantido na Ferrari, Regazzoni, mostrando que é mais idiota do que aparenta, trocou a equipe italiana e todos os seus fãs por uma equipe completamente secundária, denominada BRM. Correndo com um carro que ninguém sabia como andava, já que estava mais para ferro-velho do que para carro propriamente dito, Clay Regazzoni fez uma temporada horrível, conseguindo marcar apenas alguns míseros pontinhos na temporada, e isso porquê ele subornou todos os seus adversários.

Na temporada seguinte, a Ferrari mostrou que não tinha raiva de Clay Regazzoni por este a ter abandonado, e o chefe da equipe o chamou de volta. Como estava cansado de ficar lá na zona intermediária, Clay Regazzoni aceitou a proposta da Ferrari sem pensar duas vezes, e estava pronto para voltar a ter o seu velho carro de volta. Porém, as coisas não foram mais como antes. Em sua volta, Clay Regazzoni ficou sendo apenas um piloto secundário da equipe, recebendo um carro bem inferior do que o seu antigo. Pois é, apesar de todo mundo pensar o contrário (até eu), a Ferrari tinha raiva sim...

Bem, mesmo correndo com um carro inferior ao seu antigo, Clay Regazzoni já tinha amadurecido bastante, e conseguiu excelentes resultados, dignos de serem registrados nos anais da Fórmula 1. Combinando isso com a habilidade de seu companheiro de equipe, Clay Regazzoni conseguiu dar o título de construtores para a Ferrari naquela temporada (se bem que isso não significa muita coisa, pois naquela época as únicas equipes que prestavam eram a Ferrari e a McLaren).

Alguns anos mais tarde, após ter feito algumas boas temporadas, Clay Regazzoni era um dos mais badalados pilotos da Fórmula 1, e queria provar para todos que era realmente foda na corrida Long Beach. Para isso, ele acelerou o seu carro ao máximo, conseguindo praticamente o dobro da velocidade "normal" da pista. Porém, quando chegou na curva, quando ele ia brekar, os seus freios, que eram feitos de garrafas pet acabaram falhando, e ele bateu com tudo em um outro carro secundário que estava parado lá no canto.

Com essa batida, os dois carros proporcionaram um belo espetáculo pirotécnico, com direito até mesmo a uma espetacular explosão no fim. Por conta desse espetáculo, Clay Regazzoni acabou ficando paralisado da cintura pra baixo (não me pergunte se "aquilo" ainda funciona, pois não faço ideia). Obviamente, ele não pôde mais competir profissionalmente na Fórmula 1, porém, ele começou a competir em competições paraolímpicas, além de dar uma de super-heroi, ajudando os deficientes necessitados que tinham como grande sonho competir em corridas.

Alguns anos mais tarde, enquanto pilotava o seu carro de passeio em algumas daquelas estradas de velocidade insana da Itália, ele bateu contra um caminhão. Dessa vez ele não perdeu apenas os movimentos das pernas...

v d e h
Pilotos da Fórmula 1