Clube Esportivo Operário Várzea-grandense

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Clube Esportivo Operário Várzea-grandense
Escudo do Operário de Várzea Grande.png
Brasão
Hino AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA
Nome Oficial Operários de Várzea Grande que Jogam Futebol nos Fins-de-semana
Origem link={{{3}}} Mato Grosso Varzea Grande
Apelidos Chicote (ui) da fronteira
Torcedores peladeiro
Torcidas (inexistente)
Fatos Inúteis
Mascote chicote
Torcedor Ilustre feno
Estádio Chiqueirão
Capacidade 45.000
Sede Campinhos de varzea
Presidente Rubens dos Santos
Coisas do Time
Treinador um idiota qualquer
Pior Jogador da história Nuvola apps core.png Kiko
Melhor Jogador da história Crystal Clear action bookmark.svg.png Chaves
Patrocinador MWAHAHAHAHAHA!
Time
Material Esportivo vovozinhas de Varzea Grande
Liga Campeonato Panataneiro
Divisão 1° Divisão
Títulos (rejeitado no cartório)
Ranking Nacional ...°
Uniformes Operario uniforme.jpg



Cquote1.png Kiko! Vamos jogar no terreno baldio da outra rua? Cquote2.png
Chaves sobre reunião do time do Operário para disputar os campeonatos

Operário Futebol Clube é o tradicional time amador dos campos de várzea do Mato Grosso, formado 100% por peladeiros, ainda assim consegue ganhar uma coisa ou outra, provando a iminente falta de dificuldade do Campeonato Matogrossense.

História[editar]

Fundação[editar]

Fundado em 1949 por um padre missionário jesuíta que desenvolveu um novo método de catequização dos índios. Esse padre levou uniformes do Fluminense para um grande campo de várzea e fez aqueles inúteis jogarem futebol, assim surgiu o time, e ao redor daquela várzea, crescia a cidade de Várzea Grande. Nesses tempos de ouro, o craque e imortalizado Benedito "Sapateiro" Chulapa comandava o time nos inéditos títulos do Campeonato Pantaneiro com vitórias massacrantes por W.O.. O nome adotado ao time foi "Operário" para simbolizar o trabalho escravo com que os jogadores do time tradicionalmente são submetidos.

O presidente Rubens dos Santos, é o primeiro e único, atualmente o seu fantasma preside o clube.

Em 1955 o Operário como zebra ganha do tradicional Industrial Esporte Clube e do Club Bolívar no "Desafio Internacional Marechal Rondon", ainda na época que a Bolívia fazia parte do estado do Mato Grosso, sagrando-se grande campeão da Liga Pantanal-Bolívia Masters.

Torna-se rival Operário (MS) quando este entra na justiça por causa do plágio, mas como para o restante do Brasil esses Operários não passam do mesmo time, e Mato Grosso do Norte, Mato Grosso do Sul é a mesma coisa, nada mudou... Atualmente o Mixto é uma evolução natural do Operário.

Títulos estaduais antes da divisão do estado[editar]

O Operário de Várzea Grande tem quatro títulos estaduais da época que o Mato Grosso ainda tinha os territórios da Bolívia e do Mato Grosso do Sul (1964, 1967, 1968, 1972). Como nesse ano este território não fazia parte do Brasil, nada se sabe sobre essa época obscura do futebol mato-grossense, apenas que deveria ser uma grande várzea, como é até hoje, e que inclusive batiza o nome da cidade da equipe.

Declínio na década de 80[editar]

A partir dos anos 80 o Operário Varzea-grandense entrava em franco declínio. Ganhava um ou outro título estadual, mas isso qualquer porcaria poderia conseguir. Mas quando jogava uma série B, só servia de saco de pancadas.

Tentativas na Copa do Brasil[editar]

O Operário possui a incrível tradição de ser sempre eliminado no primeiro jogo da primeira fase da Copa do Brasil, quando por algum milagre consegue participar da competição. Podemos usar como exemplo a eliminação perante o Vitória em 1998, ou a goleada de 5x0 sofrida perante o Palmeiras em 2003, e para manter a rotina outro 5x0 sofrido pelo mesmo Palmeiras em 2007.

Série D de 2006[editar]

Possui em seu currículo participações irrisórias na série C, sempre sendo eliminado pelos caipiras times de Goiás infinitamente mais preparados, e com a criação da série D, o Operário descobre que o buraco é mais embaixo. Pela Série D de 2006 após eliminar um time amador de índios de Rondônia chamado Ulbra, foi totalmente humilhado pelo Ananindeua e Tuna Luso.

Falência, surgimento do outro Operário e retorno[editar]

Em 2009 o Operário finalmente faliu, mas infelizmente retornando às atividades em 2013, só que nesse breve período de inatividade um cara criou outro Operário chamado Operário Futebol Clube Ltda., afinal de contas o nome da região é Várzea Grande, então a única coisa que se pode esperar é essa desorganizada de várzea. Se em 2009 parecia que o Mato Grosso finalmente se livraria dessa porcaria, em 2013 via então a existência de dois Operários exatamente iguais, e um dizendo ser cópia um do outro.

Temporadas de 2014 e 2015[editar]

Nos anos de 2014 e 2015 a função do Operário foi ser a sombra dos bem sucedidos Luverdense e Cuiabá EC, por duas vezes ficando longe do título, mas se classificando para a Série D porque os dois principais times do estado já estavam em divisões superiores. Plea Série D de 2014 só serviu para tomar uma goleada para o Brasil de Pelotas e ajudar os gaúchos subirem de divisão, enquanto em 2015 foi o miserável lanterna d eum grupo foleiro de série D.

Temporada de 2016[editar]

Pela primeira vez encararia o seu irmão Operário Falsificado na primeira divisão do estadual. A Federação Mato-grossense de Futebol, todavia, tratou logo de colocar cada um Operário em uma chave para evitar confusões. Mas o time é tão ruim e imprestável que nem jogando duas vezes consegue o título estadual.

Estádio[editar]

Conhecido popularmente como Chiqueirão, o estádio do Operário é o maior campo de várzea do Brasil podendo abrigar até 11 peladeiros perna-de-pau dentro de campo!

Títulos[editar]

  • Campeonato Matogrossense: 14 vezes (1964, 1967, 1968, 1972, 1973, 1983, 1985, 1986, 1987, 1994, 1995, 1997, 2002 e 2006).
  • Copa Governador do Mato Grosso: 2005.
  • Liga Pantanal-Bolívia Masters 2006.
  • Só isso, mais nada...