Cotriguaçu

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Mico azul.JPG



O Mico Azul passou por aqui em 1991!!!



Cquote1.png Você quis dizer: Coceira no Cu Cquote2.png
Google sobre Cotriguaçu
Cquote1.png É a treva! Cquote2.png
Personagem de novela sobre Cotriguaçu
Cquote1.png Não contavam com minha astúcia! Cquote2.png
Chapolin Colorado sobre sua coragem de visitar Cotriguaçu regularmente
Cquote1.png É mais fácil ir para Tóquio do que ir para Cotriguaçu Cquote2.png
Guia Quatro Rodas sobre Cotriguaçu

Cotriguaçu é um município de Mato Grosso localizado mais ou menos no Fim do Mundo, numa região temida conhecida como "fronteira com Amazonas no norte de Mato Grosso". Essa cidade tem um calor de fazer inveja ao inferno e nada mais é do que uma aldeia indígena que, por ironia do destino, virou município. No ano 2000 o município foi nomeado pela UNESCO como a mais desinteressante e inútil das 1000 porcarias do Velho Fim do Mundo.

História[editar]

Avenida principal da cidade bombando de movimento.

Graças ao Rio Juruena, se desenvolveu por aquela região um intenso tráfego de aventureiros... Tá certo, não era aquela coisa que se diga - "Nossa! Mas que tráfego mais intenso de aventureiros! Quantos aventureiros!!!!" - mas era gente o suficiente para abrir um boteco, um puteiro e um rancho, componentes mais que necessários para surgir um povoado.

Em 1991 aquele cu tornou-se município depois que ninguém contestou, por falta de gente para isso.

Devido a sua localização extremamente distante de qualquer vestígio de civilização, os moradores de Cotriguaçu passam por uma série de dificuldades. Ninguém se aventura em ir até lá e muitas vezes as chuvas derrubam as precárias pontes que dão acesso a cidade. Assim sendo a população acaba ficando sem comida e precisa se alimentar de grama, terra e o que mais estiver a disposição. Eventualmente, os moradores precisam apelar para o canibalismo, pois essa é a única chance de sobreviver.

Em 2008, um caminhão de batata atolou na região, para felicidade dos moradores. Além de comer o caminhoneiro, o suprimento de batata alimentou as pessoas durante alguns meses. A situação se repetiu em 2010, desta vez com um caminhão de feijão, e desde então ninguém passa por Cotriguaçu, com medo de ser devorado. No atual ritmo, dados do censo 2010 apontam que em 2093 o último cotriguacuense terá que comer a si próprio, acabando de vez com a cidade.

Economia[editar]

Uma humilde residência de Cotriguaçu.

Depois que já extraíram todo pau-brasil, toda borracha, todo ouro, não sobrou muita coisa além de um solo semi-infértil onde plantam batatas.

A apicultura também é bem presente na economia da cidade, o mel produzido ali é multiuso, serve desde alimento, como também de cola, veneno contra baratas e lubrificante anal.

População[editar]

Esta é uma estimativa impossível de se fazer, pois quase todos são índios ocultos na floresta, e não existe ninguém louco o suficiente no IBGE para ir lá no meio do mato contar esses índios.

Comunicações[editar]

O lugar é tão longe, mas tão longe, que nem o sinal da Globo pega. Em 2014 foi implantado o serviço de Internet Discada, representando um grande avanço na vida da população. O ano de 2014 também marcou a chegada da Telefonia Móvel em Cotriguaçu, onde a população começou a usar celulares tijolões.