Crysis

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para navegação Ir para pesquisar
Virtualgame.jpg Crysis é um jogo virtual (game).

Enquanto isso, Looking cool Joker


Choro da Irmã
Cry Sis.png
O logotipo da série
Gênero mais comum Tiroteio
Desenvolvedor atual Crytek
Publicador atual EA
Plataforma de origem PC tunado
Primeiro lançamento Crysis 1 (2007)
Último lançamento Crysis 3 (2013)

Crysis é uma série de jogos de tiro em primeira pessoa que define bem o gosto refinado do público ocidental de videogames: Gráfico, apenas gráfico, e nada mais, sendo portanto uma trilogia de jogos com foco exclusivo e absoluto em gráficos, esquecendo gameplay e enredo, porque uma boa história ou um bom controle são irrelevantes quando você consegue enxergar com perfeição cada folha daquela palmeira. Ser fã de Crysis é a mesma coisa que ser aquele geek mais virgem e insuportável, daqueles que só fala de computador, configuração de computador, placa de vídeo e toda esses assuntos insuportáveis.

A empresa responsável por essa franquia é a Crytek, que significa "tecnologia que faz você chorar", porque é sempre necessário ter a placa de vídeo da NASA pra rodar um Crysis em seu lançamento. Mas quem financia essa bagaça é a Electronic Arts, e se não tem DLC, microtransação e pay-to-win eles não vão aprovar um Crysis 4.

Jogabilidade[editar]

A jogabilidade dos jogos de Crysis é nada demais, pois controlamos um soldado americano completamente genérico que usa uma roupa com capacidades extraordinárias que concede vários poderes, tais como: correr mais rápido, bater mais forte, aguentar porrada, ficar invisível, e, finalmente, regular melhor a digestão. Este último poder é, obviamente, o mais útil durante o combate.

O que chama atenção nos jogos dessa franquia é que os designers conseguiram projetar uma interface revolucionária: clique com o botão esquerdo do mouse e você atira. Clique com o botão direito do mouse e nada acontece. Bem, basicamente, basta clicar no botão esquerdo do mouse e pressionar a seta para avançar, fazendo desnecessário qualquer habilidade cognitiva, permitindo ao jogador apenas apreciar os gráficos do jogo. No caso de um obstáculo, melhor apenas contorná-lo.

Jogos[editar]

Crysis 1 rodando no talo, na época de seu lançamento, num computador da NASA.
  • Crysis 1 - Jogo spin-off de Call of Duty que foi tão revolucionário que, embora lançado em 2007, os primeiros PCs capazes de realmente suportá-lo só foram lançados em 2009. Durante anos muitos jogadores não pararam de comprar novas placas de vídeo cada vez mais potentes na esperança de jogar Crysis 1, arruinando suas economias na esperança de fazer o game funcionar direito. Em 2008, o poder das GPUs e das CPUs finalmente permitiram que alguns jogadores ricos executassem Crysis 1 adequadamente, mas somente em 2019 o jogo poderia tornar-se popular ao ser jogado em computadores mais normais.
  • Crysis Warhead - Como estamos falando da Electronic Arts é claro que haverias práticas anti-consumidor, então criaram esse DLC a parte do primeiro jogo.
  • Crysis 2 - Infelizmente, Crysis 1 tornou-se coisa do passado e Crysis 2 foi lançado em 2011. Para não ter que fazer os fãs esperarem mais 24 anos para poder jogá-lo em condições corretas, o governo dos EUA adquiriu um supercomputador chamado Roadrunner no qual rodava o inédito Windows 9, que tem um poder de computação de até 1,456 pentaflops por segundo, graças aos seus 129.600 núcleos, 2,4 tera-watts de eletricidade consumidos, mais de 10.000 placas gráficas com 512 TB de memória GDDR7 em SLI com temperatura de carregamento de 1000° C e também leitor de Blu Ray, além de um gravador rodando a 100.000 rpm. Com essa configuração que, no entanto, ocupa 1.100 m² além de requerer uma usina nuclear como anexo - o que significa, obviamente, sem Anti-Aliasing ou filtragem anisotrópica - o computador em questão localizado num subsolo totalmente imerso em nitrogênio líquido precisou de 2 minutos de tela de loading antes de iniciar o jogo adequadamente.
  • Crysis 3 - Quando o dono da Crytek disse que o próximo Crysis iria derreter até os PCs com DirectX 111 houve muito temor na comunidade se seria possível haver um computador que rodasse o jogo, mas ao mesmo tempo foi anunciado para PlayStation 3 e Xbox 360, então todos se acomodaram com a possibilidade de jogar Crysis 3 com downgrade. Apenas colocaram o arco e flecha para soar original.
v d e h
Crysis Logo.jpg