Cusco

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Este artigo é um
Patrimônio Mundial da Humanidade.

Pode ser uma ruína, uma cidade
de merda, um matagal abandonado,
mas está protegido!

World Heritage Site logo.png

Leitura recomendada apenas para
pessoas com cultura.

A UNESCO monitora este artigo.


Cusco (ou Cuzco ou ainda Qosqo) é a antiga capital do Império Inca, que caiu em desgraça depois da invasão de Francisco Pizarro e sua gangue à região. Poderia ser apenas mais uma cidade histórica empoeirada como Ouro Preto ou Parati, se não fosse o único local de acesso ao Complexo de Lazer, Compras e Misticismo Machu Picchu. Por isso, é responsável, praticamente sozinha, pela chegada de turistas estrangeiros ao Peru.

História[editar]

Podemos ver um típico habitante de Cusco (esquerda) e o imperador da cidade (direita) em mais uma eletrizante aventura.

Construída pela civilização Inca para ser um rival de El Dorado (que, como todos sabem, fica onde hoje é Tangamandápio, no México), Cusco foi durante muito tempo a cidade mais alta do mundo, até a fundação do Tibet e de Potosí. Ali foi estabelecida a capital do Império Inca, que se estendia da Argentina ao Panamá, com territórios ultramarinos na Ilha de Páscoa e na Nova Zelândia -- os Incas começaram inclusive a construir pontes ligando o que seria a América a estes locais, mas foram impedidos por manifestantes do Greenpeace.

Em 1500 e alguma coisa, hooligans espanhóis liderados pelo conquistador Francisco Pizarro desembarcaram na costa do que hoje é o Peru e, ao ver um local tão grande e portentoso, não pensaram duas vezes antes de se enfiarem por seu interior. Como os Incas tinham orgulho de suas estradas bem calçadas e sinalizadas, foi muito fácil para os espanhóis chegarem à cidade. Lá, depois de uma feroz batalha, assassinaram Atahualpa, o imperador inca da ocasião, e se tornaram os donos do pedaço, refazendo completamente o projeto arquitetônico/urbanístico do local.

Geografia[editar]

A cidade de Cusco vista do alto do morro do Cristo Blanco

A cidade é famosa por suas misteriosas cavernas que ligam a cidade peruana a centros místicos como Diamantina, São Tomé das Letras e Varginha. Como quase todos os lugares no Peru, ela é rodeada de montanhas, ficando inclusive no alto de uma. Por isso, para chegar a qualquer lugar em Cusco, você terá que passar por pelo menos quatro ladeiras. Não é à toa que muitos turistas dizem que a cidade é "de tirar o fôlego".

Situada na região mais verde da Cordilheira dos Andes, Cusco tem clima altamente temperado, e por isso deve ser apreciado com moderação para não causar hemorróidas. À noite, o clima muda para frio pra caralho, sujeito a chuvas de granizo e nevascas ocasionais.

A cidade é cortada pelo Rio La Bamba Urubamba, que recebe água vinda de geleiras derretidas na Cordilheira dos Andes, além de muito lixo e corpos de animais e crianças, tendo assim importância vital na vida religiosa peruana, já que é fundamental nos sacrifícios rituais feitos por eles.

Economia[editar]

Peruanos pacientemente aguardando sua vez de ganharem algumas monedas em cima de turistas descuidados.

Por ser o principal destino turístico do Peru, a cidade vive quase que unicamente da exploração turística (não do turismo, mas dos turistas). Andar com uma câmera fotográfica no pescoço, ou tirá-la da mochila, é o sinal para ser cercado por uma multidão de peruanos de todas as idades querendo vender bijuterias, porta-garrafas, gorros, capas de chuva ou mesmo querendo posar para uma foto carregando um bebê lhama no colo. O mesmo acontece ao se entrar em qualquer local turístico da cidade, onde uma horda de guias se estapeia para ser escolhida pelo turista esperto. Além de cobrarem (caro) por seus serviços, você saberia a mesma coisa se comprasse um guia numa livraria -- quer dizer, sem levar em conta o monte de mentira que eles inventam, como dizer que fósseis de dinossauros foram encontrados em Machu Picchu e que Jesus Cristo, em vez de ser crucificado, fugiu para uma gruta no Vale Sagrado.

Também faz parte da exploração turística o ingresso aos locais de interesse. A entrada em qualquer igrejinha, por menor que seja, custa pelo menos R$8, e os locais mais bacanas, como as ruínas incas de Sacsayhuamán, não saem por menos de R$50. Mas não se abata: você, seu pobre, sempre pode tirar fotos na entrada desses lugares e dizer que esteve lá dentro, mas que não eram permitidas fotografias no interior.

Transporte[editar]

Trazidos da Espanha por Francisco Pizarro, até hoje os ônibus de Cusco servem à população pobre.

É possível se chegar a qualquer lugar em Cusco a pé. No entanto, os gordos preguiçosos podem tomar um dos milhares de táxis que rodam o dia inteiro pela cidade. Menores que um Gurgel Supermini, eles têm capacidade para 1,5 pessoas (contando com o motorista), mas têm a vantagem de ser baratos: como no Peru ainda não foi inventado o taxímetro, a corrida tem preço único: R$3 para qualquer lugar. O único inconveniente é levar a bagagem (ou o excesso de passageiros) no teto do carro.

Se você for pão-duro econômico demais para tomar um táxi, sempre existem as confortáveis lotações e os modernos ônibus disponíveis para a população, onde no máximo você terá que disputar espaço com índios fedorentos, crianças choronas, galinhas, ovelhas e lhamas.

Atrações turísticas[editar]

Passear por Cusco é, basicamente, entrar em igrejas, museus e ruínas. A única coisa um pouco diferente é o Cristo Blanco, cópia mais baixa do Cristo Redentor feita em pedra-sabão-de-coco.

No centro do Centro Histórico, fica a Plaza de Armas (Praça de Armas, pra você que não entendeu), onde os assaltos à mão armada são permitidos -- no resto da cidade, só é possível assaltar sem o uso de armas. Antigamente, neste local estavam instaladas diversas baterias antiaéreas para abater os OVNIs que constantemente sobrevoam a região (lugares místicos têm suas desvantagens), mas a nova Política Peruana de Integração aos Povos da Galáxia, que entrou em vigor no governo do ex-presidente Alberto Fujimori, proibiu o uso de violência contra extraterrestres.

Gastronomia[editar]

Inca Kola, o refrigerante oficial do Peru. Devido à sua coloração, é também conhecido como O Mijo dos Andes (o que faz sentido, levando em conta o nome do país em que é produzido).

Como no resto do Peru, em Cusco são muito populares as receitas de arroz com pinto frango. Uma rápida olhada nos menus dos restaurantes demonstra os principais pratos principais servidos:

  • Arroz com frango
  • Frango com arroz
  • Arroz com frango grelhado
  • Arroz com frango desfiado
  • Arroz grelhado com frango
  • Arroz grelhado com frango e uma porção extra de arroz
  • Arroz sem frango (para vegetarianos)

Além disso, em Cusco também são muito populares as três bebidas nacionais do Peru: o pisco, a Inca Kola e o mate de coca. Todas têm propriedades alucinógenas medicinais capazes de combater o famoso Mal da Altitude, que atinge turistas em regiões de montanha e jogadores de basquete.