Desentrevistas:Chaves

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa


Desentrevistas.gif

Este artigo é parte do Desentrevistas, a sua coleção de fofocas informações sobre as pessoas famosas.

Após chegarmos à cidade de Tangamandápio e seguir um estrada de mais de 8000 quilômetors, finalmente chegamos na vila do Chaves, ou melhor, do senhor Barriga.

Olá Chaves. Eu sou um entrevistador e vim falar com você.[editar]

Da parte de quem ?

Entrevistador[editar]

Você põe a vista entre as coisas?

Não, eu faço entrevistas.[editar]

E você vai me entrevistar?

Oh, Nããããão! Vim jogar futebol com você.[editar]

Zas zas, que eu chegava e chutava... Eu sou o Pelé. Falei primeiro.

Claro que vou fazer uma entrevista. O que mais eu poderia fazer?[editar]

Usar sua cara feia para espantar ladrões da vila.

O que foi que disse?[editar]

É que me escapuliu.

Chega. Vamos começar isso logo?[editar]

Bem, sim.

Como você está?[editar]

Com fome.

Quando você comeu pela última vez?[editar]

Foi em ... Não, não, não foi neste dia.

A sim, foi em... Não, também não.

...

Já sei... Não, neste não foi.

Eu ainda não comi pela última vez

Não lembra, não é? Como você sobrevive sem comer?[editar]

Com fome.

Sim, mas você não tem problemas com isso?[editar]

Tenho.

Qual?[editar]

Fome.

Você não sabe sentir outra coisa que não seja fome?[editar]

Sim.

O que?[editar]

Vontade de comer.

Deixa para lá. Continuando. Como é morar dentro de um barril?[editar]

Eu não moro dentro do barril, eu moro no 8. Eu só uso o barril para dormir.

E por que você não dorme no 8?[editar]

Porque o 8 não tem porta.

Como não?[editar]

Se não tem porta, como é que eu vou entrar? Seu burro.

Diga isso de novo que vou te estrangular e você vai parar num hospital.[editar]

Eu quero ir para o hospital.

Você sabe o que está dizendo?[editar]

Sim, se fui eu quem disse isso. Por que eu não saberia?

Você sabe o que significa ir para o hospital?[editar]

Sim. Lá eu tenho uma cama para deitar e posso ter três refeições por dia.

(Momento de reflexão do entrevistador.)

E você gostaria da oportunidade de almoçar todos os dias.[editar]

Isso! Isso! Isso! Isso! Isso! Isso! Isso! Isso! Isso!

Vou te dar 5000 reais.[editar]

O que eu vou fazer com um monte de papel?

Isso é dinheiro.[editar]

Dinheiro é mangos e cruzeiros.

O real pode ser trocado por muito mais mangos e cruzeiros.[editar]

Eu só preciso de dinheiro para comprar doces na venda da esquina. Eu não quero notas de dinheiro, porque elas não podem ser comidas.

Você não pensa? Para que serve sua cabeça?[editar]

Para colocar meu boné.

É uma pena, porque você precisa treinar o cérebro e entrar numa escola.[editar]

Eu vou à escola.

Mas você não tem um responsável[editar]

Foi o professor Girafales quem me colocou na escola. Ele me disse que se eu completar o ensino, poderei ter algo para comer.

(No México, o emprego é algo que sustenta as pessoas no lugar dos pés e permite que ela coma no lugar da boca.)

(Seu Madruga que estava ouvindo a conversa se aproxima:)

Seu Madruga: Chavinho, percebi que você ganhou bastante grana. Vou te dar um sanduíche de presunto por todos eles.
Chaves: Eu aceito.

(A troca é feita. Mas o Seu Barriga aparece e o Seu Madruga foge para a casa dele.)

Senhor Barriga: O Chaves não me recebeu com uma pancada, que maravilha. Senhor entrevistador, obrigado por fazê-lo parar para eu não apanhar.
Entrevistador: Não tem por onde.
Senhor Barriga: Tenho que pegar o Seu Madruga.
Entrevistador:

Chaves, sabia que você poderia comprar milhares de sanduíches com o dinheiro que você deu ao Seu Madruga? Lamento, mas você foi tapeado.[editar]

(O Chaves fica com raiva e pisa com força no chão, mas acaba pisando no pé do Senhor Barriga que passava na frente dele naquele momento.)

Senhor Barriga: Tinha que ser o Chaves. Quando ocorrerá o milagre de eu não ser recebido com uma pancada?
Chaves: Foi sem querer querendo.
Senhor Barriga: Sai da frente.

(Senhor Barriga entra na casa do Seu Madruga que foge pela janela em direção à rua, mas desta vez o Barriga percebe e o segue.)

Enquanto seu dinheiro está em mãos erradas, vamos continuar. Que prazer você tem em atacar o Senhor Barriga? O que ele fez de mal a você?[editar]

Nada. A culpa é dele de ser golpeado por mim e não minha de golpeá-lo. Mas a barriga dele dá uma ótima armadura, ele não deveria reclamar.

(Senhor Barriga e Seu Madruga voltam para a vila.)

Senhor Barriga: Roubar o dinheiro de uma criança. Você não tem vergonha?
Seu Madruga: Tenho.
Senhor Barriga: E ainda faz essa barbaridade?
Seu Madruga: É que eu aguento a vergonha. Sou um homem.
Chaves: Pensei que fosse um chimpanzé reumático.
Seu Madruga: Que que foi? Que que foi? Que que há?
Entrevistador: Vamos parar com isso. Digam. O que aconteceu com a bufunfa?
Seu Madruga: Por estar sendo seguido acabei acidentalmente soltando num bueiro e a água lá dentro levou tudo.
Entrevistador: Eu dei os olhos da cara nisso. Só me resta grana para retornar para casa.
Chaves: Você não ficou cego?
Entrevistador: Deixa para lá.
Senhor Barriga: Seu Madruga, você me deve 14 meses.
Entrevistador: Porque a dívida é sempre 14 meses?
Senhor Barriga: Porque perdi a conta da dívida e parei no 14, não consegui mais contar.
Entrevistador: Você poderia usar um assistente eletrônico para isso

(O entrevistador começa a falar de novas tecnologias, que não existiam na década de 70 para auxiliar o Barriga.)

Senhor Barriga: Seu Madruga, este é o último mês que...

(Seu Madruga desapareceu enquanto o Barriga e o entrevistador batiam papo.)

Senhor Barriga: Tenho que cobrar o aluguel de todos e achar o Seu Madruga.

Bem, Chaves, vamos continuar. O que te causa medo?[editar]

Aqui na vila mora a bruxa do 71.

Bruxa não existe.[editar]

Quer que eu te mostre?

Melhor não. Deve ser só uma velha horrorosa e não uma bruxa. E isso não é agradável de se ver. Mudando de assunto. Quantas camisas você tem ou já teve?[editar]

No momento só essa, mas já tive 300.

300?[editar]

Sim, que quando uma camisa rasga, eu a costuro fazendo uma nova camisa.

Entendo. O que as pessoas da vila acham de você?[editar]

O Seu Madruga disse que a Chiquinha disse que o Kiko disse que mãe dele disse para dizer para o Kiko para dizer para a Chiquinha para dizer para o Seu Madruga que a Chiquinha disse...

(E o tempo passa, passa, passa.)

Cale-se, cale-se, cale-se, que você me deixa loooooouco!!!!![editar]

Ninguém tem paciência comigo.

Não. Vai responder corretamente ou não?[editar]

Tá bom! mas não se irrite.

Então não me deixe irritado![editar]

Uma vez a Chiquinha disse o mesmo que você disse e o Seu Madruga disse que só quem é idiota e tem nada no cérebro diz isso.

(O Kiko aparece.)

Kiko: Estavam falando de mim?
Entrevistador: Não, estamos falando de outros burros.
Kiko: Tá bom. Estou indo comprar sorvete e não vou dar a vocês.
Chaves: Eu não pedi nada.
Entrevistador: Espero que isso não seja contagioso.

(O Kiko se retira.)

Continuando. Quando entrei na vila, o que você estava fazendo?[editar]

Matando largatixas.

Não se diz largatixas, se diz lagartixas.[editar]

O que foi que eu disse?

Largatixas[editar]

E como é?

(Após 200 748 149 vezes repetindo o ciclo acima)

Basta!![editar]

Mas...

Basta! Não sabe o que é basta?[editar]

A esposa do Basto?

Eu já to cansado de suas palhaçadas... TOMA!!! (O Repórter dá um cascudo na cara do Chaves)[editar]

PI,pi,pi,pi,pi,pi,pi,pi,pi,pi pi,pi,pi,pi,pi,pi,pi,pi,pi,pi,pi...

Pi! Pi! Pi! ... AIII... É melhor eu me mandar daqui antes que eu seja preso por agredir crianças chatas![editar]

E o nosso repórter some de fininho, para não se ferrar com os tiras do México.