Deslivros:Ascensão e Queda do Império Quinca

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Nuvola apps bookcase.png
Este artigo é parte do Deslivros, a sua biblioteca livre de conteúdo.


Quinca na infância.

O Império Quinca (não Quincas Borba, diga-se de passagem!) surgiu a não sei quantos anos atrás, se impondo como pretenso dono da verdade e mestre do universo, tal como o Esqueleto em Greyskull. Ele cria na teoria do Universo num Umbigo, que fazia com que ele, Quinca, quisesse dominar o mundo.

Assim, Quinca conversou com seu amigo, Careca, que o aconselhou a substituí-lo, pois ele estava cagando e andando para o território em questão, ainda que tenha feito de tudo pra permanecer como senhor absoluto de todo o universo, até criou falsos espíritos para o ajudar banindo seus adversários para serem devorados por Quetzalcoatl.

Quinca, inspirado nas idéias de um importante presidente da Alemanha, impôs seu poder como nenhum outro povo tinha feito outrora. Organizou um enorme grupo de grandes amigos, todos seguidores de suas teorias históricas e escatológicas (nos dois sentidos da palavra "escatológica" - confira no Aurélio!) contra um grupo de conspiradores chamados vulgarmente de Pa-Ene-Llah, que faziam muitas agitações segundo os jornais da época, como pedir pão e circo (coisa absurda né, o povo tem mais é que saber que não tem direito nenhum, porra!).

Quinca seguiu seu destino grandioso, com cada vez mais admiradores, até que um dia apareceu um profeta romano (vai saber como diabos ele entrou nessa história) que profetizou que um dia viria dos mares a destruição, um grupo chamado de Tramontanha, com Tramontinas a tiracolo, iriam cozinhar Quinca e faze-lo pagar por toda a humilhação feita ao seu povo.

Um dia, esse dia, um novo dia, de um novo tempo, que começou, chegou o dia, e Quinca foi 4 vezes espancado pelos Tramontanhas, que fizeram ele comer o pão que o diabo amassou, enquanto era obrigado a sustentar os Tramontanhas o resto de sua inútil vida.

OBS: Essa história é fictícia, qualquer semelhança com algo da vida real e/ou virtual não é mera coincidência!