Desnotícias:UI! Turma da Mônica tem o seu primeiro personagem completamente do Lado Rosa da Força

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa

Este artigo é parte do Desnotícias, a sua fonte de ignorância 24 horas por dia.

Eis o aprendiz do Richarlison

RUA LIMOEIRO, Brasil - Para quem já desconfiava que os simpáticos amiguinhos da galera, Cebolinha e Cascão, jogavam no time oposto, agora podem confirmar tirar o seu foco de cima dos coitadinhos (que de "nada" tem de homossexuais) e mirá-los para o mais novo personagem dos Estúdios Mauricio de Sousa, criado exclusivamente para atender aos simpatizantes do Lado Rosa da Força.

Seu nome é Caio Pinto, e (como todo o gay que se preze) será o melhor amigo de uma mulher, sendo nesse caso a personagem Tina a escolhida como vítima companheira (não, ele não irá ser o melhor amigo das criancinhas do desenho principal, para evitar possíveis casos de pedofilia e um belo processo na justiça). Na sua primeira história ele surpreenderá o leitor com uma revelação bombástica, o de que é comprometido com um outro homem (UI!) e ainda é o passivo da relação. Seu depoimento irá desencadear um discurso contra a homofobia, que será promovida pela própria personagem gostosa, amiga dele. Todos esses novos personagens que Mauricio de Sousa está criando (personagens que antes nunca haviam sequer aparecidos em seus quadrinhos), é para promover uma melhor inclusão das classes mais chacotadas que mais sofrem preconceitos. Personagens PNEs (portadores de necessidades especiais), como um cadeirante, uma cega e um esquizofrênico, já estão inclusos nas suas páginas, e agora vem mais um para formar a equipe de excluídos dos quadrinhos, pois é de conhecimento de todos que eles somente serão (e para sempre) personagens secundários, jamais você verá um gibi somente deles nas bancas (igualmente ao negro afro-descendente Jeremias).

Vale ressaltar também que um dos personagens mais chatos conhecidos da Turma da Mônica, o Do Contra, contrariando a opinião pública, manteve-se firme no propósito de não aceitar a inclusão das minorias nos quadrinhos de Maurício de Sousa.


Fontes[editar]