Diamantino

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa

Diamantino é a cidade onde Judas perdeu as meias, porque as botas certamente ele perdeu bem antes desse lugar. Diamantino é o que popularmente pode-se chamar de "cratera", na palavra propriamente dita. Fica bem no meio de um buraco e para todos os lados que se queira ir só há subida. Qualquer um fica abismado, qualquer cidadão pensa como uma pessoa em sã consciência pode ter fundado uma cidade na entrada do Inferno.

História[editar]

A bizarra escada do Bairro Buritis, grande ponto turístico da cidade, é a única solução para garantir o direito de ir e vir da população nos morros que cercam o vilarejo.

Em 1728 um grupo de pé-rapados, casados da tediosa Cuiabá, rumaram rumo ao nada em busca de ouro. Um dia eles chegaram tão perto do Acre, que decidiram mentir que acharam por lá muito ouro, afinal ninguém jamais iria para conferir. Todavia, Cuiabá era tão sem graça, que mesmo assim grupos de mineradores rumaram para o mítico local, onde acabaram fundando Diamantino.

Em 1746 há o registro da primeira descoberta de diamantes na região do Rio do Ouro que por ali passava. Como na época havia uma lei de que todo diamante era direto da coroa portuguesa, garimpeiros começaram a escavar clandestinamente. O problema é que um deles cavou tão fundo e de maneira tão displicente, que chegou a bater na porta do Inferno, ma so diabo que não é bobo, deu um rugido e espantou toda aquela gente, criando o único terremoto sentido na história do Mato Grosso.

O vilarejo, óbvio, foi um fracasso, a agropecuária não funcionava naquela terra inóspita e de clima terrível, sobrando apenas o tráfico de ilícitos e prostituição como forma de economia rentável.

Em 1906 é elevado a status de município, para que os ex-escravos ali remanescentes pudessem ter a possibilidade dali saírem. Por algum motivo desconhecido decidiram ficar e manter a cidade.

Desde a metade da década de 70 a cidade passou a ser dividida em duas. A parte de baixo da serra, chamada também de "Diamantino Velha", está 90% ocupada pelos seus antigos moradores. A parte alta do município (Ah! A parte alta), essa sim... lotada de pau rodado chamada de "Novo Diamantino" tem frutas pra tudo quanto é esquina....nossa como tem goiaba no Novo Diamantino!

Geografia[editar]

A geografia é o que se pode considerar o fim do mundo. Um lugar sem nada pra se fazer. Onde só tem descidas e subidas.

Isso é Diamantino. E ainda tem gente que chama de "lar, doce lar". Tem gosto pra tudo nesse mundo. A região é um verdadeiro buraco, chamado pelos moradores, de "Vaso de Deus"

Clima[editar]

Cidade quente, mas bota quente nisso, de deixar o diabo com calor. Cercada por duas verdadeiras montanhas, vento lá é uma ou duas vezes por ano, e olha que bem devagarzinho.

Segundo o grande filósofo Poderoso Castiga, a cidade de Diamantino é, em suas palavras quente pra caralhooooo. Antes da pessoa ir para o inferno ela pratica estágio lá.

Educação[editar]

A educação, de fato, é artigo de luxo para os mato-grossenses moradores de Diamantino. Virtualmente inexistente.

Cultura[editar]

Manga e mandioca são os pratos típicos da cidade, sendo comum no café da manhã, almoço, café da tarde, jantar, e nos aperitivos. E tem os pau rodados que no café da manhã pastam (comem capim) em um objeto chamado cuia, e no finalzinho da tarde se juntam em rodas pra pastar juntos.

Folgados como só, o povo adora tirar sarro com a cara dos outros, e para sacanear com outro da terra se cumprimentam assim "e aí gaúcho!"... mas quando são eles as vítimas, já apelam e geralmente fogem da conversa e saem de fininho...

Lazer[editar]

A vida noturna (quando ela existe) também é outro fato que chama muita atenção em Diamantino. Há apenas uma choperia que cobra o olho da cara até pelo palitinho de dente. Danceteria também tem uma, mas nem quando a entrada é gratuita tem gente.

Turismo[editar]

O único ponto turístico é o Rio Diamantino (Areial ou Bocaina), no bairro da Ponte onde situam-se favelados, vagabundos e conservadores. Além de famosas pontes que separam do resto da cidade. No Rio Diamantino, o ambiente exige que o turista não fique por lá depois das 4 da tarde, pois depois desse horário começam a chegar tudo quanto é tipo de gente, não sendo apropriado ficar por lá.