Direito de resposta

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
DIREITO DE RESPOSTA

Nós da Desciclopédia estamos demasiadamente revoltados por diversos escritores e editores da infame Wikipédia persistirem em nos chamar de paródia, dizer que nossos conteúdos não são providos de seriedade, de verossimilhança nem de conteúdos verídicos ou que possam representar a verdade dos fatos. Isso é uma injúria, uma calúnia, uma difamação, uma infâmia demasiada da parte desse site guiado por mentecaptos que todos os anos oferecem suas bundinhas para pagar a arrecadação de cuzes fundos de seu sinhozinho Jimmy Wales.

Advindo de abjetos objetos de ridículo como vocês, é plenamente notável que hajam de maneira tão desesperada, agredindo pessoas do mais ilibado caráter, enquanto oportunistas mequetrefes e mesquinhos como vós persistem em insistir em suas práticas estúpidas, inserindo conteúdos completamente irregulares, faltosos com a pureza da realidade, mentiras grosseiras como dizer que a Terra é redonda, que Tancredo Neves morreu de morte morrida e não morte matada e a pior de todas, dizer que Elvis Presley morreu e que Paul McCartney está vivo. Aliás, não mesmo, a mais inacreditável e nefasta de suas inferências sem consistência alguma é a persistência em afirmar que somos um produto da fantasia perniciosa de escritores devassos e metidos a engraçadões. Ora, como se nós desciclopedianos e descíclopes pudéssemos ser reduzidos a uma comparação tão inepta quanto a de nos conectar aos mentecaptos que trabalham no Zorra Total ou no Tá no Ar. Esse tipo de conexão é no mínimo uma clara demonstração do quão desequilibrados estão os editores desse lugar fuleco que tornou-se a Wikipédia.

Mas nós sabemos. Sempre soubemos a verdade. E os motivos e causas que tornam todos vocês imundos acusadores cretinos que jamais saberão dizer coisa com coisa a nosso respeito. Eis a grande motivação exposta bem abaixo:

A verdade sobre o site de vocês é essa: São todos satanistas! Queimarão no inferno, malditos!

O CONTEÚDO ACIMA É SÉRIO!
Se você acha que tamos brincando, olha o que você acabou de ganhar!


O que é?[editar]

Roberto Requião, o criador da lei de direito de resposta pros que ficavam zombando de seu amor por comer mamonas.

Sério que você não entendeu porra nenhuma que escreveram aí em cima não?

Cquote1.png Não e se frescar EU vou exigir meu direito de resposta! Cquote2.png
Você

Tuuuuuudooooo beeeeeeem! Vou eu aqui expor como e pra que serve essas porra. O direito de resposta é exigido por uma pessoa quando de algum modo tal pessoa sentiu-se lesada por uma publicação, seja ela jornal, revista, blog, programa de TV ou mesmo canalzinho de Youtube de quinta categoria. Você pode pedir pra um juizinho ou mesmo só solicitar pro seu adevogado fazer uma representação contra o meio pra eles publicarem o seu direito de resposta integralmente, e sem restrições, sem tentar fazer réplica, tréplica, mea culpa, reprimendas ou dar respostinha porque não é debate da Veja saporra.

O direito de resposta é tipo uma arma fatal, capaz de tornar até mesmo a empresa de comunicação mais foda um cocozinho. Claro que se essa empresa for tipo a Veja, capaz de ela colocar um direito de resposta e na página ao lado colocar o direito da resposta da resposta (um troço mágico que só a Veja sabe fazer).

Como utilizar[editar]

Em caso de você se sentir ofendidinho porque uma página do Facebook dita de notícias começou a espalhar que você sonha toda noite sendo enrabado pelo Pabllo Vittar, você pode acionar a justiça ou mesmo só pedir ajudinha de alguém que pareça "otoridade" (no caso, uma boa opção é ameaçar mandar o Kevin Mitnick ou o seu irmãozinho hacker tomar a página dos fdps se não publicarem o direito de resposta), isso em até 60 dias após a palhaçadinha feita pela turma do chapéu. Daí você manda o texto que quiser pra se defender e até mesmo denegrir com gosto quem o ofendeu. E mais: O troço vai ter de divulgar o direito de resposta do mesmo jeitinho que mandou as grosserias contra sua pessoinha.

Exemplo de direito de resposta[editar]

15 de março de 1994, o dia em que Cid Moreira tremeu.