Duelyst

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Virtualgame.jpg Duelyst é um jogo virtual (game).

Enquanto você lê, Gordon Freeman tenta descobrir quem é o G-Man.


Duelyst é, basicamente, um jogo tático de cartinhas. Quer dizer: nele, o jogador monta um deck e vai pondo seus criados no campo, e faz o que quiser com eles enquanto tem um intervalo de tempo para isso. Até possui uma historinha por trás, com toda uma descrição de eras e o escambau, mas... quem liga?

Detalhes desse negócio[editar]

O jogo consiste em dois rivais que brigam num tabuleiro de nove quadrados por cinco. Já começa acanalhado por causa disso, mas fica pior ainda quando se trata da dinâmica das partidas. Cada lado possui um general, o qual, inicialmente, só pode causar dois míseros pontos de dano e aguentar uns 25 até declarar falência. Enquanto um general estiver vivo (ou a pessoa que o controla não desistir, claro), ele pode continuar atrapalhando a situação do outro.

Verdade seja dita, é bem mais fácil de vencer quando o general adversário está completamente cercado num canto (não um canto audível, mas um cantinho da disciplina) e não consegue mais invocar porra nenhuma para tentar ajudá-lo. Mas para aqueles mais ignorantes que nunca leram "A Arte da Guerra" ou similares, também é possível vencer com poucos combatentes (por increça que parível); basta concentrar umas forças no próprio general e descer o sarrafo no outro, até este pedir arrego. Tal estratégia é como o ingresso via ENEM: muito embora as chances de sucesso sejam mínimas, é possível.

Facções[editar]

Uma criatura dando de quatro em todo mundo. Pera, mas... OITO PRA BATER EM UM??? Tinha que ser Abyssian...

Em qualquer ambiente dessa bagaceira, há raças distintas e outras monstruosidades brigando por sabe-se lá o quê... mais território? Se eles pelo menos soubessem que o jogador pode escolher qualquer uma a qualquer momento, talvez houvesse mais tréguas. Mas a treta não pode parar.

  • Lyonar: A mais escolhida por noobs. Várias cartas apanham bastante sem cair e conseguem se curar de tudo que é jeito. Os soldados costumam partir pra cima, então lutar perto deles só é legal quando estão levando uma surra das grandes.
  • Songhai: Os ninjas do inferno. Muita mobilidade, atacam de perto, de longe, e lá da China. Se não forem erradicados, podem até tacar fogo em tudo.
  • Vetruvian: São meio chatos quando ficam gerando outros deles sem precisar chamar. Possuem magias pra quase qualquer coisa, incluindo dar um turno extra pro general correr e se esconder.
  • Abyssian: Quem joga com esta aqui só sabe infestar o campo com minions fraquinhos e quer ganhar apenas por exaustão...
  • Magmar: Jogar com Marimar Magmar é estar na pele do Golias. É possível destruir até o servidor, mas não de forma tão rápida assim.
  • Vanar: É a casa Stark de Game of Thrones. Pronto, já dá pra entender.
  • Neutra: Ao mesmo tempo em que não são de nenhuma das acima, abrem as pernas pra todas. Para compensar a falta de generais, esse grupo inclui os mercenários, os rejeitados, os mais fracos e até umas criaturas decorativas.

Chegando ao décimo nível em uma facção, o jogador ganha um general bônus de esmola. Geralmente, este é mais fraco que o anterior.

Mecânicas e outros detalhes[editar]

  • Apesar de muitas pessoas terem cinco dedos, o máximo de cartas na mão é seis.
  • Enquanto tiver pontos de mana suficientes, você é Deus.
  • Algumas cartas são melhores que certos generais...
  • Confiar em cartas "battle pet" é o mesmo que ensinar a um doido como atravessar a rua com um cego.
  • E cada carta "Mechazor" equivale a uma parte do Exodia. Já sabe, né?