Embraer

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Boieng da Trans Brasil indo pro brejo.jpg Olha o(a) Embraer vindo!
Olha o(a) Embraer indo!

Este artigo fala sobre coisas que avuam pro alto.
Clique aqui pra ver quem mais vai pelos ares. Literalmente.


Cquote1.png Que ponto é aquele que tá vindo em minha direção? Cquote2.png
Piloto do Gol 1907 sobre Embraer

Cquote1.png Nossas putinhas Cquote2.png
Funcionarios da Boeing sobre Embraer

A Embraer é uma pseudo empresa brasileira fabricante de teco-tecos xing lings. É reconhecida mundialmente pela confiabilidade de seus jatos comerciais. Está há algumas décadas no mercado, focada principalmente em produzir sucata aviões militares, regionais e para a zelite. Sua principal inimiga é a fabricante de trens canadense Bombardier.

História[editar]

Mais um cliente satisfeito!

Depois que Santos Dumont passou dessa para uma melhor, o Brasil não conseguiu produzir mais nada que voasse. Vendo essa situação, em 1969 alguns milicos tiveram a ideia de fundar uma empresa que produzisse teco-tecos aviões que seriam usados no envio de comunistas para o exílio, só que antes de chegar ao destino, essas aeronaves deveriam cair no Congresso na floresta amazônica, assim nasceu o primeiro grande sucesso da Embraer, o Bandeirante.

Depois de uma década de inúmeros desaparecimentos e acidentes a Embraer decidiu lançar o seu segundo avião, o Xingu, esse com muito mais tecnologia embarcada, era um avançado avião espião que conseguia cair desaparecer dos radares com extrema facilidade, mandando muitos comunistas para o além.

A Embraer também lança o Tucano, o avião da Esquadrilha da Fumaça, uma forma de provocação contra os traficantes colombianos para mostrar quem manda no cartel da amazônia.

Com a redemocratização, a empresa decide lançar o seu novo avião, o Brasília, agora, ao invés de matar comunistas, o foco é matar políticos corruptos e a zelite branca.

A Embraer também tentou sem sucesso, lançar um jato em conjunto com a Argentina, o projeto foi cancelado depois de divergências entre os países após a eliminação na Copa de 90, depois disso a Embraer se afundou nas drogas e no álcool.

Privatização[editar]

A empresa foi vendida a preço de banana privatizada pelo então presidente FHC em 1994.

Depois do tratamento com camisa de força, a Embraer começou a voltar a ativa com o seu primeiro jato comercial o 145, tendo feito muito sucesso desparecendo em muitos radares ao redor do mundo e gerando muitos empregos aos mecânicos de aeronaves.

Em 2001, a Embraer lança o seu principal jato militar, o Legacy, mudando sua estratégia de negócios, agora, ao invés de cair, ele derruba. Conseguiu com sucesso derrubar um Boeing 737 na floresta amazônica no melhor estilo kamikaze. A Embraer promete aprimorar a precisão do Legacy (ele ainda vai fazer muito estrago pelo mundo).

Em 2002, a empresa lança o 175, feito unicamente para ser o Aerolula 2 para fazer dupla com a Aeurubus, aposentando assim a dupla Sucatão/Sucatinha.

Boeing[editar]

Em 2019 sucumbiu formou uma parceria estratégica com a norte americana Boeing. O objetivo da parceria é tirar a Embraer do mapa impulsionar as vendas dos jatos comercias da Embraer. O então presidente Macintosh defendeu a parceria com a Boeing pois ia receber um belo bônus pela negociação caso contrário a Embraer iria a falência.

Nos últimos anos, a aviação comercial foi a única divisão lucrativa da Embraer. As aviações executiva e defesa só davam prejuízos ano após ano. A Embraer desesperada, sem saber o que fazer, contratou uma consultoria estratégica lusitana para virar o jogo. Após meses de estudos e muito xvideos (passatempo preferido de todos os engenheiros da Embraer), chegaram a conclusão que vender a lucrativa aviação comerical era o único jeito de manter a empresa de pé.

A Boeing propôs uma divisão muito justa para o negócio: A Embraer fica com 51% 20%, e a norte americana com os 80% restantes. Como a Boeing não está nem aí Para compensar a divisão favorável a Embraer, toda diretoria será indicada pela Boeing. Cabe a Embraer escolher os faxineiros, os jardineiros e as tiazinhas do café.

A nova empresa se chamará Boeing Brasil Commercial, ou BBC Big Black Cock. Se alguém achava que a Boeing queria fud## com os brasileiros, o nome da empresa deixa claro o objetivo dos norte americanos. O nome da empresa foi um sucesso de cara e logo estava na boca de todos os funcionários da Embraer. O futuro presidente da BBC, João da Massa era um dos mais empolgados. Em seu primeirio discurso deixou claro que ia fazer de tudo para a BBC crescer e se tornar sólida. Kid Bengala foi chamado para ser o garoto propaganda, mas até o momento não respondeu ao convite. O então presidente Paulinho da Forca quando viu o tamanho da pica do desafio que a BBC teria pela frente pediu para sair. Alguns mal intensionados dizem que Paulinho saiu, porque BBC relembrou um trauma de infancia, quando era chamado de Paulinho Mixaria no colégio e não aguentou um dia de bullying dos seus ex coleguinhas de 4a serie no Whatsapp. A comunidade japonesa da Embraer se sentiu excluída e se recusou a fazer parte da BBC.

Nos próximos anos a Boeing pretende comprar de vez o que sobrou da Embraer por US$1. aumentar a parceria com a Sobraer, aquilo que restou da Embraer.

Ver também[editar]