Europa Meridional

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
NapoleonBike.jpg
Este artigo é sobre humor europeu

Desculpem, o humor deste artigo é ininteligível para brasileiros e sul-estado-unidenses.
Então, nada de Delícia, oco ou sua bunda aqui, certo?


60px-Bouncywikilogo.gif
A nossa sátira autorizada, a Wikipédia, tem um artigo sobre: Europa Meridional.
Mapa da Europa com temática polonesa Meridional de comunista.

Cquote1.png Você quis dizer: Europa do Sul Cquote2.png
Google sobre Europa Meridional
Cquote1.png Bando de pobre. Cquote2.png
Pessoal da Europa Setentrional sobre a Europa Meridional.
Cquote1.png Não era mais fácil chamar de Europa do Sul? Cquote2.png
Qualquer um sobre o nome.
Cquote1.png Não era mais fácil chamar de Califado Europeu? Cquote2.png
Qualquer um sobre o nome.
Cquote1.png Minhas Putinhas!!! Cquote2.png
Angela Merkel sobre Sul da Europa
Cquote1.png Ora pois, nos chamaram? Cquote2.png
Português sobre Europa Meridional.
Cquote1.png ¿Por qué no te callas? Cquote2.png
Espanhol sobre português.

Europa Meridional é a Zona Sul do continente, sendo a mais ensolarada, a mais produtiva agricolamente, a que atrai mais turistas e a com menor renda per capita se comparada com o pessoal lá do extremo Norte onde nem esquimó está afim de passar as tão desejadas férias do meio de ano. É habitada basicamente por sub-negros racistas para caralho com uma cultura semita, os quais nem conseguiam ter a dignidade de ser considerados humanos pelos eugenistas anglo-saxões e germânicos do século XIX.

Achando no mapa[editar]

Traje bélico de um povo da Europa meridional.

A Europa meridional como já foi dito, repetido e, novamente, falado é a parte que representa o sul da Europa, ou seja, aquela mais próxima da terra do pequenino Motumbo e do pessoal do Rio Nilo. Essa divisão continental abrange desde terras lusas até os domínios helenos próximos ao Cáucaso.

O território é a parte agricolamente útil da Europa, circunrodeando o Mar Mediterrâneo, é cheio de praias, talvez pela proximidade do mar, mas isso não é nada confirmado cientificamente. A proximidade com o mar e a solo razavel permitem a produção de azeitoeiras, o que aquece a produção rural da região, pois o que seriam da pizzas italianas sem aquele artefato verdinho.

Edíficio elaborado pela arquitetura da região, por lá eles não usam o nível, daí o ângulo pouco habitual.

Um detalhe interessante da região é a própria cara e o jeito dos habitantes, são todos morenos, se comparados aos alemães e companhia, e tem o péssimo hábito de falarem alto e exporem as emoções de forma pouco discreta, vide Porugueses e espanhóis com suas falas altas e a gesticulação manual italiana, isso se vocês não tiverem esquecido daquele Nikos Petrakis, um grego que fez ponta numa novela de 6ª categoria da Rede Bobo.

Coisas da Região[editar]

Os países da região como foi citado são todos os países da zona Mediterrânea da Europa sendo que todos estes outrora pertenceram ao Império Romano sendo feitos de meros territórios conquistados, isso ocorreu exceto com a Itália, que só passou por isso quando passou a ser dominada pela Igreja Católica.

A produção econômica, generalizando, da região restringe-se a produção de azeite de oliva para aqueles países onde a população inteira é obesa e que precisa controlar os níveis de colesterol para evitar uma epidemia de enfartes no país. Outra cultura muito comum na região é a produção de vinho para embebedar a população para que a mesma não perceba o quão ruim é sua miserável vida regida pelas mãos da cruel civilização judaico-cristã-ocidental.

Países atolados na região[editar]

Existem vários perdidos ali naquela região.

Ibéricos[editar]

Olha a diferença do morro daqui, com o morro de lá.

São Portugal e a Espanha, correspondem pela zona com mais alto nível de QI da europa meridional e, também, responde pelo maior consumo de frutos-do-mar e de bacalhaus do planeta, afinal a bacalhoada consome um cardume desses peixes e a paella espanhola é a grande responsável pelo extermínio das espécies nativas de moluscos marinhos.

Um dia tiveram um grande império baseado no saque, estupro e miscigenação racial. Graças ao incontrolável desejo dos antigos semitas do Sul da Europa em enfiar suas pirocas em qualquer coisa que ande, foram os responsáveis em criar mutantes híbridos conhecidos por brasileiros, mexicanos, filipinos e californianos. Os tugas, como dominavam o comércio de trabalhadores não sindicalizados, fundaram o país habitado por uma caralhada de pretos chamado Brownzil, que, basicamente, é um Portugal de maiores dimensões. Já los conquistadores de lo México Europeu preferiram destruir duas das maiores civilizações do mundo, Asteca e Inca. Inclusive foderam lindamente com uma das mais belas cidades da história da humanidade, Tenochtitlán, aterrando seus canais. Hoje seus descendentes frutos do estupro amor entre espanhóis e mulheres mexicas praticam o esporte olímpico de salto à distância e meia maratona pelo deserto para chegarem ao Texas, Califórnia, Arizona e Novo México (Territórios que pertenciam aos crioulos híbridos do México Americano antes de serem tomados pelas Las Creaturas Obesas).

Uma das atividades preferidas dos Ibéricos é entrar em fóruns de supremacistas brancos e caixas de comentários do youtube para dizerem que são albinos e não injus como os que se encontram na América Latina. Claro que geralmente são esculachados pelos albinos reais do Norte da Europa e América do Norte sendo chamados de árabes ou africanos do norte. Normalmente, como resposta, os ibéricos começam a espumar pela boca e a espernear coisas que nem mesmo eles acreditam como "NÓS SOMOS EUROPEUS!!SOMOS BRANCOS!!" ou "O DOMÍNIO BERBERE SÓ DUROU 700 ANOS E NÃO HOUVE MISCIGENAÇÃO!!".

Resumo do Império Íbero-Americano

Itálicos ou ctrl+I[editar]

La bella Itália, ou Argentina do Norte, é conhecida como terra da macarronada, dos guidos com problemas de controle emocional e da máfia tradicional. Banhada pelo Mar Adriático, é um país onde fala-se com as mãos e que baseia toda a economia na produção de pizzas que, mais tarde, serão exportadas para São Paulo, Nova Jersey e Buenos Aires. É a grande responsável pela poluição do Mediterrâneo, ao despejar os dejetos de molho por lá, tanto que o antigo lixão de molhos deles foi carinhosamente nominado de mar vermelho. A língua oficial da Guidolândia é o Terranostrês, mas, na verdade, ninguém fala essa merda de idioma inútil e quase extinto por lá tirando os toscanos, pois os italianos preferem parlare seus mais inúteis ainda dialetos locais. Na verdade, hoje em dia, os únicos que se dedicam ao estudo do italiano são os descendentes ao redor do mundo, os quais têm a ilusão de que a Itália ainda é um país civilizado.

Assim como os ibéricos, um dia foram os senhores de um grande império baseado no estupro, saques, escravização e miscigenação. Todavia, ao longo de 2 séculos foram tomando surras atrás de surras dos selvagens e não civilizados neandertais das cavernas até que o Império Romano caiu no Ocidente, dando origem a vários pequenos reinos inúteis e fracos, os quais não tinham condições nem de criar uma marinha decente para se defenderem de selvagens da Escandinávia.

Hoje, após muitas glórias no passado, os guidos encontram-se em vias de extinção. São, ao lado dos autistas japoneses e paranóicos alemães, o país com a maior média de idade no mundo. Some-se a isso o fato de que italianos preferem transar com travestis importadas do Brasil e sabemos que logo, logo a Itália vai ser habitada apenas por imigrantes crioulos da África e romenos.

Balcânicos[editar]

Futebol é algo popular na região, contudo mais popular ainda são as brigas de torcida.

São os países mais miseráveis da região, exceção é a Eslovênia, mas quem liga para um paisinho perdido no meio do que sobrou da Iugoslávia comunista. Os balcãs são, geralmente, a parte da Europa que sempre está em guerra, seja por etnia ou equipe de futebol. A economia da mesma resume-se a pilhagem uns dos outros, o que faz bem aos outros países europeus que podem vender suas tranqueiras bélicas aos belicosos.

Gregos, troianos e adoradores de Alá[editar]

A Grécia, Turquia e Troia são países esquecidos pela própria Europa, tanto que pelos europeus estes países poderiam ser sumariamente chutados para a Ásia. No caso dos gregos e troianos, toda a economia baseia-se na venda de livros que falam daquela guerra ocorrida em trocentos antes de Gzuis Semita. Já a turca é um mero imã de dinheiro, uma vez que um turco pega uma nota jamais a solta. Contudo, os turcos se mostram muito mais úteis a Merkel Fuhrer, pois ao menos seguram milhões de refugiados sem, na verdade, ganhar porra nenhuma com isso (A não ser a eterna e inútil ilusão de que um dia irão fazer parte da União Gaytopeia).

Outros[editar]

Existem vários outros países coadjuvantes que sequer merecem ser citados, mas para não ver populações inteiras iradas citemo-los: Vaticano, San Marino, Mônaco, Malta e Andorra. Não desperdicemos mais bytes, por quem não merece.

Ver também[editar]