Fadir

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para navegação Ir para pesquisar


Juiz.jpg Certifico, a quem interessar possa e para os devidos fins, que este artigo trata de assuntos chatos jurídicos

Data venia, se você tiver alguma informação adicional a trazer aos autos, protocole uma petição solicitando a juntada de uma procuração que outorgue a você poderes para tanto, ou clique aqui.
Va-a-merda-porra-(Luiz-Carlos-Alborghetti).gif Este artigo pretende ser ofensivo!

Se você não se sentiu ofendido, edite-o até se ofender.

E se se sentiu ofendido, VÁ A MERDA, PORRA!!!

Cquote1.svg Eu não preciso disso não! Eu nem gosto de dar aula dessa matéria! Se um dia eu tiver que escolher entre ser procuradora do município e dar aula na UFU, eu saio da UFU. Cquote2.svg
Professora de Processo Civil I, com sua voz e visual cosplay da Aracy da TopTherm, logo após ser indagada sobre a matéria dando suas risadas estilo Bob Esponja

Cquote1.svg Melhor amarelar antes do que envermelhar depois Cquote2.svg
Professora de Processo Civil I dando dicas para audiências de conciliação

Cquote1.svg Vocês são a pior turma que eu já lecionei desde 2009! Cquote2.svg
Professor de Direito Processual Civil IV admitindo sua incompetência em lecionar desde 2009, sendo o pior professor desde ???? (ano que você nasceu)

Cquote1.svg Vou terminar a aula mais cedo porque a OAB precisa de mim em uma reunião importantíssima! Cquote2.svg
Professor de Constitucional, logo antes de ser encontrado no bar mais próximo da faculdade

Cquote1.svg Não estudou no colegial, olha aí que que deu... Cquote2.svg
Universitário do Direito sobre universitário de Ciências Sociais

Cquote1.svg Pra que serve? Cquote2.svg
Universitário do Direito sobre Ciências Sociais

Cquote1.svg Na União Soviética quem ignora o resto da UFU é VOCÊ! Cquote2.svg
Reversal Russa sobre "quero que o resto da UFU exploda em chamas", lema dos alunos da Fadir

Cquote1.svg Eu ainda penso em advogar pra pobre... Cquote2.svg
Professor de contratos, sobre pós aposentadoria.

Cquote1.svg Desde que eu comecei a lecionar... vários professores vieram me falar que notaram a diferença de nível dos alunos, por causa do IED Cquote2.svg
Professor do IED sobre ele mesmo.

Cquote1.svg Um dia! Um dia, meus caros, ainda fundarei a Igreja Kelseniana de Uberlândia! Cquote2.svg
Professor de Toria do Direito sobre seu sonho de ser pastor.

Cquote1.svg Nossa, mas vocês não sabem NADA! Cquote2.svg
Professor de Direito Penal I sobre conhecimento de IED de seus alunos

Cquote1.svg Sua mensalidade eu bebo em cerveja, pinga e cachaça! Cquote2.svg
frase dos alunos da FADIR no ENED 2008

Cquote1.svg Porque quando eu acho que o aluno está chutando ,mesmo que a resposta estiver certa, eu dou zero pra ele! Cquote2.svg
Professora de Direito Comercial I na 'vista de prova'

Cquote1.svg 'Quer dizer então que agora eu tenho que analisar o que vocês escrevem na prova??hahah aham! Cquote2.svg
Professora de Direito Comercial I na 'vista de prova'

A FADIR, Faculdade de Direita, é uma das várias faculdades que se encontram no campus Santa Mônica da UFU. Seu nome completo é "Faculdade de Direita Professor Jacy de Assis", assim como a praça Jacy de Assis, o presídio Jacy de Assis e o puteiro Jacy de Assis. É aqui que se encontram os bacharelandos de direita, os seres mais esnobes de toda a universidade e foco do ódio e recalque de todos os outros alunos da UFU.

Características[editar]

Alunos durante a empolgante aula de Processo Civil I

A Faculdade de Direita Jacy de Assis pode ser encontrada no campus Santa Mônica, Bloco 3D, também conhecido como "Castelo do Direito" ou "Mansão da Barbie", logo ao lado do Bloco 3Q (o Gigabyte da UFU - aquele que "despolitiza a universidade promovendo a desunião entre os estudantes do mesmo curso", de acordo com os futuros cientistas sociais) e à frente da biblioteca. É um belo prédio de dois andares, claraboia, muitas janelas e um elevador-cidadão, que mata o pessoal-sem-janelas-interruptores-e-quadros-negros das outras ciências humanas (em especial, da Sociais) de ódio.

Lendas dizem que foi construída de forma isolada do resto da universidade propositalmente, mas isso com certeza não deixou de ser, no tempo, um grande alívio para seus alunos, que não suportavam a companhia dos comunistas das ciências humanas e dos pseudo-machos das engenharias. Diz-se também que suas salas foram construídas de forma a impossibilitar a comunicação entre as turmas de direita, o que de forma alguma pode ser visto como um prejuízo, já que não suportam nem mesmo seus colegas de sala, imagine então os alunos das outras turmas.

Agora, com a construção de variados blocos em suas proximidades, o bacharelandos de direita temem serem contaminados pela pobreza do resto da universidade.

As pessoas na Fadir não gostam de absolutamente nada. São comumente conhecidos como os seres mais esnobes de toda a universidade e se dividem em "Patys e Filhinhos de Papai" e "Irônicos e Irônicas" e contam com um corpo docente formidável.

Everybody hates 70ª[editar]

"Tretas, votos, recursos, war. Há muito tempo a FADIR vivia em paz e harmonia, mas aí, tudo isso mudou quando a 70ª ingressou! Só a coordenação domina os quatro elementos (Poder hierárquico, regulamentar, disciplinar e de polícia.) e pode impedi-los, mas quando o mundo mais precisa dela, ela está fazendo eleições que todo mundo sabe quem vai ganhar. Algumas décadas se passaram e uma turma viciada em votações chegou. Embora sua habilidade com processos que se pretendem democráticos seja ótima, a 70ª turma tem muito que aprender antes que possa dizer: "Eu tenho noção". Mas eu acredito que a 70ª possa segurar a onda!"

Patys e Filhinhos de Papai (Fadir Boys 'n Girls)[editar]

Patys do Direito, em sessão de fotos

São a maioria gritante da FADIR. Eles andam de carro, elas acordam às 5 da manhã pra se maquiarem e ficam arrumando o cabelo no espelho dos banheiros do 3D a qualquer hora do dia. Eles vestem Brooksfield, elas vestem Colcci e vivem com marquinhas de biquini(obviamente adquiridas no Praia, pois seus pés lindos nunca pisariam num clube com nome de café).


As patys da fadir também gostam de ir às aulas calçando confortáveis scarpins e sujando-os de terra, pois obviamente têm uma empregada pra lavá-los depois. O mundo dessas pessoinhas é um seriado norte-americano. Compram os melhores livros, gastam dinheiro comprando as melhores monografias, não estudam nada e no fim do curso saem se achando o último recurso antes do trânsito em julgado. Sonham ainda em serem advogadas de sucesso:

Cquote1.svg Ai, já pensou eu usando aquele terninho xiquérrimo que eu vi na Le lis Blanc? AAAAAAI, que tudoooooo!!! Cquote2.svg
Cocota da fadir sobre grande sonho de sua vida

Cquote1.svg Você viu a... a... sabe, aquela gorda horrorosa... a do cabelo bagacento... não, a da bijuteria cafona comprada em praça, amigaaa!! Tsc, enfim, esquece, ela não é relevante. Cquote2.svg
Patricinha da Fadir em conversa com outra patricinha da Fadir sobre integrante de seu grupo de trabalho e colega de sala há 4 anos]

Irônicos e Irônicas[editar]

O mais insuportável nos irônicos nem são seus discursos cheios de floreios, mas sim o modo como conseguem olhar para uma pessoa da cabeça aos pés com aquela cara escrota de "você-não-é-o-bastante". O que mais gostam de fazer é tirar uma com a cara dos filhinhos de papai e patys(só porque são classe média demais pra conseguir comprar uma bolsa da Victor Hugo ou um terno na Brooksfield). Os irônicos decoram um parágrafo por livro pra dizerem que têm uma gigantesca carga de conhecimentos jurídicos e suas monografias são as mais extensas e menos academicamente úteis de toda a UFU.

Há, entretanto, uma possibilidade muito remota(e fatal) de se ver uma paty irônica. Esse ser raro não sabe se decora o livro ou se passa maquiagem, o que no final das contas acaba por deixar tudo cagado.

Cquote1.svg Hmpf... ela acha que está em Gossip Girl e que ela é a Serena van der Woodsen Cquote2.svg
Mocinha de língua afiada sobre cocota da Fadir

Cquote1.svg Mas que jumenta! Cquote2.svg
Comentário de um irônico sobre qualquer pergunta feita em sala por pessoa que não seja ele

ESAJUP[editar]

Li.jpg

ESAJUP, anagrama para Escritório de autoflagelação jurídica utópico de psicopatia, o covil do ócio na UFU, o bastião do desinteresse profissional, com vistas ao combate do sucateamento dos cursos de direito nesse Brasilzão, a alta cúpula Fadiriana, chefiada pelo Ilmo. Prof. Dir. Sofredor. Yoda do Dir. Penal. Helvecinho Damis, conjuntamente com a leoa tropical defensora do pluriamor (poliamor tanto faz absolutamente ninguém leva essa porra a sério mesmo) intergalático, primeira defensora do relacionamento entre Siths e Hutts Dra. Oxigenada. Descolorida. Capilar. Neivinha Fláuvia, viabilizou e se encarregou de PLANTAR A SEMENTINHA DO DESINTERESSE ADVOCATICIO nos futuros advogados do umbral da Jacy de Assis.

D.A.[editar]

Por algum motivo ainda desconhecido, a Fadir produz, ano após ano, um número mínimo de alunos que desejam - e são extremamente frustrados nisso - estar fora de qualquer um dos grupos já citados: os integrantes do D.A. Ninguém sabe qual a serventia deles(acho que nem mesmo eles sabem), o que eles querem ou de onde vêm. Sabe-se que são coniventes com ideias de GREVE, PASSEATAS CONTRA TERCEIRIZAÇÃO DO RU, MORADIA GRÁTIS, APRESENTAÇÕES DE CAPOEIRA ANGOLA E PROIBIÇÃO À INSTALAÇÃO DE MÁQUINAS DE REFRIGERANTE(!), o que é um profundo sacrilégio para um bacharelando de direita. Por isso mesmo, é aconselhável que ninguém se aproxime de qualquer um deles, a não ser que seja para humilhá-los da forma que só um bom aluno da Fadir sabe humilhar.

Os integrantes do DA são considerdos as ovelhas negras da Faculdade de Direita Professor Jacy de Assis por serem nada mais do que burguesinhos enrustidos (porque sim, eles também dirigem carros comprados pelo papai).

  • Notas oficiais da principal (e amada) fonte de informação dos alunos de direito, a Revista Veja, provam que integrantes do D.A. são agentes comunistas das Ciências Sociais infiltrados na Fadir para a tomada do bloco 3D.

Menos a chapa atual, a qual pintada de cores Azul e Amarelo, ninguém sabe sua referência, ganhando da chapa Cor de Rosa, Ruym Barbosa, tornou o diretório mais de direita.

Administração e corpo docente[editar]

Uma das melhores alunas dessa faculdade...

A UFU possui como coordenadora a queridíssima e ocupadíssima Prof. Terezinha, a qual nunca é encontrada na Coordenação, mas desbancou o reinado, ou quase isso, do professor do PSOL José de Magalhães, que já fez 9870 (nove mil oitocentos e setenta) provas da Ordem, OAB, não tendo êxito em nenhum, e mente a todos os alunos do primeiro período que não tem OAB por opção. Concordamos Magalhães, por opção da FGV!


Cquote1.svg Eu sou a cri cri da Metodologia Jurídica Cquote2.svg
Coordenadora da FADIR sobre cadeira de muitíssima relevância que ocupa na faculdade

Cquote1.svg Aqui tem o Tobby, não manda em nada, nem em ninguém, é um chato, mas só eu poço falar isso dele. Cquote2.svg
Coordenadora da FADIR, pelo facebook, sobre o fato de infelizmente não ser a cri cri do Português,

Cquote1.svg Andam dizendo por aí que sou a Margaret Tatcher da FADIR HA HA HA HA Cquote2.svg
Coordenadora da FADIR, também pelo facebook(inclusão digital, pra quê???) sobre fofoca inventada por ela mesma sem qualquer embasamento fático

O atual diretor é o amado Prof. Helvécio, que dizem as bocas pequenas manter um relacionamento de ares duvidosos com o Prof. Pazini (ao que parece, o diretor curte um tipo mais rústico, né?). Nem tão rústico porque ele costuma ficar "de malzinho" das turmas ao ser questionado sobre sua orientação sexual e sua rixa pessoal com o Edivaldo por uma possível traição com com nosso querido diretor Helvécio. De qualquer forma, a amizade deles é encantadora (ou já foi).

O seu antecessor é o Ilmo. Prof. Aguinaldo Allemar, que fala 37 línguas, 589 dialetos e que junto ao ex-coordenador conhece mais de 1000 formas de irritar outro querido professor da Fadir, o atual docente/pastor/defensor de árvore/comedor de bolo/protestante-que-se-prende-a-mesas-e-pilastras-da-Justiça-Federal-com-correntes-de-plástico-fuleiras Márcio Alexandre da Silva Pinto, que é uma figura ímpar e que por acaso foi suspenso de suas atividades seculares em sala de aula porque seus queridos alunos do 4° ano não o suportavam mais (na verdade, ninguém consegue sequer levá-lo a sério).

O grande sonho dele é catequizar todos os bacharelandos, tocando-os com o cetro divino de Deus. Outro sonho, talvez mais distante que esse último, é fazer com que os alunos vistam-se formalmente para ir às aulas(como se Uberlândia fosse muito fria, a UFU fosse limpa e a Fadir tivesse aparelhos de ar condicionado... funcionando). Também gosta de cantar parabéns pra Fadir, sempre com um indispensável bolo objeto de discórdia e fazer protestos na Justiça Federal e na Sala dos Professores da Fadir se prendendo ao mobiliário com poderosas e impressionantes correntes de plástico. Amigo íntimo do reitor.

Uma de suas VÁRIAS pérolas é a crença firme de que as mulheres menstruam por um castigo divino (inclusive comparando-as com antas) e que o CPF é a confirmação bíblica de que um dia os homens seriam numerados, sugerindo que o cadastro numérico é coisa do demônio. Por algum motivo desconhecido as pessoas têm medo dele.

Brilha como uma testa superfície reluzente o grande “chefão de fase” do 8º período, implantado na cátedra de Direito Processual Civil IV, o doutor/reprovador oficial (da reserva) Cristiano de Brito, cuja grande aspiração na vida é lotar uma sala na proporção de um aluno repetente para cada fio de cabelo de seu discreto querido implante capilar. A sua expressão de prazer sádico durante a aplicação das provas é famosa no curso. A expressão de gozo ao determinar como devem ser dispostas as cadeiras pela sala, de modo a impedir que qualquer pessoa possa passar entre as fileiras, é quase sexual. E é muito difícil não imaginá-lo com o uniforme da Waffen SS e um chicote de equitação debaixo do braço durante tal evento: é a hora de passar em revista o mal ajambrado conhecimento processual das tropas! Além disso, Cristiano tem o esmero de formatar suas provas repletas de questões de concursos para magistratura com uma letra menor do que a de qualquer bula de remédio. Tais avaliações são elaboradas caprichosamente no intuito de não abordar de forma alguma qualquer conteúdo lido durante as aulas ou que tenha sido alvo de algum comentário sarcástico após a leitura. Outra característica estranha deste calvo sábio docente é a tara incontrolável pelos quatro horários seguidos. Ele defende com convicção a ideia de que escutar um colega lendo artigos do Código de Processo Civil por quatro horários seguidos é a forma mais eficiente de aquisição de saber jurídico.

Fora a óbvia peculiaridade dos integrantes de sua administração, a FADIR conta com um elenco invejável de docentes dispostos a faltarem às aulas sem prévio aviso, exigirem provas de quatro páginas, fazerem chamada do começo e no final das aulas, lecionarem baseados em leis já revogadas e terem ótimo senso de moda(vide "a bomba roxa" do segundo ano).

Sorte teve o Rodovalho, que aposentou.

Ver também[editar]