Falcão (músico)

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
BandeiradoCeará.jpg EITA PAU!

Pense num artigo mó limpeza, que vêi de jegue diretin do Ceará, bixin. Se tu frescá cum ele, maxo véi, o Beco da poeira tôdin vai arrombá o teu boga, seu fí de quenga!

Imagem.asp.jpg
Rossi.jpg Este artigo trata de coisas muito bregas, bicho!

Se você acha que a moda é coisa só pra gente chique, esqueça isso aqui e tome seu rumo, mas se você é um mal-amado fã de Wando, pegue a cadeira porque o bingo já começou.

Falcao.jpg


A90.jpg

Este artigo discute coisas intrínsecas aos Anos 90's!
Se você não teve infância naquela época, com certeza você está no Facebook ou no Whatsapp neste instante.


Cquote1.png Pegador por pegador, eu quero tá próximo ao Falcão, sempre sobra um resto que há de respingar em mim. Cquote2.png
Chico Buarque sobre Falcão
Cquote1.png É porque eu sou feio que eu sou lindo. Imagine se eu não fosse!!! Cquote2.png
Falcão sobre Chico Buarque
Cquote1.png Lends Picantis In Anus Autrem Q'Sucus Est. Cquote2.png
Chico Buarque sobre Falcão
Cquote1.png Você traiu o movimento brega, véio! Cquote2.png
Dado Dolabella sobre Falcão
Cquote1.png O movimento está parado! Cquote2.png
Falcão respondendo a Dado Dolabella
Cquote1.png Isto ecziste! Cquote2.png
Padre Quevedo sobre Falcão
Cquote1.png Meu filho querido! Pena ser um merda! Cquote2.png
Bia Falcão sobre Falcão
Cquote1.png Quando Deus te desenhou, ele tava se cagando. Cquote2.png
Armandinho sobre Falcão
Cquote1.png Quem é o cantô ? Cquote2.png
Tiririca sobre o comentário acima.
Cquote1.png Hey! Chica! Deixe o Gato em Paz!!!/Não vamos traumatizar o coitado do animal/Eu só joguei o pau no bicho para ouvir o miau. Cquote2.png
Falcão em sua maravilhosa composiçao de Amolda o Bicho na Parede.
Cquote1.png Multa esse féladaputa! Multa! Cquote2.png
Sargento sobre Falcão
Cquote1.png Sapateia Mulher Feia Cquote2.png
Falcão sobre Mulher Feia
Cquote1.png Não é verdade / Que mulher feia só sirva pra peidar em festa / Conforme poderia acreditar Hebe Camargo Cquote2.png
Falcão sobre Mulher Feia e, Hebe Camargo! (do poema As bonitas que me perdoem, mas a feiúra é de lascar, escrito em 1994)
Cquote1.png Por isso baby / me comparando com Francisco Cuoco / Um horror de gente diz que a cara d’um / É o cu do outro. Cquote2.png
Falcão, continuando, sobre Falcão, cu e Francisco Cuoco (idem)
Cquote1.png Desse jeito, não vou ser feliz direito e nem vou viver satisfeito. Vai ser lindo assim, gostoso assim, na minha cama. Amigo, faça uma caridade a mim, por favor me coma. Cquote2.png
Você sobre Falcão
Cquote1.png Caso eu seja eleito, minha primeira medida será renunciar!. Cquote2.png
Falcão sobre sua candidatura à Presidência

Falcão, imortal da Academia Brasileira de Letras, trajando o fardão oficial.

Marcondes Falcon Maia é um poeta poeteiro "deixe de ser modernista" cearense.

Biografia[editar]

Nascido no dia 15 de novembro de 1889, dia da Proclamação da República (mas gerado "no dia em que o Brasil perdeu a guerra"). Coincidentemente(?) caiu naquele dia o Império do Brasil e a viadagem, típica da aristocracia emplumada, de se fazer passar por estrangeiro. Com isso (a enfiada da República no toba do Império) e com ele (o Mestre), o Brasil e os brasileiros passam a se voltar, de cócoras (e, às vezes, de quatro), à valorização de sua identidade (falsificada, mas por uma pechincha...). Daí vem (e "de cum força") a plataforma política da valorização do corno nacional, que visa substituir o modelo de "corno Manuel" inventado pelo avô do imperador que acabara de levar um pé no "chico". Surge assim um corno com identidade própria. E é esse ato que o faz surgir no cenário da nação como figura pungente e identificada com o mais brasileiro dos sentimentos, nossa contribuição máxima à história dos afetos, a dor de cotovelo, a comprovar que as raízes dos chifres estão bem ali.

Resignação e Partida[editar]

"Corno tem em todo lugar do mundo, mas aqui nos somos diferentes" Proferiu em praça publica, no dia 12 de junho de 1907, durante uma festa junina em Fortaleza, quando teria levado sua primeira galhada sobre a sua pesada e chata cabeça. E toma a decisão por rompante de viajar para o sul do país para divulgar suas ideias. Como na época o pau de arara ainda não existia resolveu ir de jumento.

Chegando a São Paulo somente em 1922, durante a semana modernista. Falcão é comprovadamente o primeiro nordestino migrante a chegar ao sul do país vivo com tanto sol na moleira. Diante de tal feito foi-lhe dado um lugar de destaque para a palavra ante vários nomes consagrados. E de onde tirou todo o proveito de seu verbo declamando o seu poema mais antológico:

Todo Castigo Pra Corno É Pouco![editar]

Quando eu saí do sanatório,
Era pleno mês de agosto.
E pra aumentar o meu desgosto,
Ela com outro me traiu.
Resolvi, fui ao cinema.
Quando entrei no mictório,
Um negão olhou pra mim e disse:
- Good night, my life!
Não sei o que vou fazer...

Sentei na mesa de um bar,
Comecei a meditar, procurando a solução.
Pro futuro da Nação e o Imposto Predial.
Rebolei as suas cartas no aparelho sanitário,
Gastei todo numerário com perfume e soda cáustica.

Resolvi sair de casa,
Comprei um chapéu de couro,
Joguei no bicho, deu touro.
Não sei o que vou fazer...

Rivalidade[editar]

O nascimento do Falcão

Enciumando com a grande apresentação de (Marcondes Falcão Maia [pseudônimo mais famoso de Falcão]), Manuel Bandeira tenta imitá-lo e seguir seus passos, pois este era uma barreira em seu caminho desde então. Manuel Bandeira também postulava a virtude de ser o primeiro nordestino a desbravar as terras selvagens dos bandeirantes e de primeiro poeta da nação. Isso é visível no seu "Poema só para Jaime Ovalle". Pois era um ato experimental e não queria que Falcão soubesse do fato antecipadamente, Jaime Ovalle, era e devia ser o único, a saber (pois Jaime Ovalle era um Sr. casado e muito respeitado na sociedade paulistana, e parente de Chiquinho Scarpa). Falcão não deveria nem suspeitar disso. O poema era algo similar a canção Maurício da Legião Urbana, composta por Renato Russo anos depois. Imitando claramente a forma vanguardista de Falcão em seu poema primordial. Manuel Bandeira escreve:

Poema só para Jaime Ovalle[editar]

Quando hoje acordei, ainda fazia escuro.
(Embora a manhã já estivesse avançada).
Chovia.
Chovia uma triste chuva de resignação
Como contraste e consolo ao calor tempestuoso da
Noite.
Então me levantei,
Bebi o café que eu mesmo preparei.
Depois me deitei novamente, acendi um cigarro e
fiquei pensando...
- Humildemente pensando na vida e nas mulheres que amei.

Ao qual Falcão responde com toda sua arte e habilidade, no poema seguinte:

Holiday foi muito (Homem é Homem)[editar]

O homem nasce sem maldade em parte nenhuma do corpo
O homem é lobo do homem
Isso explica a viadagem congênita e a baitolagem adquirida!!!

Sendo assim quem nunca queimou o anel quando menino,
queimá-lo-á quando crescido!!
e isso explica novamente a história da viadagem adquirida!!!

porque homem é homem,
menino é menino,
macaco é macaco e
viado é viado
homem é homem,
menino é menino,
politico é politico
e baitola é baitola

O individuo nasce, cresce
e adentra ao mundo social e político,
filosófico e artístico
Fica danado, letrado, inteligente e sabido
conhece tudo, explica tudo
e discute com bastante elegância
os rumos da catilogência
fica suave, delicado e aberto
a novas experiências.

Nada de novo no front despompabilizado leso
a saída é a retaguarda
e isso explica a evolução da perobagem adquirida
fica difícil um estudo,
uma tese, uma análise
à luz da ciência
o homem inteligente dá ou dá por queé inteligente.

Musicado por Chico Buarque, Fã e discípulo de Falcão


Intrigado e já totalmente paranóico Manuel Bandeira, ainda consegue balbuciar pelo telefone a Oswald de Andrade seu marido na época as palavras ultimas e que seriam transformadas em poemas anos depois, pouco pela insuficiência e débil genialidade do seu cônjuge, mas que tinha grande influencia na alta sociedade paulista. É aceito anos depois como a síntese da poesia moderna. Síndrome de uma mente alucinada.

A onda[editar]

a onda anda
aonde anda
a onda?
a onda ainda
ainda onda
ainda anda
aonde?
aonde?
a onda a onda

Vida pública[editar]

É por essas e outras que Falcão, já mundialmente conhecido, foi nomeado Sinistro da Cultura pelo presidente Getúlio Vargas, em 1952, saindo do ministério somente com o golpe de 1964 (que não tem nada a ver com nada).

Quando saiu do governo, temendo ser perseguido pela Ditadura (no bom sentido, claro), foi se esconder em Porto Alegre, mais precisamente nas categorias de base do SC Internacional, onde se destacou entre os profissionais, sendo tricampeão brasileiro (1975/76/79)ao lado de lendas futebolísticas como Manga (fruta nativa do sul e sudeste asiático), Batista (árduo praticante da fé) e Lula ( ponta-esquerda integrante do filo mollusca; posteriormente Presidente da Répública). Ainda teve gás para jogar no time do Roma, ao lado do goleiro Júlio César, do lateral argaytino Caniggia, e do atacante alemão Schumacher. Retornando ao Brasil, passou a dividir a vida entre ser comentarista esportivo da TV Globo, e a carreira de cantor, pois é vocalista do Rappa. Atualmente é casado (ou é só amancebado?) com a Débora Secco.

Em um de seus shows, Falcão foi perguntado se ele já havia peidado em algum show; ao que ele prontamente respondeu que ainda não, mas que se quisesse, poderia ir peidar na casa do perguntador.

Frases e pensamentos[editar]

  • Para mim, uma coisa é um padre, um menino e um jegue, e outra coisa é um pneu de caminhão. (A + B, 2000)
  • Pra quem tá indo, quem vem vindo na verdade é quem tá indo. (A + B, 2000)
  • A galinha e a mulher são dois bichos interessantes, a galinha come milho e a mulher come feijão.
  • Já esté provado por A + B que A + B não prova nada. (A + B, 2000)
  • O dinheiro não é tudo, mas é 100%.
  • Eu sei que a burguesia fede, mas tem dinheiro pra comprar perfume. (Um bodegueiro na FIEC, 1992)
  • Eu acho melhor escapar fedendo que morrer cheiroso. (O desgosto que tua mãe me deu, 1994)
  • Não faça como fez sua mãe na lua-de-mel: me deixou falando sozinho feito a Voz do Brasil. (A mulher é um gênero humano, 1997)
  • A mulher ideal é aquela que não tem pau... (Mais antes mamãe não tivesse me(n)tido, 1995)
  • Sou tão seu amigo que tendo dois cus eu dava um pra você. (A sacanagem é roxa, 1997)
  • É melhor falar besteira do que ser mudo. (A besteira é a base da sabedoria, 1995)
  • É melhor cair em contradição do que do oitavo andar. (A mulher é um gênero humano, 1997)
  • Pilatos [...] fez o que fez, e depois ainda entrou na oração. (A mulher é um gênero humano, 1997)
  • Tomara que dê sucessivas câimbras no ânus de quem piratear esse trabalho, em todo ou em parte.
  • É melhor comer doce de leite com os amigos do que merda sozinho. (A esperança é a única que morre, 1999)
  • A Terra há de comer, já que eu não comi.
  • Mulher gostosa que aparece na TV de bunda de fora só sabe abrir a boca pra fazer chupeta.
  • Chifre é como assombração, geralmente aparece pra quem tem medo. (A esperança é a única que morre, 1999)
  • Não existe nada como um dia atrás do outro com uma noite no meio. (Mulher mala, 1997)
  • Comprovado: amanhã será um outro dia.
  • Devemos comer todo e qualquer tipo de enlatados para poder peidar, cagar e arrotar ao deus dará.
  • E tudo se encaminha para um fim de semana com apenas dois dias. (Horóscopo, 2005)
  • Qualquer um pode ser vencedor, desde que não haja nenhum concorrente. (Amanhã será tomorrow, 2005)
  • A mão que joga a pedra é a mesma que apedreja, talvez escreva um dia o Paulo Coelho! (Lends picantis in anus autrem Q'Sucus est, 1995)
  • Enquanto você permanecer calado em relação a mim, eu permanecerei surdo em relação a você, só para fazer o mal.
  • Se soubesse que ia ficar tão bonito ao crescer, eu já teria nascido grande.
  • Quem é cego dos dois olhos não carece de sobrancelhas.
  • É dever de todos ouvir a velha MPB até que uma nova seja preparada por mim.
  • Sou bastante flexível para mandar você à puta que pariu sem motivo nenhum.
  • Minha obra é 99% espetacular, a outra metade é sensacional.
  • Se digo uma mentira é porque penso que vocês são bestas o suficiente a ponto de acreditar.
  • Eu me admiro é o pessoal assimilar e achar legal a minha categoria em matéria de putaria. (Quanto mais principalmente, 1997)
  • Evite acidentes, faça de propósito.
  • Se não for verdade, pelo menos é uma excelente mentira.
  • Ande com cuidado, você pode matar uma formiga com 228 filhos para criar.
  • Quem não tem cão caça com espingarda.
  • A primeira amnésia a gente nunca esquece.
  • Há males que vem para o mal.
  • Em nível de ser humano, enquanto pessoa, eu sou muito gente.
  • Eu achava que era indeciso, agora não estou tão certo.
  • De onde menos se espera é de onde não sai porra nenhuma.
  • Era uma galinha tão galinha que aprendeu a nadar pra dar pros patos.
  • Entre todas as pessoas que conheço você é uma das poucas. (Desculpe ter-lhe visto, 2005)
  • O Brasil está em nossas mãos e não adianta lavar.
  • É melhor estar perto de quem você gosta do que pisar descalço num monte de bosta.
  • Eu sou por demais inesquecível.
  • Sem mim, isto não é só impossível como inútil!
  • Pobre da mãe que o filho faz da boca o cu.
  • É melhor fumar do que dar o boga. Porque fumando, você mancha apenas seu pulmão. E dando o boga, você mancha o nome da sua família todinha!
  • Amanhã será tomorrow!

[editar]

Ele sabia que todo mundo já sabia que o sabiá sabia assobiar. Com esse epitáfio final nasce o século XXI.

Ver também[editar]

Videos[editar]

Pensador trabalhando.jpg Falcão (músico) é um filósofo
Portanto também é um deficiente mental...

Este é mais um desocupado que não tinha porra nenhuma pra fazer além de contemplar a empolgante vida sexual dos caramujos-de-jardim. Se você é uma pessoa provida de um pouco de sanidade mental, vá procurar algo melhor para ler, como uma bula de remédio!