Fallout 4

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Virtualgame.jpg Fallout 4 é um jogo virtual (game).

Enquanto você lê, a Samus mata uns Space Pirates.


Cai fora 4
Fallout 4 Atari 2600.jpg

Capa da versão original para Atari 2600, onde não há bugs

Informações
Desenvolvedor Bethesda
Publicador Bethesda
Ano 2015
Gênero RPG
Plataformas MS-DOS, PlayStation 4, Xbox One
Avaliação Bugado demais
Idade para jogar +18 anos (tem putas)

Fallout 4 é o segundo jogo da série Fallout (Fallout 1 e Fallout 2 são lendas urbanas, e Fallout: New Vegas é um spin-off caça-níqueis) desenvolvido por uma empresa fabricante de jogos bugados, a famigerada Bethesda. Trata-se de um bug do tamanho do mapa de Skyrim com elementos de jogo de tiro em primeira pessoa com leves pitadas de RPG trazendo possibilidade de lesbianismo mas infelizmente sem cenas de sexo.

Embora não seja o quarto jogo da série, o jogo chama-se "Fallout 4" por motivos bem evidentes, que os produtores constantemente fazem questão de relembrar os seus jogadores. Alguns dos motivos do jogo se chamar assim seriam: Só há 4 possíveis respostas para qualquer diálogo: "sim", "sarcástico sim", "talvez (sim atrasado)", "não (sim)"; Há 4 facções no jogo; Há apenas 4 tipos de missões repetitivas; São 4 minutos de loading para iniciar o jogo; São 4 horas no elevador para subir ou descer um andar; O motor gráfico é de 4 anos atrás ao lançamento do jogo.

Enredo[editar]

Fallout 4 é o único jogo da série que mostra um vislumbre de como as coisas eram no ano de 2077, quando você se olha no espelho e descobre que é na verdade o Michael Jackson disfarçado de travesti, caso queira editar sua face. Você tem uma esposa ou marido e um filho com cara de joelho. Tudo parece tranquilo, até um espião da KGB aparecer e trazer informações secretas sobre uma guerra nuclear deflagrada entre Donald Trump e Kim Jong-un e que para você escapar da catástrofe eminente deveria se refugiar num abrigo chamado de Vault 111. Você então até consegue ver uma bomba explodindo quando vai se refugiar nesse Vault.

Depois de nos jogos anteriores o jogador explorar os famigerados Vault 24, Vault 69, e outros bunckers de má fama, em Fallout 4 a história começa no bizarro Vault 111, no qual seus residentes foram colocados em um prolongado sono criogênico. O protagonista acorda por volta do ano de 2017 no Brasil pós-Impeachement da Dilma e descobre que o mundo está tomado por uma situação apocalíptica e habitado apenas por seres asquerosos, como black blocs, maconheiros, neo-liberais, leprosos, anarcocapitalistas, comunistas, marombados de whey-protein, alguns conservadores crentes e uma odiada raça de seres bestializados que tem em youtubers retardados ídolos para uma vida. O protagonista, sem entender a que nível de balbúrdia o mundo se tornou, ainda é obrigado a testemunhar sua esposa (ou marido) ser assassinada(o) e seu filho levado embora por uma gangue de pedófilos da facção dos anarcocapitalistas que são a favor de assassinar fetos. O protagonista agora deve sobreviver nesse mundo caótico de um futuro distópico apocalíptico no qual as pessoas estão imbecilizadas e o mundo mergulhado em caos e desordem no qual as drogas são liberadas e pessoas fazem vídeos criando alimentos gigantes (devido à radioatividade) e ganham milhões de curtidas e fama por causa disso. Logo no começo de sua jornada, o protagonista liga pro Bom dia e Companhia, participa de um jogo cagado com o Yudi e a prostituta da Priscila, ganhando assim seu famoso relógio do BEN 10 pip-boy, e agora tem a nobre missão de corrigir as pessoas desse mundo decadente, como um bom nazista fascista que é (sendo negro ou não) deve exterminar toda a sociedade de Commonwealth numa cruzada de 120 horas de gameplay de puro genocídio.

A possibilidade de editar a face do protagonista agradou os fãs.

Assim, ao sair do Vault 111, o jogador agora tem a liberdade de explorar um enorme mapa de Maceió do ano de 2016, com também a possibilidade de explorar outros locais de má fama como Aracaju e Salvador onde se deparará com drogados, funkeiros, axezeiros, forrozeiros e toda a sorte de gente de má índole possível, numa Wasteland tão cheia de pessoas que nos perguntamos se Kim Jong não deixou o seu trabalho pela metade.

É um jogo do estilo da Bethesda, no qual os NPCs, tão acostumadas com os altos índices de criminalidade e os programas do Datena, não se importam com cadáveres espalhados na cidade, e não parecem se incomodar quando uma névoa radioativa desce atingindo a todos.

Como o filho do protagonista é feio e inútil, o jogador sempre vai optar por outras missões, deixando essa criança abandonada como se ela fosse a side-quest sem importância do game.

Facções[editar]

  • The Institute - De acordo com o povo da Commonwealth eles são os responsáveis por todos os sequestros, assassinatos, guerra, mau tempo, urticária, artrite da Mamma Murphy, depressão, acidez do estômago, manchas pele da região, pois são os membros racistas, machistas, nazistas, fascistas, golpistas, marxistas, comunistas esquerdistas taxistas do que costumava ser uma universidade federal e que querem uma raça uniforme de seres perfeitos. O Instituto não se preocupa com o mundo da superfície, sendo composto por seres Sintéticos e seus criadores. Os Sintéticos são humanos que exageraram tanto na plástica que ficam parecendo uns robôs inexpressivos e odeiam o bullying que a sociedade faz sobre eles devido às suas caras feias, enquanto seus cirurgiões plásticos são os líderes da facção. A base do Instituto é povoada por 30 e 10 humanos sintéticos (Andressa Urach, Michael Jackson, Geisy Arruda e demais seres que se entopem de plástica), e todos na merda da Commonwealth morrem de medo desses 4 gatos que vivem em quatro quartos.
  • The Brotherhood of Steel - Os caras donos daquela armadura atômica fantástica cujo principal esporte é exterminar gangues de marombeiros cujo excesso de whey-protein radioativo os deformou de modo irreversível, inclusive encolhendo seus cérebros e pênis. Nos outros jogos, normalmente são meros sucateiros, mas em Fallout 4 são 4 vezes mais idiotas, e tornaram-se uma comunidade de gays enrustidos que só sabem ficar babando atrás de Maxson. Estão constantemente em busca de artefatos tecnológicos em fazendas de espigas de milho na Commonwealth. São os neo-liberais do jogo e lutam por um mundo onde as pessoas sejam livres para cometer a parafilia sexual que bem entender.
  • The Railroad - Um grupo de mendigos miseráveis que vivem trancados nos esgotos de Commonwealth por serem perseguidos pelos líderes do Instituto. Seus membros são quase todos seres humanos que pensam que é melhor ajudar os Sintéticos em vez de pessoas comuns, sendo eles a versão de futuro distópico dos extremistas dos direitos dos animais. Com a chegada do protagonista, caso decide unir-se à facção, isso fará com que eles se tornem ainda mais e mais fanáticos, do modesto objetivo de salvaguardar os seres sintéticas até a megalomania sobre ir destruir o Instituto e o Brotherhood (mas mesmo assim, sempre continuar vivendo em um esgoto). A taxa excepcional de tédio de suas missões secundárias é a competição discreta contra a facção dos Minutemen.
  • The Minutemen - O grupo de burgueses de classe média que tem fetiche por fazer cosplay tosco de pirata. São considerados racistas, machistas, fascistas, golpistas, nazistas e taxistas pelos outros grupos, pois repudia marombeiros, axezeiros, funkeiros, anarcocapitalistas, e os consideram todos uma grande ameaça para a sociedade. São, porém, poucos, deprimidos e mal armados, tomados por uma depressão visto que seu líder é Preston Garvey, e Mamma Marphy um oráculo.

Jogabilidade[editar]

O VATS foi modernizado para o jogo.

Fallout 4, seguindo a tendência de seus jogos anteriores, nos traz a característica mistura entre RPG com FPS da série Fallout. A parte do RPG é aquela mesma estrutura de perks, level up, HP, status e coisas que pessoas normais que tem mais o que fazer da vida não vão perder tempo horas lendo e se preocupando. O jogo agradou a fanbase da Bethesda porque foi um dos jogos mais bugados da empresa, não havendo a possibilidade de se jogar mais do que 20 minutos esse jogo sem que alguma bizarrice aconteça. Outra novidade que agradou muito os fãs foram os loadings infinitos que forçam o jogador resetar sua máquina, e que acontecem toda hora, além de uma agradável sensação de nostalgia quando o arquivo de save do jogo corrompe, lembrando a todos a época áurea do Skyrim.

Em termos de jogabilidade prática, além de muito tiroteio, o jogador deve beber, fumar e injetar drogas o tempo todo, pois como o jogo se passa num futuro distópico neo-liberal, tudo isso é permitido e é a melhor maneira de ganhar uma batalha. Além de ser usuário, o jogador também pode ser traficante, produzindo Jet (uma das tantas drogas sintéticas do jogo) para vendê-la em toda Commonwealth e facilmente conseguir seu dinheiro. Outros aspectos do gameplay incluem beber cerveja para ficar mais forte e praticar canibalismo para curar todas as suas doenças e te manter saudável.

O que faz você especial?

Para tornar o jogo mais interessante ainda foram adicionados muitos diálogos desnecessários, são quatro respostas que querem sempre dizer a mesma coisa e sempre terão o mesmo efeito sobre os personagens. A justificativa é que devido à radioatividade os personagens não compreendem sarcasmo ou negação, então sempre que alguém te pede alguma coisa, a única alternativa é dizer "sim" mesmo que diga um "não".

O Karma, presente nos outros jogos e que determinava se você era bonzinho ou malvado, não existe mais. Então se você sair por aí matando as pessoas aleatoriamente, não haverá carrascos para caçá-lo. E se você está esperando reviravoltas como o "Foda-se pai" de Fallout 3 ou a possibilidade de tornar-se uma atriz pornô como em Fallout 2, esqueça, sem karma a jogabilidade de Fallout 4 é mais linear, e assim salvar crianças Ghoul trancadas em refrigeradores e, em seguida, vendê-las como escravo não vai influenciar em nada.

Como nos demais jogos da série, em Fallout 4 é também possível ter um amigo retardado te perseguindo. Dependendo de sua orientação, você pode tê-los como escravos sexuais, ou você se ro escravo sexual deles. Estes amigos continuam os mesmos retardados de sempre, devido à radioatividade eles perderam todos seus neurônios e não compreendem mais nada, por isso ficam em pé feito imbecis travando passagens no menor dos problemas, e te matando com tiros de bazuca a queima roupa na pior das hipóteses. É possível ter com eles relacionamentos bem genéricos, embora muitas vezes o assunto descambe para o BDSM, afinal você tem vontade de espancar cada um dos personagens recrutáveis, infelizmente não há cenas de sexo.

O jogo ainda traz um spin-off dentro de si, algo como um Fallout: The Sims, no qual dá pra construir casinhas, comprar mobília, ficar olhando a tediosa vida alheia. Os produtores da Bethesda realmente acharam que isso chamaria alguma atenção, mas só gurias retardadas se importam em construir casinhas, e no caos nem elas, porque as únicas casas disponíveis são feitas de sucata horrorosa.

Personagens[editar]

O ângulo constante do protagonista.
  • Sole Survivor - Protagonista do jogo. Um ex-fuzileiro do ano de 2077 que foi capturado por um experimento secreto da KGB, colocado numa cápsula do tempo e enviado para o Brasil de 2017, um ambiente hostil, caótico, desolado, abandonado e habitado por um povo burro e retardado com ideias nada aceitáveis por alguém civilizado. Por ser um habitante do futuro e por trazer ideais nazistas de genocídio total de certas raças de animais e humanos considerados inferiores, logo, em menos de uma semana, o protagonista torna-se superfamoso, e todos passam a admirá-lo de modo que todos desejam torná-lo líder seja dos Minutemen, da Brotherhood of Steel, da Railroad, e até mesmo do Institute.
  • Dogmeat – O pastor alemão inevitável que te segue pelo jogo, um parente de quarto grau dos bastardos mortos das aventuras dos jogos anteriores. Embora ele tenha herdado a mesma mania suicida de seus parentes distantes, com este não é preciso se preocupar porque ele é imortal. Ao contrário de todos os outros companheiros, Dogmeat não fica comendo nem dormindo, e o mais importante, não te julga se você roubar ou matar pessoas.
  • Codsworth – Nosso robô mordomo, um Terminator com uma cabeça de bola, o único sobrevivente da destruição de nossa casa e que passou 200 anos cuidando de nosso jardim durante a nossa ausência. Apesar dos 200 anos na guerra brutal isso não o ensinou as mínimas coisas sobre como está o mundo, e vai queixar-se de qualquer trabalho honesto que você aceitar.
Preston Garvey, um dos grandes pau-no-cu do jogo.
  • Preston Garvey - O Último dos Moicanos Minutemen, pass ao dia sentado à frente de 20 sobreviventes que com suas habilidades políticas excepcionais e táticas de guerra acabam reduzidos a 5 em poucos dias. Ele não perde por esperar para nomear alguém mais capacitado para ser o líder de sua turma de inúteis, e assim que você aparecer, já será considerado altamente qualificado para se tornar líder dos Minutemen.
  • Piper Wright - Uma jornalista da Veja que acredita em alienígenas, Papai Noel e vampiros lobisomens emos vegetarianos. Por ser fã da Joice Hasselman, gosta de culpar o comunismo por todos os males do mundo e por isso só faz matérias contra o Instituto, a grande facção comunista socialista do jogo. Exploradora de trabalho infantil, abusando da própria irmã, Nat Wright, que trabalha em regime de escravidão trancafiada na sede do jornal, mesmo quando Piper sai pela Commonwealth para ser sodomizada pelo Sole Survivor e pela Cait, deixando todo o trabalho de jornalismo para a pobre irmã. Embora afirme que escreva artigos para o seu jornal, Piper só escreve dois durante todo o jogo, um antes da nossa chegada, e mais um depois. E é isso.
  • Cait - Uma drogada junkie crackuda alcoólatra que é claramente sapatão porque se comporta mais como macho do que todos outros ajudantes homens do jogo. É a companhia certa para os jogadores que querem agir feito perfeitos anarcocapitalistas praticantes de BDSM. Ele também tem a voz da Ashley Williams de Mass Effect, pior do que isso não pode ficar.
  • Nick Vakentine - Homem que exagerou na plástica e agora tem um rosto todo deformado, é o mais hábil investigador particular do mundo, e suas deduções desnatado de clarividência e seu olhar sedutor e hipnótico colocam todos sempre à vontade. É também psicanalista em seu tempo livre embora ele mesmo sofra de esquizofrenia e crises de tripla personalidade.
  • Robert MacCready - O ex-prefeito de Little Lamplight, a cidade perdida sonho dos pedófilos vista em Fallout 3, depois de uma infância difícil batendo em meninas e sodomizando pedófilos, tornou-se quando adulto um mercenário perdedor repleto de problemas emocionais e infortúnios familiares. Assim como tantos outros, é encontrado sentado em Commonwealth tentando ganhar dinheiro honestamente, fingindo cuidar da sua filha distante, mas nunca ir para casa da garota sequer para cumprimentá-la ou dar umazinha na sua esposa. De todos os companheiros selecionáveis este é o mais simpático e passivo.
  • John Hancock - Leproso, é o prefeito de um subúrbio decadente que recebe turistas de braços abertos, mas apunhala os concidadãos detestáveis, e todo mundo ama. Possui fetiches por roupas antigas com as quais inicia longas conversas que culminam com ataques de esquizofrenia e crise de identidade. Ele tem bons princípios morais: Gosta de se drogar e assassinar pessoas, mas não aprova furtos e roubos.
  • X6-88 - Dada a simpatia imediata e afinidade que ele desperta, o autor que escreveu este artigo preferiu dar um tiro na cabeça dele, em vez de tê-lo como companheiro.
  • Deacon - Um mendigo que conseguiu raspar o cabelo, colocou um óculos escuro e agora está convencido de que ele é legal porque fundou a facção Railroad, a versão PETA que defende seres que fizeram plástica demais (os Sintéticos). É um guerreiro letal com sua metralhadora, muito útil em todas as situações desnecessárias do jogo. Não está claro se ele é sintético ou realmente humano, mas seu sangue é vermelho.
  • Strong - O único Super Mutant do jogo que não vai tentar matá-lo. É um dos personagens mais úteis, pois não atrapalham as suas missões com seus caprichos morais, Strong só quer esmagar e comer qualquer coisa que se move. Ele pode transportar mais peso do que um boi e isso o torna o seguidor perfeito.
  • Danse - Heróico paladino de aço que se acha legal só porque veste armadura atômica, embora tenha o carisma de um baiacu e seja estúpido como uma cabra. Será ele que nos dará uma recomendação para entrar na Irmandade de Aço, e dependendo das escolhas do Sole Survivor, esta será uma das causas da destruição da facção.
  • Curie - Fangirl de CSI obcecada em colecionar objetos inúteis especialmente aqueles encontrados em cadáveres. Encontramos-na como uma linda mulher que parece sapatão, mas logo ela se revela ser na verdade um robô.
v d e h
HD Fallout Logo .png