Fim em si mesmo

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa

Fim em si mesmo é uma expressão popular que serve para definir qualquer coisa que esteja agindo sobre si mesma. Isso passa até mesmo pela Primeira Lei de Newton, se você se lembrar dela poderá começar a entender oque significa essa porra de fim em si mesmo... Porra... Pode-se mesmo pegar porra como exemplo: Se a porra não atingir um óvulo, mas foi produzida, a porra se torna um fim em si mesmo.

Como surgiu[editar]

Ser que conhece o mecanismo sem qualquer explicação.

Sempre que um ser humano dos mais primitivos encontrava outra, alguma ação deveria ocorrer, mas quando raramente ela não ocorria, o encontro deles passava a ser um fim em si mesmo. Agora imagine uma cena com vários homens primitivos, uns trocando ideia com grunhidos(lembre-se que grunhido só é grunhido pra quem não sabe o que significam, pra qualquer outro bicho nossa linguagem são grunhidos), outros homens das cavernas dando porretada um no outro amorosamente, outros brigando por uma gostosa, outros negociando uma gostosa... Imaginou? Então, agora pense que dois deles se viram e ficaram com os olhos paradões se olhando por um tempo, ninguém avançou pra porrada, nenhum deles deu grunhido, nenhum desses dois começou a pular, nem fugiu, nem ofereceu a bunda(isso sempre existiu, até mesmo naqueles tempos, fazer o que), nem perguntou de mulé... Nada disso, apenas e tão somente ficaram paradões a se olhar mutuamente...

...eles estão piroquinha das ideias? Não, nada disso, essas coisas podem ocorrer, às vezes o maquinário trava e fica sem ação, apenas aquelas caras de cuzões(por mais foda que sejam a cara de cuzão é inevitável quando fica parada), alguns dizem que ficar parado é uma ação, mas num cero momento ela deixa de ser ação. É claro, eu paro, tu paras, ele para e aquela asneira toda sobre verbos, mas ainda se conjuga eu fico parado, mas perceba que a manobra pra se conjugar isso foi grande, Após um tempo, ninguém mais para, eles estão parados, mas isso não é uma ação, ainda que qualquer verbo seja ação, mas isso nada mais é do que uma imensa treta de linguagem.

Eles está sem fazer nada, portanto são no momento em que pararam como estátuas daquelas feiosas que a gente vive vendo por aí, embora estejam vivinhos. Os segundos passam e viram minutos, lá estão os caras de macaco parados, uma hora eles sairão dali, mas enquanto eles não saírem, já que passou algum tempo, eles são um fim em si mesmo.

Conclusão da asneira[editar]

O olhar de fim em si mesmo... É... Mais ou menos isso.

Esse homens primitivos que ficaram parados se olhando, ainda poderiam após um tempo fazer um sinalzinho de tudo bem, algo assim, um sorrisinho com aqueles dentes de bugio, um pequeno aceno com o tacape, algo assim... Isso poderia dizer que eles estavam em um reconhecimento mútuo que levou apenas um pouco mais de tempo do que o normal, mas não é o caso, porque após minutos feito duas estátuas daquelas mesmo, feias, estranhas e cheias de cocô de pombo, eles estaticamente paradões, olhos no olhos... De uma hora para outra apenas saem cada um para o seu lado, mas sem qualquer aceno, sem uma risadinha, um grunhido nada. Ou seja, não era um reconhecimento mútuo.

Se não era apenas um reconhecimento mútuo que durou um pouco mais de tempo, e de repente cada um sai para o seu canto, e em alguns casos, até exatamente ao mesmo tempo, para que fique ainda mais bizarro, então... Não há mais o que dizer, isso só pode ter um nome, um fim em si mesmo. A expressão é antiga, mas não tanto quanto o próprio ato, porém quando alguém disse a expressão não poderia ter dito melhor, que porcaria de ação pode ser algo como o descrito?