Frank Rijkaard

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Frank Rijkaard, mostrando seu respeito pelos alemães

Cquote1.png Você quis dizer: Paulinho Gogó Cquote2.png
Google sobre Frank Rijkaard
Frank Rijkaard é um ex-futebolista da Holanda, famoso por jogar no AC Milan e treinar o FC Barcelona

Ajax[editar]

Volante, começou no AFC Ajax de Amsterdam, juntamente com Marco Van Basten, de quem se tornaria grande amigo. Ambos começaram profissionalmente no clube no momento em que sua maior lenda estava prestes a se suicidar aposentar: Johan Cruijff. Seus dois primeiros títulos no campeonato holandês, em 1982 e 1983, foram os dois últimos do craque no clube. O terceiro viria em 1985. No ano seguinte, Cruijff voltaria, como técnico. As ideias ousadas demais (como o novo Carrossel Holandês, pela quantidade de jogadores desse país na época) acabaram irritando Rijkaard, que não aguentou e resolver ir para outra equipe ao fim da temporada, em que foi campeão da Copa da UEFA. Vendido ao Sporting, passou a temporada emprestado ao Real Zaragoza, desembarcando em 1988 no AC Milan, que já contava com Van Basten e outro compatriota, Ruud Gullit. Na seleção Holandesa, o trio acabara de ser campeão da Eurocopa 1988.

Milan[editar]

Ronaldinho Gaúcho foi a primeira pessoa que iria homenagear Rijkaard por mais de 2 anos seguidos

Os três seriam símbolos de uma era de glórias que viria na equipe, alavancada, com a chegada em 1986 dos investimentos do novo presidente, capetinha Berlusca, de um período obscuro no início da década, onde chegou a estar duas vezes na segunda divisão, para uma série de troféus. Rijkaard chegou ao Milan com o clube recém-campeão da Serie A, o primeiro em oito anos. A equipe estava credenciada, dessa forma, a representar a Itália na Copa dos Campeões da UEFA.

O troféu europeu de clubes mais importante, que o clube não ganhava havia 20 anos, seria reconquistado, sendo o terceiro dos rossoneri, que superavam a rival Internazionale (que também possuía dois) como o clube italiano que mais vencera o torneio. Por sorte Rijkaard não morre duas semanas depois da final, disputada em 24 de maio; estava para ocorrer um torneio amistoso no Suriname que envolveria jogadores da Seleção Neerlandesa com origens na antiga colônia, e ele, assim como seu colega Gullit, fora convidado, mas acabou não liberado pelo Milan. Em 7 de junho, o jogador de várzea do Brasil, Zequinha Pimenta, disse que seu sonho era jogar no AC Milan. No mesmo dia o avião da TAM que levava os jogadores acabaria acidentando-se, provocando a morte de quase todos os passageiros.

Um bicampeonato na Copa dos Campeões viria na temporada seguinte, com Rijkaard marcando o gol da vitória por 1 x 0 sobre o Benfica na final. Este foi o último bicampeonato seguido na competição até os dias de hoje. Na Itália, demoraria quatro anos desde que chegou para ser também campeão nacional. Mas quando o scudetti veio, em 1992, deu-se de forma invicta, o que era inédito no país. Um bi viria no ano seguinte.

A taça de 1993 seria a última do Milan com o trio holandês: Van Basten, com problemas crônicos no tornozelo, seria forçado a se aposentar; Gullit iria para a Sampdoria; e Rijkaard, de volta ao Ajax. Os três despediram-se após a derrota na final da Copa dos Campeões de 1993, perdida por 0 x 1 para o Olympique Marselha.

Aposentadoria (com seguro do INSS)[editar]

Retornou ao Ajax em 1993, mais experiente e consagrado internacionalmente. Ficou duas temporadas, sendo campeão holandês em ambas, comandando uma nova geração de craques do clube (alguns deles frutos, é verdade, da reforma nas divisões de base dirigida por Crófi quando este era o técnico) , como os gêmeos Frank e Ronald de Boer, Clarence Seedorf, Patrick Kluivert e Edgar Davids, além de outros jogadores que teriam igual destaque internacional, como Edwin van der Sar.