Gogo (Final Fantasy)

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Gogo Boy


Gogocosplay.jpg
Nome Completo Paulinho Gogó
Classe Mímico
Terra Natal Fairytopia
Parceiros Latino
Parentes Sei lá
Inimigos Copyright
Equipamento Preferido Varinhas de Condão
Habilidades Ctrl C + Ctrl V

Gogo (ゴゴ no Japão) é um cara, ou talvez uma madame, ou quem sabe um cachorro que faz a função de mímico em Final Fantasy VI. Não se sabe nada sobre ele, apenas que o seu nome é Gogo e que ele foi comido por uma cobra gigante enquanto estava fazendo truques no semáforo.

Junto com Umaro e Gau, forma a trindade dos personagens avulsos de FFVI, que possuem histórias de vida mal elaboradas e não tem qualquer relação mais profunda com o enredo do jogo, apenas ajudando os protagonistas porque estavam sem nada melhor pra fazer mesmo. No caso de Gogo ainda pode ser que ele possua alguma ligação com Kefka e a destruição do mundo, já que ninguém sabe quem ele é, pois esconde sua verdadeira identidade com um monte de pano que comprou no camelô.

Vida[editar]

Gogo vendendo muambas na feira.

Nasceu em algum lugar, em um ano desconhecido. Não sabemos quem são seus pais, apenas que ele é filho de um homem e uma mulher, já que nem no universo fantasioso de FFVI o aparelho excretor reproduz.

Na infância, Gogo era uma criança, que mais tarde viria a ser um adulto, que depois de muitos ânus iria tornar-se velho e morreria, enfim.

Passou sua adolescência fazendo algo que eu não sei, para melhorar sua habilidade em alguma coisa. Neste ponto os dados são um pouco imprecisos.

Para proteger sua identidade de algo ou alguém, provavelmente da polícia, Gogo passa a botar um monte de pano no corpo, deixando apenas os olhos a mostra. Até isso ele preferia esconder, mas na época em que se passa FFVI ainda não existiam os óculos de sol.

Por mais que Gogo quisesse esconder sua identidade, ele ainda precisava trabalhar para não morrer de fome, então apresentando documentos frios numa copiadora, ele passou a ser o operador das máquinas de xerox do lugar, fazendo cópias de documentos diariamente. Imprimiu tantas cópias, que assimilou a técnica de copiar e colar, adquirindo a capacidade de plagiar as habilidades que os outros possuem.

Após ser demitido de seu emprego por razões desconhecidas, Gogo passa a andar pelo mundo em busca de alguma coisa, até que é engolido por um verme gigante de sete metros que aparece do nada. Mesmo dentro do estômago do bicho, Gogo não é digerido facilmente, pois sua carne é ruim. Não encontrando uma saída, ele passa a viver por ali mesmo, alimentando-se de tudo aquilo que o verme comia e mandava pra barriga.

Aventuras[editar]

Gogo evita chamar a atenção vestindo um monte de pano colorido, brilhante e chamativo.

Após alguns meses na solidão, passando seus dias batendo punheta pra mulheres em 2D, eis que Gogo é visitado por um grupo de crianças intrometidas e um cachorro idiota, que também foram engolidos pelo verme e estavam procurando pela saída.

Feliz pela companhia, Gogo, com sua arte de mimetizar, passa a imitar os movimentos da mais gostosa do grupo, a loirinha de olhos azuis Celes Chere, pois ele leu em uma revista masculina que as mulheres ficam mais dispostas a abrir as pernas para homens que as fazem rir. Infelizmente pro nosso amigo, Celes já estava interessada em sua amiga Terra Branford, e não deu muita atenção pra ele. Mesmo assim, após brincar um pouco de mímica com ela, Gogo decidiu acompanhá-la em sua aventura para destruir o mal do mundo.

Agora acompanhando o grupo dos protagonistas, Gogo faz o que de melhor sabe, nada, apenas fazendo mímicas para animar a galera e aumentar a moral do grupo. Ele fez a sua parte na batalha contra o palhaço satânico Kefka, fazendo-o rir e perder a concentração na luta.

Jogabilidade[editar]

Assim como os outros inúteis sem importância pro enredo, Gau e Umaro, Gogo é um personagem nada confiável pra ser usar em uma batalha, pois ele não possui nenhuma habilidade específica, ele não conta nem com o comando pra atacar. A única coisa que ele faz é esperar os movimentos dos inimigos, para copiá-los e fazê-los engolir as suas próprias técnicas. Isto pode ser útil quando a batalha é contra aqueles chefões encardidos, mas contra os monstros bosta, que nem atacam direito, ficar esperando eles atacarem para contra-atacar é uma porra.