Handball 16

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Virtualgame.jpg Handball 16 é um jogo virtual (game).

Enquanto você lê, Alex Kidd vence mais uma partida de Jan-ken-po.


Pior jogo de esportes ever
Handball 16.png

Capa para a versão de PlayStation 1

Informações
Desenvolvedor Eko Software
Publicador Bigben Interactive
Ano 2016 (eu acho)
Gênero Handball
Plataformas PC da Xuxa, Mega Drive, NES
Avaliação raíz quadrada de número negativo/10
Idade para jogar Não recomendável para nenhuma idade

Handball 16 é um jogo para PlayStation 1 que foi lançado, devido a alguns atrasos, acredite se quiser, para PlayStation 4, disputando ferrenhamente com Days of Thunder o posto de pior jogo da oitava geração. O motivo do atraso de mais de 20 anos para o lançamento do game se deve ao fato de que jogos como Superman 64, Hong Kong 97, Big Rigs e E.T. the Extra-Terrestrial dominaram por unanimidade a sua respectiva geração, épocas estas, aliás, onde ninguém se atreveu a lançar um jogo de handball. Mas na geração PS3/Xbox 360, não houveram jogos ruins ao ponto de fazerem as pessoas desejarem arrancar seus próprios olhos, então uma empresa de fundo de garagem (Eko Software), teve a ideia de fazer um jogo de videogame de handball, resultando no pior jogo da geração.

Os gamers que gostam de fazer mimimi e chorar muito no Twitter para reclamar da Electronic Arts, puderam sentir na pele o resultado de um game de esporte que tenha sido criado por uma empresa indie, e se arrependeram, voltando assim todos a tratar como Deus os jogos NHL 16, Madden NFL 16 e FIFA 16, isso porque a Eko ainda teve a cara de pau de lançar seu joguinho indie a preço de triple A, numa tentativa frustrada de confundir as pessoas de que seu jogo também teria sido feito pela EA sPORTS.

As 27 pessoas ao redor do mundo que são fãs de handball sentiram-se decepcionadas com esse joguinho que praticamente faliu qualquer possibilidade de um bom jogo de handball nos videogames.

Jogabilidade[editar]

Repare na passividade de todos os outros jogadores na hora do arremesso do jogador da Turquia, que aliás consegue pular 2 metros de altura superando os atletas do salto em altura.

Ainda não se sabe como esta aberração surgiu no mercado, mas a sua jogabilidade é a pior possível, na qual não há qualquer comprometimento em realismo ou fidelidade à física, de modo que a bola parece um míssil teleguiado que passa de mão em mão quando em controle dos jogadores ou sendo disparada a gol, enquanto ganha o peso de Júpiter toda vez que cai ao chão (e sim, ela vai cair milhões de vezes) e os jogadores de todas as ligas tiveram o quadril fraturado, e por isso se movem de modo engessado.

O esquema de botões consiste, no PS4, a usar o analógico esquerdo para mover, o X para passar para o adversário jogador mais próximo, enquanto círculo, triângulo e X servem para arremessar a bola em direção ao gol, com resultados que variam desde o falhanço miserável até jogar a bola a dez metros de distância do gol. L1 e R1 supostamente fazem o jogador correr, porém mesmo o melhor dos atletas presentes no jogo tem a mesma resistência física que uma vítima fatal do coronavírus. Supostamente os direcionais digitais fazem com que as equipes implantem estratégias diferentes, porém neste jogo a única coisa que tais estratégias fazem é fazer com que o usuário passe vergonha.

Graças às olimpíadas do Rio 2016, um grupo de meia-dúzia de pessoa teve seu primeiro contato com tal esporte bizarro, o handball, o qual realmente, para ser assistido casualmente até que não é nada mal e até relativamente divertido, pois tem velocidade, placares elásticos, a bola parece um tijolo tentando matar os goleiros e acontece muitas faltas, o que torna todos jogos desse esporte uma grande porradaria divertida de se assistir. Mas este esporte que ninguém na educação física quer jogar, os produtores ainda fizeram questão de remover todas estas coisas legais mencionadas, tornando o jogo impossível de ser jogado com prazer por mais de 20 segundos.

O orçamento de 5 tickets vale-refeição vencidos e 17 rúpias paquistanesas foi suficiente apenas para pagar um suco de laranja e sanduíche de presunto para adquirir os direitos de imagem dos 12 times de handball profissional existentes no mundo, mas todos jogadores parecem qualquer personagem genérico de qualquer jogo do Nintendo 64, menos os jogadores reais a que propôs ser.

O realismo do psicológico dos jogadores, todavia, é o grande ponto do jogo e considerado o mais realista de toda história de todos jogos de esporte jamais criados! Os jogadores se comportam como lesmas deprimidas, tristes, sem raça, sem vontade, frequentemente caminhando de cabeça baixa, uma tristeza que apenas jogadores de handball poderiam sentir.

O jogo tem apenas um nível de dificuldade: impossível. O jogador não consegue vencer mesmo controlando o Barcelona contra o lanterna da segunda divisão espanhola. Todos os jogadores da CPU arremessam mísseis teleguiados em direção ao gol.

Gráficos[editar]

A qualidade gráfica de Handball 16 agradaria bastante caso o game tivesse sido lançado em 1992, mas como foi lançado uns 23 anos depois, apesar do pouco tempo de atraso, infelizmente é considerado de gráficos péssimos à péssimos, no qual os jogadores são feitos por no máximo uns 10 polígonos e a torcida é um papelão cretino.

Existe apenas uma animação para cada tipo de ação a ser performada.

Sons[editar]

A trilha sonora consiste de dois loops de 30 segundos que tocam eternamente. Os efeitos sonoros também se contam nos dedos, enquanto a narração, apesar de estar disponível em três idiomas, resume-se a no máximo cinquenta frases, possibilitando que o usuário escute a mesma frase cinco vezes seguidas durante uma partida.