Imbé

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para navegação Ir para pesquisar

Imbé é uma praia da região de Porto Alegre. Imbé é famosa por causa que se assemelha a um Rio de Janeiro do Rio Grande. Ela é parecida no sentido de assaltos, arrastões, pobreza...

Fundação[editar]

A maior atração de Imbé... Hã? Sobre o que se trata o artigo mesmo?

Essa cidade nunca foi fundada, ela sempre foi afundada na merda. Tramandaí não quis mais o lodo do seu quintal para onde toda bosta escorria , então decidiu fazer uma ponte, separando a ralé da elite, Elite que se acha elite só porque tem uma casa germinada. A ralé passou a passar fome no esgoto a céu aberto, tomavam tanta água suja e comiam peixe podre que começaram a ser chamados de imbecis. Se você mora em Imbé, você tem grandes chances de ser descendente dos primeiros imbecis de Imbé, já que eles eram obrigados a casarem com suas primas e isso fez com que uma geração de imbecizinhos nascessem.

Reza a lenda ainda que a cidade foi fundada pelo corretor de imóveis Caesar cezil frotul que após uma ponte ter se partido, eles não puderam voltar para casa e viveram em uma praia paradisíaca. Mais tarde, viajantes se instalaram ali com eles eao passar dos anos aquilo virou uma comunidade organizada e com até água encanada e eletricidade!

Quando um viajante descobriu o paradeiro de César, o corretor de imóveis disse que iria achá-lo a qualquer custo. O viajante mal andou 1 km e já havia achado César.

Ao dizer que estava procurando ele para levá-lo a sua família, César disse que agora já havia fundado a cidade que ele tanto sonhava e que ele nunca mais poderia voltar para casa por causa de uma ponte que havia sido destruída.

Cquote1.svg Mas césar! É só você pular o riozinho que consegue voltar para casa! Aquela ponte era para gestantes! Cquote2.svg
Viajante sobre César ter feito uma grande merda

Nisso, César vê mesmo que era possível pular daquela ponte. Enlouquecido acabou correndo para a cidade dele, mas tropeçou e caiu morto.

Turismo[editar]

Banhada pelo marrom Oceano Atlântico, ventania nordeste, umidade e mosquitos com diárias exorbitantes, possui como maior atrativo o mar mais marrom do planeta. Sustentada pelos veranistas de alto gabarito do interior do interior do Rio Grande, os magníficos e explendorosos quiosques de madeira, com prego enferrujado e caixa de água cheia de esgoto, possui preços bem atrativos e comida excelente feita por pessoas limpas e caprichosas que trabalham com muita dedicação.

Economia[editar]

Sustentada pelos veranistas que vão aos bandos no Nacional comprar Skin e fandangos, tem na construção civil uma enorme força nas edificações de quatro casas geminadas em um terreno só. Tudo feito com muita qualidade pelos habilitados profissionais local, com instalação de fossa e tudo.

Clima[editar]

Umidade, vento, umidade, chuva, vento e umidade o ano todo.

Lenda[editar]

Dizem que havia uma bela criancinha chamada Dercy Gonçalves (nossa, então faz muuuuuuuuuuuuito tempo) que vivia com seus pais ali no lugar. Num belo dia chuvoso com relâmpagos negros do orgasmo, água do caralho caindo do céu e barulhos de vuco-vuco saindo de todas as casas, a bela jovem decidiu provar da água do caralho dessa chuva, e então, misturada aos relâmpagos do orgasmo e ao barulho de trepa-trepa nas ruas, ela sofreu uma metamorfose, e virou... uma PUTA!! Desde então, ela só quis saber de dar o rego (a xana não, porque era sua preciosidade ainda) para os muitos padres pedófilos da época. Oooutro belo dia, chegou Bengalelê Motumbo na cidade, que se encantou com a beleza(?) da, então jovem, Dercyzinha. Os dois tiveram um rala-e-rola tão supremo, mas tããão supremo, que no final, quando a nossa queridinha estava entrando no orgasmo, ela gritou: "aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaiimbêêééé!!!!!". Foi daí que surgiu o nome 'Imbé'.

População[editar]

Entre 17.000 e 450.000, nenhum nasceu no município, não tem maternidade, mas muitos forasteiros tocados de todos os cantos do país, vivem seu cotidiano a base de fiasco, bisbilhotar a vida alheia, fazer fofoca e importunar o próximo, tudo bancado por bolsa ou auxílio social.