Será que isso é um artigo?

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para navegação Ir para pesquisar


Mentiroso.
ATENÇÃO!
Este artigo contém mentiras
MATERIAL MENTIROSO, NÃO CONFIE!!


Será que esse artigo tem um autor?


Cquote1.svg Você quis dizer: Dúvida Cquote2.svg
Google sobre Incerteza
Cquote1.svg Você quis dizer: Final de Lost Cquote2.svg
Google sobre Incerteza
Cquote1.png Experimente também: Dar F5 Cquote2.png
Sugestão do Google para Incerteza

Cquote1.svg Deus está morto! Cquote2.svg
Nietzsche sobre Incerteza
Cquote1.svg Não, ele está vivo! Cquote2.svg
Edir Macedo sobre Incerteza
Cquote1.svg Cavalheiros, permitam-me apresentar algo a vocês... Cquote2.svg
Schrödinger sobre os dois comentários acima


Cruelquantum.gif Este artigo possui referências à Mecânica Quântica

Por isso, ele está absolutamente correto e completamente errado ao mesmo tempo.

A Incerteza é um conceito criado no século XX por Erwin Schrödinger, que, após ficar louco de cocaína, resolveu cometer um ato de barbaridade: cheirar o seu inofensivo gatinho. Um ato simples, porém criminoso, seria facilmente terminado em um gato extremamente bravo e um dono extremamente dopado. O porém é que, por estar já meio loucão de cocaína, Schrödinger não percebeu que cheirou tanto, mas tanto o seu inofensivo gatinho, que o bichano ficou à beira da morte. Depois de ver o ato criminoso, com medo de ver o resultado de sua barbárie ele resolveu tacar o gato em uma caixa com ração e água e a lacrou, para não ver o que aconteceria com o bichano nas horas seguintes. Nesse momento, Schrödinger cagou e andou para seu gatinho na beira da extinção de sua vida e resolver escrever, como o bom covarde que era, sobre o Princípio da Incerteza, erroneamente nomeado como Teoria Quântica alguns anos mais tarde, mesmo se tratando apenas sobre um gato.

A Incerteza na Filosofia[editar]

Sócrates após ver uma guria retardada usando suas frases como legenda no Face.

Tudo começou como começaram nas aulas de filosofia que você teve com o seu professor inválido: os gregos. Tem gente que fala que Sócrates era uma espécie de bastião da incerteza, mas quem acha isso provavelmente só pegou uma frase aleatória pra colocar de legenda na sua foto do Facebook. Ok, o corcundinha tem aquela famosa frase do "Só sei que nada sei", mas ele falava isso mostrando a incerteza como a maneira do homem (mulher não, na época dele elas não serviam nem pra dar prazer) se achar sabedor de tudo e na realidade ser idiota feito uma pedra. Quem realmente começou com o ceticismo idiota foi esPirro, o maior antisséptico cético já existente.

Carlinhos após ver o autor chamando ele de vagabundo. Claro que isso foi depois de uma bela sonequinha...

Pirro era uma encarnação semi-idêntica do seu tio que comanda a churrasqueira nas confraternizações familiares - não acreditava em porra nenhuma. Mas diferentemente do seu parente que até pode não acreditar nas mentiras da emissora que mais faz o povo de bobo mas crê fortemente na "ameaça marxista!!!1!", Pirro não acredita em absolutamente nada. O filho da puta era a encarnação do próprio mal em formato de gente, se metendo em altas confusões e, caso não tivesse algum amigo pra tirar ele da beira de um penhasco (ele não acreditava que era possível saber se ele realmente cairia ou não), teria certamente morrido mais cedo que o teu fígado.

Apesar de idiota, a sua filosofia conseguiu dar alguns frutos. Um dos exemplos disso foram: Descartes, o francês que não tinha certeza se tava sonhando ou acordado; Karl Marx, o alemão que não sabia se era um vagabundo ou não; Nietzsche, o também alemão que com seu existencialismo não conseguia dizer se o coração de Deus tava ou não batendo, e Sartre que, roubando o existencialismo do coleguinha, podia até ter a certeza de que a vida não tem sentido, mas que não fazia ideia se o seu relacionamento aberto era ou não sinônimo de ser corno.

A Incerteza na Física[editar]

Além da filosofia, outra maneira de se ver a incerteza rodeando o espaço ao nosso redor é por meio da tão comentada, mas nunca compreendida Mecânica Quântica. Caso você seja meio lentinho, pode ficar tranquilo que o titio aqui vai tentar explicar tudo mastigadinho, que nem uma aulinha de administração na Anhanguera!

É sério que você penou pra aprender isso?

O básico do básico é: sabe a física que você tanto penou pra aprender no ensino médio? Isso mesmo, aqueles troços idiotinhas como o MRUV, vetores e até mesmo como calcular força que você no máximo tirava um 6 com muito esforço? Então, funcionar ela funciona em muita coisa. Foi assim que desocupado descobriu planeta no céu, que a NASA conseguiu forjar o pouso na Lua e George Foreman desenvolveu um grill capaz de grelhar (dã!), se autolimpar, atender ligação, anotar recado e tweetar as mais incríveis receitas. O porém é que, apesar de conseguir ser útil no nosso dia a dia, ela não tá 100% bonitinha quando a gente começa a falar dos elétrons.

O que acontece é que, quando o negócio é tão pequeno, mas tão pequeno que o seu pau pode ser considerado grande, o modo como a física se comporta já não é consistente. No geral, você consegue ver a posição e a velocidade das coisas muito facilmente: basta usar algo de referencial. Se você perder sua chave ou quiser ver se o rato que entrou no seu chiqueiro quarto era rápido, é só ligar a lanterna do celular e ver com seus próprios olhos ambas posição e velocidade do que você queria descobrir. O foda é que, como esses são objetos grandes, a presença de luz não vai magicamente mudar a maneira como tu vê eles.

Um exemplo fácil e prático de se compreender (e bota prático nisso...)

Imagine que você é um cafetão e que precise encontrar a sua puta no meio de um beco escuro. Como você não pagou a conta de luz e ela tá prestes a ser cortada, você só pode usar uma dessas duas opções rapidinho antes da luz acabar: usar um Kinect ou apontar duas lâmpadas pra ela. Com o Kinect, é só você plugar no Xbox que já tava ligado no Just Dance (mas que conveniente!), esperar os raios infravermelhos baterem nela e você vai conseguir enxergar ela na TV; só que ela percebe que tu a achou e começa a correr de medo; assim você nunca vai saber a velocidade dela, então ela some. Outra opção é você utilizar as lâmpadas: como você não sabe onde ela tá, é só esperar ela passar de uma pra outra e daí conseguirá medir a velocidade que ela tá correndo pelo tempo que ela demorou pra aparecer de uma lâmpada à outra; mas como ela tá ziguezagueando pra te despistar você nunca sabe a posição exata, então assim você também perderá ela de vista. É só trocar a puta por um elétron que voilá! Tá aí a explicação da incerteza quântica na sua forma mais básica.

Foto de batismo do dito cujo.

Pelo elétron ser tão pititico, mas tão mínimo, a própria luz (fóton) ou os raios IV (radiação) são o suficiente pra dar um gás e mudar a posição e velocidade da partícula, assim fazendo ela correr que nem puta em Black Friday de roupa na Riachuelo. Você pode calcular onde ela vai parar, mas como não é certo como exatamente ela vai reagir com cada pequeno fator, você tem uma nuvem de probabilidades - uma estimativa de onde ela pode acabar indo parar, mas, como tudo nesse artigo, sem nenhuma certeza.

A Incerteza na Vida[editar]

Mas do que adianta falar sobre a presença da incerteza nesses dois temas insignificantes e totalmente irrelevantes para o nosso dia-a-dia (afinal, por acaso eu tenho cara de maltratar gato alheio e de ficar a tarde inteira pensando em cima de um bloco de pedra?) se não focarmos na principal fonte de incerteza: a vida em si? Temos diversos momentos que nem a física quântica e muito menos os velhos caducos conseguem explicar a existência, e meu trabalho aqui é catalogar todos eles.


"Tá um arraso, filhão!"
  • Cabeleireiro - O momento de maior aflição pra dona de casa comum e do jovem estudante que acabou de começar seu ensino médio: o corte de cabelo. Em geral é um momento de total desconhecimento, absoluto estranhamento e completo caos na vida dos pacatos cidadãos; é completamente impossível prever o resultado e suas emoções após o final de uma pequena sessão de tortura corte, não importando o mínimo se você conhece o cabeleireiro previamente ou se quem está cortando o cabelo é você mesmo.

Pelo menos esse aí não teve a pachorra de colocar uma gostosa atrás.
  • Dinheiro no chão - Ah, achar dinheiro no chão! Uma das melhores - e mais frustrantes - reações que um ser humano pode ter. Você pode se questionar: "Hey, como caralhos seria ruim eu encontrar dinheiro no chão? É dinheiro, cacete!"; é meu amigo, esse poderia ser um momento de completo e puro êxtase, salvo pelo terrível e mais abominável caso: o anúncio de puteiro. Quantas supostas notas de 20 e de 50 você já não encontrou no chão de sua rua e, inocentemente, achou que tinha tirado a sorte grande, quando na realidade era só um pedaço de papel sulfite com uma foto da Tiazinha e o endereço do local?
Você pode acreditar que está a salvo se ignorar essas notas e apenas pegar as de valor baixo; como de 2 ou de 5, mas não se engane! Os publicitários de putas por aí evoluíram e começaram a fazer nessas notas também, assim tornando uma das mais incríveis experiências em um verdadeiro jogo de sorte.

Melhor método de tornar seu priminho um paga-lanche.
  • Osso de galinha - E por falar em sorte, temos um exemplo primordial e especial: tirar a sorte no ossinho de galinha. Como todos sabem (alguém com cérebro, pelo menos), o osso de galinha não tem nada de incerto - aquela desgraça é feita por dois ossos diferentes, então se você não for filho do Ray Charles basta ter um intelecto mínimo e partir para a vitória; a aposta de quebrar o osso na base da sorte é apenas com o osso do peru, idiota!
O porém é que esse tipo de partida desgraçada não é feita com pessoas de mentalidade formada, mas apenas com pais e os seus filhinhos burros. Assim, algo que para nós é motivo de risada e alguns pequenos deboches se torna uma verdadeira batalha de campo minado entre um remelento de 5 anos e o seu patriarca inválido pelo INSS, da qual só a criança quebra a cabeça em um momento de doentia satisfação. Assim, a incerteza da criança é absoluta e também um provável motivo para o início daquele choro que parece um motor de Fiat 147 ligando.

Ao praticar o esporte, cuidado! Nunca esqueça de usar o modelo certo pra não machucar o pulso.
  • Roleta Russa - E para finalizar com chave de cu de ouro, temos a incerteza não necessariamente da vida, mas sim da morte. Uma brincadeira um pouco menos saudável que a anteriormente citada, ela é extensivamente feita por sadomasoquistas e adeptos da filosofia de vida do Coringa. O princípio é básico - pegue uma arma que não é de escola de axé mas que tenha 6 tambores, coloque uma bala em um dos buracos e atire em sua própria cabeça. Caso não morra, você pode retirar o seu Darwin Awards na delegacia de mulher mais próxima; caso morra, ganhará um belo trato com o negão do IML.











Você sabia?[editar]

  • Que esse artigo é tão incerto, mas tão incerto, que nem ele se decide o que de fato é?
  • Que se nada é verdade e a realidade é incerta, meu pau sem freio e teu cu na reta?
  • Que você tem 1 em 62.208 chances de ver essa página do jeitinho que ela tá agora se der F5?
  • Que se tu encontrar um certo animalzinho zanzando nesse artigo as chances diminuem para 1 em 6.220.800?
  • Que ninguém liga pras curiosidades acima?
  • Que esse cálculos podem ou não estar certos?


Ver também[editar]