Independência ou Morte (Pedro Américo)

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Independência ou Morte.jpeg
E morreu...
Pedro Américo, 1888
Pintura a óleo
Museu do Ipiranga (São Paulo)

Independência ou Morte é uma pintura extremamente famosa para quem já abriu ao menos uma vez um livro de história das escolas, mas só no Brasil mesmo, pintada por Pedro Américo, que com esse nome tem mais cara de explorador, general de guerra do que pintor de fato, ou apenas o autor deste livro bateu a cabeça na pia antes de escrever-lo. Esta pintura retrata o momento em o Brasil passa do ruim para o pior, ou seja, quando ele declara sua independência em fazer merda de Portugal...

Contexto histórico e história[editar]

A pintura mostra o acontecimento acontecido em 1822, que é o famoso (mas só no Brasil) Grito do Ipiranga, onde Dom Pedro I chama seus manos para dar um chute no traseiro da realeza de Portugal no Brasil. Depois desse rebuliço todo gera uma mini treta, mas ele finalmente consegue a tão esperada independência. Depois deste dia o Brasil começou a fazer por conta própria todas as cagadas gerais.

66 anos depois do acontecimento acontecido, Pedro Américo vem e pinta e esta tal cena, por mais que a maioria das pessoas achassem que ele pintou logo depois, a mando do Pedrão, onde essa maioria corresponde à 87,64% da população brasileira, segundo uma pesquisa efetuada pela Coca-Cola, em 2007. Justamente por ele não ter feito a cena como ela realmente foi o povinho das artes chama isso de idealização, ou seja, apenas se imagina que foi assim.

Dúvidas a respeito da veracidade[editar]

Dúvidas realmente não faltam, mas como o autor deste artigo é burro e não sabe qual palavra colocar no título desta sessão, fica assim mesmo... E o que também menos falta são detalhes da obra que comprovam ainda mais que esta cena não foi tão incrível quanto pareça ter sido. Primeiramente, a mais famosa de todas as comprovações, é de que Pedro I não estava em um cavalo, e sim em uma mula, pois ele se identificou com o animal, sem contar que o terreno era esburacado demais para um cavalo trotar.

Também existem outros menos importantes, como a existência daquela casa ali atrás, que segundo os teóricos da conspiração ela não existia na época, como se a casa fosse importe... Outros afirmam que os soldados, reais, etc, que estavam lá não estavam vestidos com roupas chiques, já que não deu tempo de se arrumar, visto que foi tudo improvisado. Em 2010 surgiu uma lenda na deep web que comprovaria que a proclamação foi dada durante uma abdução extraterrestre, visto que o disco voador deixou as suas marcas no gramado, como dá para perceber na pintura...

Detalhes[editar]

Independência ou Morte - detalhe1.jpg No centro da pintura há Dom Pedro I e sua trupe executiva, ou então apenas os carinhas que chegaram primeiro, e por isso conseguiram um lugar de maior destaque. Aqui, Pedrinho aponta sua espada para cima, insinuando que ele está apontando a espada para cima, ou seja, não significa nada. Logo atrás uns carinhas ficam tirando o chapéu para cima, pois tinha uma mosca irritando-lhes.
Independência ou Morte - detalhe2.jpg Logo à frente de Dom Pedro I e sua trupe executiva, vem os outros coadjuvantes que ninguém se importa. E justamente por ninguém dar a mínima para eles, eles tentam desesperadamente tentar chamar atenção, fazendo o mesmo que o doido de pedra estava fazendo, que é empunhar sua espada. Outro detalhes é que possivelmente estava acontecendo um efeito dominó nos cavalos, e todos começaram a cair uns em cima dos outros...
Independência ou Morte - detalhe3.jpg Ainda mais lá atrás, numa área da pintura que ninguém deveria dar atenção, existe uma casinha pobreta. Ela não tem quaisquer relevância na obra, e nem traz significado de sua existência, mas segundo muitos ela não existia na época, e só foi construída ânus depois. E somente por conta disso ela ganhou notabilidade.
Independência ou Morte - detalhe4.jpg E no lado mais pobre da obra, temos uns caipiras só de boas observando tudo acontecer, por mais que nem entendesse o que estava acontecendo, já que a maioria da população brasileira na época era mais pobre do que o Congo. Eles estavam lá, na pintura, para representar o povo brasileiro, mas só isso mesmo, pois segundo os mesmo teóricos da conspiração, eles também não estavam lá, como metade da obra.