Kevin Moore

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa

Cquote1.png A tradução para seu nome em português seria algo como "Kevin Múmia", que por um acaso combina muito com a sua personalidade. Cquote2.png
Babel sobre Sobre Kevin Moore
Cquote1.png Ele é o deus do teclado Cquote2.png
Um fã nerd, xiita e retardado da DTBR sobre Kevin Moore
Cquote1.png Dream Theater sem o Kevin não é Dream Theater Cquote2.png
Outro fã nerd, xiita e retardado da DTBR sobre Kevin Moore
Kevin Moore É o ex-tecladista da banda Dream Theater

História[editar]

Era o típico amigo nerd, que não gostava de rock, e após muito "enchimento de saco" foi finalmente convencido a entrar na banda. Nos shows estava sempre com cara de bunda e mostrava claramente que achava tudo aquilo um pé-no-saco. Costumava se isolar do resto da banda, ou por emice ou por medo do John Myung (baixista) e dos seus golpes de Karate demoníacos do Mortal Kombat.

Um exemplo de como Kevin Moore se vingava do tédio proporcionado por estar na banda está na introdução da música Take The Time, onde é usado um efeito fedorento que poderia facilmente utilizado numa música da Gretchen. Fontes confiáveis alegam que o tecladista em questão fez de propósito E só de sacanagem (óbvio).

Durante as gravações do álbum Awake, Kevin teve um ataque Emo tomou uns golpes de karatê do Myung e resolveu deixar a banda, livrando então o mundo de ter que aturar sua falta de presença de palco. Atualmente trabalha num projeto de música experimental nerd para pessoas que gostam de música ruim e insistem e falar que requer "sensibilidade à arte" para apreciar. O projeto chama-se Chroma Key.

Kevin Moore olhando para a sua próxima vítima

É o tipo de música que você jamais colocaria no seu carro para não ficar mais tenso ainda com o trânsito, que como Murphy diria, SEMPRE está ruim.

Conclusão[editar]

Kevin Moore seria um zero à esquerda para o mundo se o baterista Mike Portnoy não tivesse insistido tanto para que ele entrasse no Dream Theater. Fontes confiáveis alegam que o sujeito passaria tão desapercebido pelo universo que sequer um artigo tirando sarro da cara dele, não conseguiria ultrapassar trinta linhas.