Killzone

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Virtualgame.jpg Killzone é um jogo virtual (game).

Enquanto você lê, Vayne Aurelius faz mais uma Heal Jar.


Quillzoni
Quillzoni logo.png
Logo da série
Gênero Tiroteio
Desenvolvedor Guerrilla Games
Publicador Sony Computer Entertainment
Plataforma de origem PlayStation 2
Primeiro lançamento Killzone 1 (2004)
Último lançamento Killzone Shadow Fall (2013)

Cquote1.png Ah, assim um Killzone, um pão de batata... Cquote2.png
Pedrão pão de batata sobre Killzone
Cquote1.png Leave the gun, take the killzone Cquote2.png
Poderoso Chefão sobre Killzone

Killzone é uma série de jogos de tiroteio frenético, mais um fps genérico com temática futurística que hordas de fãs retardados insistem em tratar como uma grande maravilha jamais criada. Trata-se de uma tentativa fracassada da Sony em copiar o sucesso e profundidade da série Halo. Os sonystas, claro, não ligam para isso, jamais terão um Xbox para vivenciar um jogo fps realmente empolgante e minuciosamente rico em detalhes e história como Halo, e precisam se contentar com Killzone como seu medíocre exclusivo, e aos choros em fóruns tentar espernear que Killzone é legal e bem feito.

A série, todavia, destacou-se pelos gráficos amplamente elogiados de seus jogos, afinal são todos uma boa mistura entre os cenários sombrios e repetitivos de Call of Duty, com uma pitadinha de Halo.

Desenvolvimento[editar]

Como a Sony em si não tinha capacidade de criar um clone bem feito de Halo, fundaram a Gorilla Games de última hora para fazer esses jogos nas pressas, o resultado, claro, nunca foi algo animador e até hoje ter um Xbox é melhor pedida para quem quer um fps futurístico.

A história do jogo é a mais imbecil, previsível e clichê possível, como 99% dos fps por aí (exceto Halo que tem história bem tramada, a quem fracassaram em copiar). O motivo do enredo de Killzone ser tão raso e genérico foi tentar imitar o menos possível a extensa e intrincada história da concorrente Halo e assim evitar acusações de plágio. Então com um enredo besta lotado de clichês e demonstrações de patriotismo americano numa guerra interplanetária, o jogo desenvolve sua história.

Jogabilidade[editar]

O objeto de todos jogos de Killzone é matar um bando de Master Chiefs vestidos de preto. A única novidade estabelecida pelo jogo diferentemente de todos jogos fps anteriores foi a introdução do uso do controle do PlayStation para simular movimentos de punheta e assim exercer comandos de ativar bombas ou girar manivelas. Este movimento inovador consiste nos fanboys da franquia apertarem simultaneamente os botões R1 e L1 e balançar o controle de uma forma não muito diferente do movimento da punheta, motivo este talvez que tenha criado subconscientemente uma horda tão maldita de fãs virgens punheteiros desse jogo. O sucesso foi tanto que a concorrente Nintendo lançou um console inteiro com toda uma linha de jogos, o Nintendo Wii, copiando esta inovadora ideia de jogabilidade de Killzone.

Recepção[editar]

Os únicos que aceitaram bem estes jogos foram os desesperados fanboys sonystas que nunca tiveram uma franquia decente de fps para seu console favorito onde gastaram milhares de reais, todas pessoas carentes de um jogo belo, profundo e diversificado como Halo, mas que precisaram se agarrar a qualquer lixo para se dizer fã e justificar o dinheiro que desperdiçaram num PlayStation.

Jogos[editar]

Série principal[editar]

  • Killzone 1 - O jogo conta a história de uma guerra em grande escala interplanetária que eclodiu entre as duas empresas mais poderosas da galáxia, a Microsoft dona do planeta Helghast e a Sony dona do planeta Velka. Sempre foi claro desde o início que a Microsoft tinha a vantagem absoluta devido ao sua exército de nazistas altamente eficientes munidos com armamento superior, além de um exército inteiro formado por centenas de Master Chief, só que pintados de preto porque são todos tr00. A Sony por outro lado tinha a arma mais poderosa de todas, o poder do continue, concedido apenas aos protagonistas de videogame. O primeiro tiro desta guerra foi disparado pela Sony que lançou uma chuva mortal de vários filmes em CGI de Killzone para humilhar os gráficos toscos de Halo 1 da Microsoft, afirmando assim que eles tinham o poder supremo sobre a vida e morte e todas as galáxias. Em retaliação, a Microsoft liberou uma terrível besta, um monstro devorador de pessoas chamado Halo 2, o qual diziam rumores era capaz de sugar almas de pessoas da vida real, bem como ter armamentos e personagens muito mais profundos, interessantes e legais.
  • Killzone 2 - O ataque realizado pela Microsoft no primeiro jogo deu em nada, e nesta continuação a Sony decidiu contra-atacar, enviando assim um protagnista altamente genérico e sem graça, auxiliado por coadjuvantes ainda mais desprovidos de carisma, para invadir Helghast e promover uma puta chacina com a desculpa de que estão massacrando nazistas sem coração. No final o protagonista e seu amigo burro encontram Mussolini Visari, o chefe de todos nazistas, e impossibilitados de conseguir refutar sua eloquência carismática, simplesmente o mata como o par de trogloditas que são.
  • Killzone 3 - Na prática, um DLC do jogo anterior que seria apenas uma missão adicional, mas que foi acidentalmente lançado como jogo cheio e independente, o que não é verdade, pois não passa de uma missão a mais de como as coisas ficaram após a morte de Mussolini Visari.
  • Killzone: Nobody Cares - Quando o PlayStation 4 foi criado a Sony precisava de qualquer porcaria que fosse exclusiva para seu novo console. Então surgiu esse jogo, criado às pressas.

Jogos que ninguém conhece[editar]

  • Killzone: Frustration - Lançado para PSP só pra ganhar dinheiro de trouxa, a tela em visão isométrica impossibilita qualquer boa experiência em jogabilidade. A história, todavia, é criativa, sobre um exército de pessoas com artrite combatendo um exército de nazistas com reumatismo, assim ambos tem péssima mobilidade.
  • Killzone: Unnecessary - Lançado para PS Vita. É aquele típico jogo que foi criado apenas por criar, para dizer que teve algo pro Vita, porque não tem o menor sentido. Se você chamasse esse jogo de "Jogo de Tiro Qualquer", você estaria sendo mais justo, e o nome "Killzone" foi inserido apenas pra fazer de conta que faz parte da franquia.
v d e h
Killzone Logo.png