Lana Del Rey

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Esse artigo tem a bênção do deus Hypnos!

Isso significa que ele é sobre algo que dá muito sono. Vandalize e você será colocado para dormir eternamente.

06-hypnos.jpg
Melhor.gif ATENÇÃO: ESTE ARTIGO É SOBRE UMA FALSA GOSTOSA!

Lana Del Rey usa e abusa de Photoshop, maquiagem e propaganda, faz lipo
com frequência, pode ter silicone nas tetas e botox na cara.

Mesmo assim, você ainda acha que ela é gostosa!


Emblem-sound.svg.png Lana Del Rey
Lanadelreyflower.jpg
Altar dedicado a Lana Del Rey no Panteão Hipster
Nome Maria Elisabete Svetlana dos Reis Grande
Origem Bandeira dos Estados Unidos Estados Unidos
Sexo 7 vezes por dia
Instrumentos
Nuvola apps kcmmidi.png
Oral
Gênero Música de fazer criança dormir
Influências Amy Winehouse, Marilyn Monroe, Fluoxetina, Citalopram e Sertralina
Nível de Habilidade Anestesia
Aparência Boca de Pato
Plásticas Botox e Silicone
Vícios
Nuvola apps atlantik.png
Gravar videoclipes com uma Tecpix e dizer que é "conceito"
Cafetão/Produtor
Crystal Clear action bookmark.svg.png
Algum velho rico de Hollywood
Lana Del Rey segurando seu Globo de Ouro.

Cquote1.png Você quis dizer: Dona Florinda Cquote2.png
Google sobre Lana Del Rey
Cquote1.png Você quis dizer: Lana Deu Pro Rei Cquote2.png
Google sobre Lana Del Rey
Cquote1.png Você quis dizer: Ford Del Rey Cquote2.png
Google sobre Lana Del Rey
Cquote1.png ZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZ Cquote2.png
Qualquer Um ao ouvir Lana Del Rey
Cquote1.png Este artigo discute coisas intrínsecas dos Anos 50's... oh, espera! Cquote2.png
Desciclopédia sobre Lana Del Rey
Cquote1.png Sou a versão puta e drogada da Nancy Sinatra. Cquote2.png
Lana Del Rey sobre si própria
Cquote1.png É um duelo aí entre Lana e Lady Gaga para descobrir qual é a mais puta Cquote2.png
Rafinha Bastos sobre Lana Del Rey
Cquote1.png Olha, muita coisa brega num álbum só... Cquote2.png
Jô Soares sobre Lana Del Rey
Cquote1.png Velha coroca! Cquote2.png
Seu Madruga sobre Lana Del Rey
Cquote1.png Você não vai roubar meu lugar! Cquote2.png
Adele sobre Lana Del Rey
Cquote1.png Tá me copiando! Cquote2.png
Amy Winehouse sobre Lana Del Rey
Cquote1.png Credo! Ela é um dragão! Cquote2.png
Elton John sobre Lana Del Rey
Cquote1.png Oba, vem pra cá, vamos usar muita cocaína Cquote2.png
Maradona sobre Lana Del Rey
Cquote1.png Já peguei. Cquote2.png
Ozzy Osbourne, Bon Jovi, Axl Rose, Paul Wesley, James Franco, Jennifer Lawrence e mais de 1 milhão de mulheres e empresários da música
Cquote1.png Boas canções para eu plagiar. Cquote2.png
Latino sobre Lana Del Rey
Cquote1.png Ela é lésbica. Cquote2.png
Capitão Óbvio sobre Lana Del Rey


Lana Del Rey é mais uma dessas cantorazinhas estadunidenses de merda tentando pagar pau de alternativa. Devido às suas músicas pseudodepressivas, à sua vontade de estar morta, suas coroas de flores e romantização de Violência doméstica tornou-se numa das principais deusas do Panteão Hipster e ódio de estimação das Feministas.

Infância[editar]

Lana Del Rey e sua contagiante "alegria de viver".

"Maria Elisabete Svetlana dos Reis Grande", mais conhecida como "Lana Del Rey", nasceu a 21 de Junho de 1985, num qualquer buraco perdido algures nos Bastardos Unidos da América, mas começou a espalhar a mentira de que tinha nascido em Nova Iorque, para dar aquele ar de "urbana" e "cosmopolita" que os Hipsters tanto gostam. Segundo os (des)jornalistas da Desciclopédia conseguiram apurar, Maria Elisabete nasceu num vilarejo no norte do Estado de Nova Iorque chamado Lake Placid, uma espécie de Acre estadunidense, onde não havia sequer antena de televisão nem telefone nem porra nenhuma.

Lana Del Rey em sua atuação típica.
Lana Del Rey com suas colegas de profissão e um cliente.

Aos 15 anos, quis pagar pau para cachaceira, esfregando os dentes com whiskey, para fingir que estava tomando porre. Também começou a faltar às aulinhas do Ensino médio para dar numa de rebelde e a armar barraco com os professores. Tudo isso para chamar a atenção dos papais de como era uma guria retardada garota problemática e com distúrbios mentais. Para comprovar seu grau de retardamento, Maria Elisabete havia mentido acerca de um namorado seu ter morrido num acidente de automóvel e que isso havia a influenciado em grande parte das suas músicas: mais tarde veio dizer que isso foi uma mentira para dar ao seu passado um ar mais trágico, e que, a "perda" sobre que cantava era do álcool, de que fora dependente, qual Amy Winehouse. Para acabar com essa baixaria, os pais mandaram-na internar num internato desterrado no Connecticut, onde seu tio engraçadão, Gene, trabalhava: Maria Elisabete tentou inventar para a imprensa que havia sido internada num hospital psiquiátrico por causa de seus distúrbios, mas os pais a pararam a tempo.

No internato, tornou-se Puta paga de seu tio, com quem, diz a própria, aprendeu tudo: o cara lia Lolita para ela, ouviam Tupac no carro dele e iniciou-a nas "artes das ninfetas", ensinando-a de que se queria ser alguém na vida tinha de transar seu caminho até à fama. Além da putaria, também a apresentou ao mundo dos hipsters, como Allen Ginsberg, Billie Holiday, Nina Simone e afiliados para dar uma imagem cult. Também estimulou sua faceta de cantora e compositora, e pedia para a guria cantar enquanto lhe fazia boquete, o que explica o seu tom baixo de voz e dificuldade em alcançar notas musicais mais agudas. Depois de seu tio desvirgindar tudo o que havia para ser desvirgindidado, Maria Elisabete sai do internato e ingressa na faculdade do Bronx, para estudar Filosofia, mas estava mais interessada em ir ver o show da Jennifer Lopez do que em estudar, pelo que só concluiu o bacharelado à base de cábulas e outras técnicas de cópia, e nunca mais estudou.

Ao mesmo tempo que estava na faculdade, Maria Elisabete trabalhou como voluntária em vários programas de reabilitação para mendigos e drogados: seu voluntariado foi muito elogiado, pois sempre que a guria cantava para estes coitados, eles adormeciam de imediato, o que os impedia de consumir drogas. Também trabalhou como pedreira, pintando e construído as casas da Reserva Natural dos lobinhos de Lua Nova.

Carreira[editar]

Acabando de atender algum cliente.
Protótipo provisório das "bonecas insufláveis Lana Del Rey" (antes de botar colagênio nos lábios e silicone nas mamas).
Protótipo final das bonecas Lana Del Rey.

Quando sai da faculdade e vai morar sozinha, Maria Elisabete começa a cantar em clubes de strip, como "Williamsburg", "Laila Lounge", "Galapagos", "The Living Room" e "Bitter End". Após um dia, empresários do show bis, impressionados pela sua grande capacidade de quebrar janelas e adormecer o público mais depressa do que anestesia de bloco operatório, lhe ofereceram um contrato numa grande gravadora. Um tempo depois, seu 1º álbum foi lançado: Kill Kill, ainda sobre a alcunha de Lizzy Grant, porém o mesmo não foi tão bem recebido pelo grande público, pois ficou todo mundo surdo. Apesar da crítica subornada séria e especializada se derreter em elogios e anunciar que uma revolução na musica mundial estava acontecendo (o que alguém não faz por um $$$?). Pouco depois foi lançado seu segundo álbum, Lana Del Ray A.K.A. Lizzy Grant, que foi muito bem-sucedido, pois foram compradas cerca de 0.07813213052942 exemplares para serem usadas como instrumento de tortura na Prisão de Guantânamo.

Mostrando porque seus fãs indieotas a acham a "cantora mais linda e mais diva de sempre".

Em 2012, veio mais uma porcaria: Born to Die. Dessa vez, o pacto deu certo e todos os blogueiros do Brasil ou de sites sertanejoss ou indies compraram o álbum, que chegou em #1 nas paradas e foi registrado um enorme número de suicidios após a venda deste. É desse álbum o sucesso Summertime Sadness, conhecido pela população pobre do Brasil como Música do Félix da Novela, só por isso, ele fez sua fama. No mesmo ano, lançou outra bosta: Paradise. Ride, uma das músicas novas que vieram nessa porcaria, fez muito sucesso na Noruega, no Japão, na China e em outros países onde as pessoas costumam se suicidar. No Brasil todos conhecem como Tema da Aisha, de Salve Jorge, outra canção depressiva Sertaneja. Cola é provavelmente a música mais famosa porque Lana diz que sua buceta tem gosto de Pepsi. Muitos gostaram disto, em especial o astrólogo Olavo de Carvalho, que usou como fonte para confirmar sua afirmação de que na fórmula da Pepsi são usadas coisas que saem de dentro das vaginas. Há nesse álbum, o Hino Nacional, e no clipe ela mostra seu amor por Raul Seixas que depois morre.

Suas letras possuem mensagens sertanejas sobre a época que era puta e rodava bolsinha nas esquinas ricas dos Estados Unidos (como se pode ver em Ride, e não eu não vi essa porra). Lembranças dessa época podem ser vistas pela sua tatuagem sexy na barriga, um revólver, o que mostra que ela namorou um traficante ou seu cafetão. Apesar de ser gostosa e de ter uma boca apropriada para sexo oral, teve um caso com o vocalista velho e gordo do Guns n' Roses. Atenção punheteiros fãs de plantão: Caso Diva Lhama não faça mais sucesso em sua BIG carreira, ela vai ter que apelar pro universo pornográfico. Axl Rose a largou e Jon Bon Jovi fez proveito da situação. Antes de ficar famosa, Lana Del Rey fez mais de 25 plásticas no rosto, 18 dessas apenas na boca, por isso ao se encher de Botox acabou ficando com cara de pato. E seus fãs ainda acham ela a cantora mais bonita do mundo.

Dançando em Mordor...
... no Microondas...
...e até no vaso sanitário.

Tentou diversas coisas, entre elas:

Discografia[editar]

Seus sonhos se tornaram realidade de alguma forma.
Depois de uma noitada daquelas com Maradona.

Quando se lança como "Lana del Rey", inicia sua carreira com um álbum falando de calças jeans, mostrando toda a falta de criatividade dessa pseudocantora: além disso se fosse uma cantorazinha brasileira, o máximo que faria seria escrever sobre sua vida longe da pobreza, ou de como é passar sede e fome no nordeste, e comer nas mãos da Rede Globo. Sim, a Rede Globo a convidou para participar do mega programa global IXXXXXXXXXXXXXXXQUENTA.

Em 2012, após lançar seu terceiro mas primeiro álbum de sucesso, vai ao programa estadunidense Saturday Night Live, cantar seus hits Blue Jeans e Video Games: sua atuação foi um fracasso total porque, cantando ao vivo e sem auxílio de programas informáticos de modificação de voz, Lana mostrou sua verdadeira voz e uma perfeita desafinação, comprovando como realmente subiu na carreira. Um apresentador do canal descreveu-a como "a pior performance de toda a história do SNL". Contudo, como Lana havia feito boquete para as pessoas certas, entre as quais Daniel Radcliffe, a maioria ignorou o caso, tentando encobrir a falta de talento da pseudocantora com desculpas como "estava nervosa e ansiosa", "ela é uma compositora fantástica", enfim... Conseguiram puxar os cordelinhos tão bem, que passado pouco tempo os indieotas já estavam a comprar ingressos para os shows dela.

Em 2013, armada em roteirista e pseudoatriz, lança sua curta-metragem de 27 minutos e já são demais, Tropico, que inclui três músicas do EP Paradise: Body Eletric, Gods and Monsters e Bel Air. Longe de ser algo "inovador" ou "original" como os hipsters e os indieotas que tem como fãs querem fazer parecer, essa porra é do mais clichê que pode existir: uma adaptação "moderna" da estória de Adão e Eva, com Lana no papel de Eva, e no Jardim do Éden também estão Elvis Presley, Marilyn Monroe e Jesus Cristo. Também faz papel de Stripper em algum clube de Los Angeles; o que não foi difícil para ela, basta relembrar sua profissão antiga.

2008: Kill Kill[editar]

A capa do disco mostra a época em que Lana Del Rey era pobre e usava miojo na cabeça
  • 1. Kill Kill : Que puta bota puta nisso de criatividade;
  • 2. Yayo : Parece ser o nome de mais algum cliente;
  • 3. Gramma (Blue Ribbon Sparkler Trailer Heaven) : Lana relembra da época que fumava e vendia maconha e bebia algum caralho de bebida azul no seu trailer.

2010: Lana Del Ray a.k.a Lizzy Grant[editar]

A capa do disco mostra a época em que Lana Del Rey era prostituta
  • 1. Kill Kill : AGAIN??? Achou que isso ainda tinha capacidade de vender depois do fracasso;
  • 2. Queen Of The Gas Station : Rainha da Estação de Gasolina - Se refere aos seus tempos de prostituição, onde seu ponto habitual era um qualquer posto de abastecimento combustível nos EUA;
  • 3. Oh Say Can You See : Oh, Diz Que Me Consegue Ver - Essa música foi cantada a Stevie Wonder, ao que ele respondeu Oh You Know I Can't, Bitch;
  • 4. Gramma (Blue Ribbon Sparkler Trailer Heaven) - AGAIN??
  • 5. For K Part 2 : Paródia do Jurassic Park, esse filme passou pela cabeça de todos que viram Lana sem maquiagem...
  • 6. Jump : Saltar - A verdade é que Lana del Rey já engravidou diversas vezes aos 12 anos de idade, e como o aborto não era legalizado, Lana decidiu praticar Parkour para ver se de tanto pular, o bebê morreria e escorreria de sua menstruação;
  • 7. Mermaid Motel - Motel Sereia - Ela costuma anotar o nome de todos os motéis pra onde vai. O motivo? Ah, sei lá
  • 8. Raise Me Up (Mississippi South) : Raise Me, segundo o Google Tradutor não quer dizer porra nenhuma, mas podemos deduzir que seja Me Chupe, visto que ela foi flagrada praticando botanofilia no sul do Mississississississississississippi, citado no nome da música
  • 9. Pawn Shop Blues : Paus Azuis do Sex Shop - Lana revela sua cor favorita de vibrador
  • 10. Brite Lites : Luzes Brilhantes - Suas experiências com LSD
  • 11. Put Me In A Movie : Coloque-me em um Filme - Lana Dey Rey sempre sonhou participar daquelas pornochanchadas que passam no Cine Privé
  • 12. Smarty : Espertinho - Lana fala sobre quando foi comida e o cara tentou fugir sem pagar
  • 13. Yayo : AGAIN??? Esse cliente marcou a vida de Lana

2012: Born to Die[editar]

A capa do disco mostra como Lana Del Rey ficou depois de virar crente
  • 1. Born To Die : Nasci pra dar - Lana fala acerca de seu destino
  • 2. Off To The Races : Tô fora da sua Rola - Sem a rola do cafetão, ela não sobe na carreira;
  • 3. Blue Jeans : Xota azul - Relata o dia em que teve mais clientes, e ficou tão dorida e inchada que teve de botar gelo
  • 4. Video Games : Fui trocada por lol - Relato de uma experiência sexual que teve com Nerd;
  • 5. Diet Mountain Dew : Dando na montanha - Para lançar essa porra de álbum, Lana teve de dar numa serra qualquer;
  • 6. National Anthem : Hino do Bordel - Lana faz homenagem à Casa da Mãe Joana, na qual já trabalhou;
  • 7. Dark Paradise - Negão para dar - Fala sobre seu gosto por chocolate;
  • 8. Radio : Vibrador - Música dedicada ao seu brinquedo favorito;
  • 9. Carmen : Carminha - trilha sonora de "Avenida Brasil";
  • 10. Million Dollar Man : Lana tem um infarto - Quando Lana vê a rola de seu cafetão ela infarta na hora, e é levada para o hospital, mas ela não contava que seu cafetão iria se desculpar com dinheiro e de agora em diante ela finge um infarto quando vê a rola dele só para ganhar dinheiro;
  • 11. Summertime Sadness : Tô Bem Triste no Verão - Pagando pau para Gótica, Lana não gosta de ir na praia e tomar sol;
  • 12. This Is What Makes Us Girls : É Isto que Faz de nós Putas - Faz uma listagem dos pré-requisitos necessários para ser puta;
  • 13. Without You : Sem sua pica - Lana sente muita saudade dos vários pênis que marcaram sua vida;
  • 14. Lolita : Putita - Fala dos tempos passados de putaria com suas amigas sempre que fugiam do internato do Connecticut com seu tio engraçadão, Gene, para ir ao cabaré com roupas estilo rainha asiática dos anos 50 que se prostituiu;
  • 15. Lucky Ones : Amo uma Rola - Lana acha que eles são sortudos por estarem prestes a transarem, só que seu companheiro não sabe que ela tem pau.

2012: Born to Die - Para Dar Editon[editar]

  • 1. Ride : cavalgar - Lana fala de uma de suas posições sexuais favoritas ;
  • 2. American : Negão Americano - Com participação especial de Barack Obama;
  • 3. Cola : Buceta com aroma de Pepsi Cola - Lana diz que sua perereca tem sabor de Pepsi, claramente um patrocínio;
  • 4. Body Electric : Bode elétrico - Relato de uma experiência erótica que teve quando foi electrocutada uma vez e esteve à beira da morte;
  • 5. Blue Velvet : Velcro azul - Fala das calças favoritas que seu cafetão usa;
  • 6. Gods & Monsters : Jesus e o capeta - Lana diz que é um anjo Backyardigan, quer ser comida por ambos seres da cultura cristã (pois ela é crente), que quer fama, cachaça e ser amante de alguém como Jim Morrison;
  • 7. Yayo : Lana volta a usar essa música de uns dos seus primeiros álbuns que é muito chata, mas muito usada como sonífero e anestesia;
  • 8. Bel Air : Pel Ada - O que Lana mais gosta é de andar pelada;
  • 9. Burning desire : Fogo no Rabo - Lana está louca para dar.

2014: Ultraviolence[editar]

A capa do disco mostra a época em que Lana Del Rey ainda não tinha uma câmera moderna e colorida
Mostrando seu instrumento de trabalho e não é para cantar.
  • 1. Cruel World : Cafetão Cruel - Lana fala acerca daquele que uma pessoa normal consideraria o pior cafetão que ela teve porque lhe enchia a cara de porrada mas ela gostava;
  • 2. Ultraviolence - Drogas - Lana fala acerca de como adorava ser "drogada" pelo cafetão (porque ela é retardada e não sabe diferenciar sal de cocaína");
  • 3. Shades of Cool : Chá de cu - Lana fala sobre o seu novo chá feito com a água da chuca;
  • 4. Brooklyn Baby : Putinha de Brooklyn - Relembra seu passado de prostituição nessa cidade;
  • 5. West Coast : Favela Oeste - Relembra quando morava lá no trailer podre;
  • 6. Sad Girl : Vadia Depressiva - Aquilo que Lana acha que é;
  • 7. Pretty When You Cry : Choro quando você Mete - Fala sobre a dor que sente quando faz sexo anal;
  • 8. Money, Power, Glory - Dinheiro, Poder, Gozar - Tudo o que Lana quer na vida;
  • 9. Fucked My Way Up To The Top - Transei meu Caminho para Fama - Explica como subiu na carreira;
  • 10. Old Money : Golpe do Baú - Quer dar o golpe no cafetão, mas ele não se deixa enganar;
  • 11. The Other Woman : A Outra Puta - Lana choraminga por seu cafetão ter outras putas para além dela;
  • 12. Black Beauty : O Volume do Negão - com participação especial de Mr Catra;
  • 13. Guns And Roses : Paus e Xoxotas - Fala sobre os tempos de putaria passados com Axl Rose;
  • 14. Florida Kilos - Kilos da Flórida - Música acerca do tráfico de cocaína na Flórida e de suas noitadas passadas com Maradona;
  • 15. Is This Happiness : Isso É Felicidade - Lana descreve seu sentimento quando a rola cabe na perfeição;
  • 16. Flipside : Dar de ladinho - Para Lana, qualquer posição é boa.

2015: Honeymoon[editar]

Não engana: já vem dormindo na capa, mesmo.
  • 1. Honeymoon : Gozo de Mel - Música sobre esperma, basicamente.
  • 2. Music To Watch Boys To : Música Pra Ver os Boys - Lana criou essa música para as garotas terem banda sonora na hora de siririca;
  • 3. Terrence Loves You : Terrence Me Fode - Lana canta sobre o seu mais recente cafetão;
  • 4. God Knows I Tried : Deus Sabe que Transei - Lana vai na igreja confessar seus pecados porque é cristã;
  • 5. High by the Beach : Chapada Na Praia - Um dos passatempos favoritos de Lana quando seus fãs tentam acampar em sua casa;
  • 6. Freak : Zoofilia - Lana relata a estória de quando seu cafetão tentou obriga-la a dar para um cavalo, qual Cicciolina;
  • 7. Art Deco : Arte da Foda - Uma que Lana Del Rey não domina, mas quer vir a dominar;
  • 8. Burnt Norton : Dei no Norte - Mais uma estória dos seus tempos de prostituta (também é só sobre isso que ela sabe cantar, mesmo);
  • 9. Religion : Seita - Depois de vender a buceta alma ao Capeta para subir na carreira;
  • 10. Salvatore : 'Lana quer entrar no The Vampire Diaries;
  • 11. The Blackest Day : Dia de Dar pra o Negão - Segundo, Lana o melhor dia para dar para o negão é à sexta;
  • 12. 24 : 24 - Música que fala sobre o número de pactos que fez com o capeta pra virar uma cantora (de merda);
  • 13. Swan Song : Som do Orgasmo - A melodia favorita de Lana;
  • 14. Don't Let Me Be Misunderstood : Não Me Deixe Mal Fodida - Faz um apelo para o James Franco.

2019: Norman Fucking Rockwell[editar]

  • 1. Norman Fucking Rocwell : Macho Infantil - Lana transa com um homem muito infantil e que fode muito bem, conta como ele é selvagem mas faz muita merda.
  • 2. Mariners Apartment Complex : Foda no Apartamento - Música sobre sua primeira foda no Complexo de Apartamentos Mariners tirou sua trizteza de contexto.
  • 3. Venice Bitch : Vadia-Veneno - Lana escreveu essa música quando estava sem criatividade e resolveu plagiar Ritchie, que grita a música "Menina Veneno", já que era um ser made in Brazil, ninguém desconfiaria da plágio. A música conta sobre quando Lana era mais Hippie do que hoje em dia e morava na praia, Venice Beach. Ela era pobre, e como já sabemos, se prostituía. O que não sabíamos é que a praia que ela morava era de nudismo, como ela era a única mulher jovem que habitava a praia, os cafetões sempre queriam ela, então transavam alí mesmo. Em um certo dia Lana deu para um homem muito bonito, gostoso e bom de canga (já que ela não tinha cama), eles transaram pra caralho e Lana conseguiu um bom dinheiro com esse cliente, mas ela acabou se apaixonando pelo cidadão. Ela anotou a placa do carro dele (que era 605T0-D3-C0M3R-0-CÜ-D45-M3ND164) e viu que ele era do Texas. Ela pediu carona para uns jovens maconheiros e seguiu viagem, mas acabou parando no México como imigrante ilegal, sem saber. Por isso nenhum hotel aceitava ela, então ela voltou a morar nas praias e começou a plantar maconha perto da areia. 3 anos se passaram e ela viu um carro com a placa 605T0-D3-C0M3R-0-CÜ-D45-M3ND164 e se jogou na frente do carro, o homem saiu do carro e xingou a pobre sem teto, então ela disse "Sou sua vadiazinha de Venice Beach", o que ela não sabia é que o cafetão tinha se casado, tinha 2 filhos e estava de férias com sua família, sua esposa ouviu e foi ver o que estava acontecendo, Lana explicou tudo, mas ela não tinha uma noção de tempo, por isso a mulher achou que seu marido estava a traindo, o rapaz explicou a situação, levou Lana para o hotel que ele estava e os três transaram
  • 4. Fuck it I love you : foda-se, eu fodo com você - Lana conta sobre quando ela chegou na Califórnia, ela era pobre e se prostituía, nessa época de vida ela gastava todo o seu dinheiro em muitas drogas, então ela injeta marca texto amarelo neon em sua veia para poder transar com um cliente que não lava o cu.
  • 5. Doin' Time : hora de fuder - Fala Sobre como ela fodia bem Louie (Sim, Lana gosta de buceta também), mas era tratada como merda, e ficou pistola quando descobriu que ela saía dando para todo mundo menos para Lana.
  • 6. Love Song : Foda no carro - Música sobre sua primeira foda no carro novo de seu amado, e fala como ela gosta de ouvir a canção de amor deles (gemidos) .
  • 7. Cinnamon Girl : gosto de pica-nela - Britney Spears dos hippie maconheiros fala sobre a primeira vez que se prostituiu, para achar o cafetão perfeito ela precisou de ajuda de seu tio engraçadão. Ela conta que ele tinha bafo de pica-nela, o que fez Lana pensar que ele fosse gay e estava ali para provar sua masculinidade para seus amigos. Lana acaba se apaixonando, por isso ele toma pílulas para expulsar a amante, pois ele pensa que é algo de sua cabeça
  • 8. How to Disappear : como esquecer as contas atrasadas - Lana conta sobre seu fetiche por homens que tem a letra J como inicial de seu nome. Os dois amantes da pobre (literalmente) moça começam a brigar para ver quem conquistará ela. Mas Lana não gosta de ver os machos brigando, por isso sugere que o relacionamento seja à três, Joe aceita, mas John não gosta muito da sugestão, por isso enche a cara com o dinheiro que era para pagar as contas atrasadas da jovem, Lana decide fazer o mesmo, já que é pobre e tem muitas contas pra pagar. O tempo passou e os agora maridos de Lana têm muitas relações sexuais, então Lana engravida, tem um filho e adota dois gatos, pois John encontrou um na frente de um bar e Joe encontrou o outro na frente de um cabaré.
  • 9. California : Transe no seu ritmo - Lana fala que quando ela e seu homem estão transando ele não precisa ir muito rápido e tão forte e sim como ele fode normalmente, além de falar que se ele voltar para a Califórnia ele tem que ligar para ela e marcar a transa.
  • 10. The Next Best American Record : Sexo Atrasado - Música sobre como eles estavam obcecados para escrever uma fanfic que esqueceram de transar, mas após um tempo não se conteram e se comeram.
  • 11. The greatest : A maior pica - Lana relembra um caso em que ela transou com Kanye West e viu sua pica gigante de 28 cm, ela ficou triste porque se mudou e ficou com saudade da picona do seu macho. Se passaram muitos anos depois da época dos dinossauros e ela encontrou ele novamente só que ele estava loiro mas felizmente sua pica estava igual (ela só o reconheceu por causa da pica que tanto chupou).
  • 12. Bartender : Pica alcoólica - Lana Del Puta conta como foi fazer sexo selvagem com um Bartender. Ela fala que ela estava drogadona e comprou um caminhão no meio de noite e dirigiu até um bar onde comprava sua cachaça de todo o dia, como ela não tinha dinheiro ela foi transar com o Bartender gay que precisava pagar de hétero, ela fala que a experiência foi estranha porque o Bartender fez ela se vestir de homem e ele queria que ela enfiasse uma rolha no cú dele, mas a experiência valeu a pena mesmo sua pica sendo pequena ela tinha gosto de cachaça. Ela chupou até ficar beba e foi dirigir para puta que pariu, no caminho acabou atropelando um mendigo, por sorte ele morreu e restou a garrafa de pinga que ele ia beber. Lana Del Puta pegou a garrafa e bebeu a pinga até ter uma overdose no meio do nada.
  • 13. Happiness is a butterfy : Borboleta bêbada - Lana conta de quando roubou uma loja de fantasias e se vestiu de borboleta. Ela saí dando o cú por aí até achar um borboleto muito bonito que ela caçava toda a noite mas ele sempre fugia dela, ela ficava triste e chorava ao lembrar que não conseguia pegar ele e nem pagar suas contas porque era pobre demais. Até que um dia ela foi voar por aí atrás de seu borboleto e encontrou ele dando o cú para um outro borboleto. Lana fica puta e mata os dois, pega a pica de ambos e enfia no seu cú. Ela acorda no meio do nada e percebe que foi tudo um sonho.
  • 13. hope is a dangerous thing for a woman like me to have- but i have it : Esperança de ser ryca - Lana joga na mega-pobre e ganha 20 dólares pra comprar suas drogas, ela pega o dinheiro e anda até o traficante Osvaldo, chegando lá ela é assaltada por Marilene a sua inimiga, e ela fica sem nada de dinheiro e então vai se prostituir no cabaré Mc'Donalds. Com esse dinheiro ela joga novamente na mega-pobre, só que dessa vez ganha 500 dólares, assim ela compra uma bazuca. Ela sai andando com a bazuca e acha Marilene trocando o absorvente no posto de gasolina, assim ela atira no cu de Marilene e a mata, só que acaba explodindo o posto e fica com queimaduras no cu e no xibiu.

Enquanto Patty "Musa dos Hipsters"[editar]

Vestida para o funeral do cafetão, um qualquer velho de Hollywood a quem suga a reforma e se mantêm na fama.

Para além da sua carreira de puta paga de velhos da indústria musical estadunidense e de Hollywood, Lana Del Rey também é conhecida pelo seu estilo brega numa tentativa de imitar a moda das décadas de 1950 e 1960: devido ao seu estilo ridículo e de ser uma das celebridades mais mal-vestidas do mundo, é considerada musa para os Indies, que acham que ela é a "salvadora do Rock".

O gosto por bijutarias e maquiagens ridículas catapultou-a para o estatuto de "deusa" do Panteão Hipster.

Iniciou sua carreira de modelo em 2011, quando é contratada pela agência Next Model Management, não que seja difícil entrar nessa porra, já que estão lá subcelebridades como Alexa Chung, Ali Lohan e Solange Knowles. Nesse ano, depois de passar no teste do sofá, consegue aparecer na capa da Q Magazine, e, em 2012, na Billboard. Tudo quanto é revista de música em que, supostamente, devia aparecer, está quieto. Também posou para a Vogue italiana como Bond girl da Década de 60, para continuar a se autopromover.

Em 2012, Lana Del Rey já é um fenômeno mundial de alienação indie e hipster, pelo que a multinacional sueca de roupa H&M a escala como modelo da campanha de Outono, para vender sua roupa aos seus fãs alienados. Resultante dessa parceria, Lana arruína o clássico Blue Velvet com seu cover que dá sono a todo o mundo que o escuta e sua voz está tão trabalhada por computador que faz doer o cérebro (de quem o tem).

Em 2013, surge na capa da revista francesa L'Officiel, segurando rosas vermelha, sendo "romântica" e essa porra toda. Ou seja, para além da indústria da música estadunidense, também a indústria da moda vai querer promover Lana Del Rey a todo o custo (já que ela andou fazendo boquete no sítio certo), apresentando-a como "super fashion", "clássica" e "boémia", ainda que esteja constantemente a ir parar à lista das "celebridades mais mal vestidas do tapete vermelho" daqueles programas sopeiros para pattys e anoréxicas que fazem cobertura aos Globos de Ouro, Óscares, MTV Awards, e essas bostas todas de entrega de prêmios com voto comprado por ignorantes alienados. Por razões misteriosas e que ainda estão por apurar, em 2014, Lana Del Rey conseguiu transar seu caminho até à fama ficar em 70º posição na lista das "100 Mulheres mais Sexys do Mundo" da FHM.

Seus Fãs[editar]

Lana Del Rey mente pra caralho que nem seus fãs sabem quem ela é.

Cquote1.png Você quis dizer: Hipster Cquote2.png
Google sobre Lana Del Rey

Crystal Clear app xmag.pngVer artigo principal: Hipster
Crystal Clear app xmag.pngVer artigo principal: Indie
Crystal Clear app xmag.pngVer artigo principal: Gay

Os fãs de Lana Del Rey tendem a ser emos metidos a Hipster, ou gays dentro do armário, bichas enrustidas ansiosas para se assumirem: pode dizer-se que Lana del Rey é a Lady Gaga ou a Madonna dos indieotas. Mesmo após prova fílmica em direto de como sua ídola não tem o mínimo de talento e que subiu na carreira porque se prostituiu para dinossauros da indústria da música e outros velhos de Hollywood, o que a própria admite, estes alienados continuam defendendo-a, argumentando que ela é a "maior diva", "muito inovadora" e "ousada", e mesmo que fale de putaria e do seu passado de stripper e de prostituta em 99% das suas músicas, continuam dizendo que isso é só "imagem" e que "sabem quem ela verdadeiramente é", como se tivessem sido amiguinhos júniores dela.

(Des)Fatos sobre Lana Del Rey[editar]

Usando o carro de algum dos seus Sugar Daddies como assento.


Afiliados[editar]