Leblon

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para navegação Ir para pesquisar

Cquote1.png Experimente também: Cocaína Cquote2.png
Sugestão do Google para Leblon
Cquote1.svg Tem coca aí na geladeira? Cquote2.svg
Típica pergunta de um morador do Leblon
Cquote1.svg Eu tenho uma mansão lá Cquote2.svg
Paulo Maluf sobre Leblon
Cquote1.svg I love Leblon Cquote2.svg
Sérgio Cabral sobre Leblon
Cquote1.svg Vou ali bater um Jiraya Cquote2.svg
Morador do Leblon indo ao banheiro
Cquote1.svg É onde eu quero morar Cquote2.svg
Ator de malhação da Globo pensando onde ele nunca chegará
Cquote1.svg Meus melhores clientes! Cquote2.svg
Fernandinho Beira-Mar sobre Leblon

Bairro do Lebronx Leblon. O bairro mais metido do RJ.

O Leblon é um bairro que por acaso fica na zona sul da Cidade do Rio de Janeiro, mas que poderia ficar em qualquer outro lugar do mundo, já que é praticamente um universo paralelo. No local, como sabem todos que já viram alguma novela do Manoel Carlos, as pessoas tomam café da manhã o dia inteiro, têm carros enormes e se preocupam apenas em meter um chifre na cabeça do marido ou da mulher. Pobre lá só entra de crachá e uniformizado, e ainda assim se for prestar algum serviço. Portanto, pode perder suas esperanças de morar lá.

História do bairro[editar]

Como tudo que envolve uma produção do Manoel Carlos, o nome do bairro se deve a uma bola nas costas. Diz a lenda que os primeiros moradores do local foram um casal de escravos recém-alforriados que conseguiram comprar um apartamento de dois quartos perto da praia num feirão da Caixa Econômica Federal. Para mantê-lo, no entanto, o marido arranjou um emprego num navio, e por isso tinha que passar longas temporadas no mar.

Consta que um dia, ao chegar em casa, deparou-se com cinco crianças gêmeas, de pele escura como a sua mas com cabelos louros como cantores de pagode. A mulher disse que todos eram seus filhos e, como o marido desconfiava por causa da cor de seus cabelos, ela afirmou que passava Blondor na cabeça das crianças para deixá-las mais bonitas. O pai ficou satisfeito com a explicação e aceitou os filhos. Ele aceitou inclusive que seu vizinho, um padeiro francês que tinha cabelos da mesma cor dos garotos, passasse a visitá-los para ensinar-lhes a língua (e sua mulher dizia para todo mundo que o talento dele com a língua era incomparável).

Como toda fofoca, a história correu pela cidade e, em pouco tempo, todos passaram a frequentar a praia para rir da cara do "pai" das crianças. No início o local começou a ser conhecido como Praia do Corno, mas como tudo que é estrangeiro vende mais, resolveram mudar para Praia do Blondor, que acabou virando Leblon.

Geografia e cotidiano[editar]

O Leblon faz fronteira com o bairro de Ipanema, onde as pessoas são escrotas e possui a favela Cruzada São Sebastião e o morro do Vidigal. Ladrão morando lá é o que não falta! O leblon é Tudo de bom meu amigo. SQN. Meninas passam com seus Iphones de um lado a outro, comprando na Renner do shopping Leblon e gastando dinheiro. Do outro lado, que permanece sob vigilância de tropas armadas 24 horas por dia, o bairro se limita com a favela do Vidigal. No entanto, a prefeitura pretende instalar, até o fim do ano, um muro de vidro blindado coberto de insulfilme para que a vista do mar não seja prejudicada por uma coisa tão desagradável como uma favela.

Por assemelhar-se mais a uma cidadezinha no interior da França do que a um bairro carioca, os moradores do Leblon não passeiam pela cidade. Em vez disso, vão para Paris, considerado o município ao qual o local verdadeiramente pertence. Próximo ao Natal, os moradores instalam máquinas de neve nas ruas, para matar a saudade das festas que passaram em lugares tão civilizados quanto lá. A pobralhada morre de inveja de quem mora lá.

Fatos das pessoas do Leblon[editar]

  • As pessoas do Leblon não querem papo com pessoas de outros bairros (pobretões).

Cquote1.svg Moro numa Kitnet alugada com mais 7 pessoas, mas moro no Leblon! Cquote2.svg

  • A Cruzada São sebastião, o Favelão (vulgo Selva de Pedras) e o minhocão são favelas chiques ou o chique é ser favelado do Leblon?
  • As mulheres de lá são ruins de comer.
  • As praias são limpas.
  • O bairro é rico.
  • Os hotéis tem tudo que uma casa pode ter, como sala, cozinha, quarto e banheiro (E hotel não tem isso. Isso é considerado exagero que alguém o projetou, porque hotel só tem suíte, um hotel normal)
  • As mulheres de lá são peruas.

Réveillon[editar]

É assim que fica a praia do Leblon no Réveillon. Sem ninguém, porque o povo é metido e não gosta de nada como o Réveillon. Mas não deu para fotografar os dois bairros que fazem fronteira: Leblon e Ipanema. Porque só deu para fotografar Leblon, mas Ipanema, se eu tivesse fotografado, vocês viriam o quanto tinha festa de Réveillon.

No Réveillon, as pessoas do Leblon não saem meia-noite para comemorar o ano novo, porque eles não gostam de Réveillon, são metidos e ficam em casa no Réveillon. A praia fede um pouco mas quando você entra na água nem sente porque já tomou um caixote e saiu com a cueca cheia de areia.

Ver também[editar]