Luiz Henrique Mandetta

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para navegação Ir para pesquisar
Placa à direita.png Este artigo é coisa de conservador!

Ele(a) odeia minorias, acredita em marxismo cultural e é contra a maconha mesmo fumando charuto.
Provavelmente deve ser algum(a) careta preconceituoso(a) dos tempos da sua avó.
Viva Ronald Reagan!


Luiz Henrique Mandetta
Mandetta.jpg
Mandetta preocupado se Bolsonaro fará alguma merda
47° Ex-Ministro da Saúde do Brasil, Ex-Deputado federal do Mato Grosso do Sul e Ex-Secretário de Saúde de Campo Grande
Partido DEMONIO
Perfil
Nascimento
31 de março de 1964, Campo Grande, link={{{3}}} Mato Grosso do Sul, Bandeira do Brasil Brasil
Partido DEMONIO
Profissional
Profissão Político ladrão e médicuzinho nas horas vagas
Escândalo Renegado do governo Bolsonaro.
Dados Pessoais
Sexo Heterossexual (até onde se sabe)
Nível de Inteligência Alto é inteligente o suficiente para conseguir ganhar mais popularidade que o próprio presidente
Plástica(s) Praticamente todas, afinal é um médico
Vícios Claustrofobia
Preferências
Livro Nuvola apps bookcase.svg Os Três Porquinhos
Música Emblem-sound.svg O Dia Em Que A Terra Parou de Raul Seixas
Prato Peixinhos no aquário
Filme Contágio (2011)
Time pesquisa no Google


Cquote1.svg Você quis dizer: Luiz Henrique Punhetta? Cquote2.svg
Google sobre Luiz Henrique Mandetta

Cquote1.svg Alguns dos meus ministros se tornaram estrelas, primeiro Mandetta, depois Sérgio Moro. O Mandetta e eu não estamos nos bicando, o casamento acabou e não tenho medo de usar minha caneta. Cquote2.svg
Jair Bolsonaro

Cquote1.svg Pegue sua caneta e enfie no seu orifício anal, senhor presidente! Você conversa e o camarada muda o discurso de novo. Já chega, né? Cquote2.svg
Luiz Henrique Mandetta sobre Jair Bolsonaro

Cquote1.svg Foco, ciência, fique em casa, o pico da pandemia vai ser em Maio, Junho, Julho, Agosto... foco Cquote2.svg
Luiz Henrique Mandetta sobre Seu método de enfrentamento a Covid-19

Cquote1.svg Amiga, você precisa ver o tamanho do pico do Mandetta! Cquote2.svg
Pablo Vittar sobre Luiz Henrique Mandetta

Luiz Henrique Mandetta ou Maneta é um político brasileiro e pseudo-médico nas horas vagas. Ficou conhecido mundialmente após ter sido o primeiro (de muitos) Ministro da Saúde no governo de Jair Bozonaro, quando foi demitido sem justa causa, por divergências com o atual ditador militar do Brasil quanto à política de isolamento social no período da pandemia de COVID-19.

Biografia[editar]

Mandetta cursou medicina na Universidade do Doutor House. Seguiu especialização em ortopedia e deixou aleijados vários pacientes. Também atuou como médico militar do Sargento Pimenta. Porém, vendo que poderia enriquecer ainda mais no ramo da política, seu primo, Nerso da Capetinga, o convidou para assumir a Secretaria Municipal de Saúde, seu primeiro cargo público da carreira de médico.

Durante seu mandato como secretário, ele, junto com o prefeito e outros ladrões, sofreram acusações de fraude, tráfico de drogas e caixa dois. Mandetta nega tais acusações pois não sabia de nada. Sim, é o que todos dizem.

Deputado Federal[editar]

Mandetta, embora ninguém saiba, também foi deputado federal em 2010. Foi oposição ao Governo de Dimula Roussef por declarações excêntricas da presidanta como a saudação da mandioca por exemplo, além do programa Mais Médicos Cubanos Comunistas e da legalização do aborto. No entanto, Mandetta mostrou ser a favor da maconha, pois todos sabiam que ele sempre adorou "dar um tapa na pantera".

Ministro da Saúde[editar]

Mandetta mostrando com precisão quando seria o "pico" do Coronavírus.

Mandetta era um completo desconhecido até 2020, quando ganhou fama internacional durante a Pandemia de Covid-19 ao mostrar o quão imbecil é o presidente Jair Bolsonaro diante de tal calamidade, que ceifou milhares de vidas humanas, animais e até alienígenas.

Tudo começou em 20 de novembro de 2018, quando Mandetta foi confirmado pelo Bozo para assumir o Ministério da Saúde (cargo que posteriormente teria várias pessoas no mesmo mandato, não necessariamente médicos). O casamento gay de Mandetta e Bolsonaro foi confirmado no dia 1 de janeiro de 2019. Como ministro, ele moderou seu discurso, evitando se meter em qualquer das muitas burrices cometidas pelo então Presidente durante seu mandato fracassado.

Porém, nos primeiros meses de 2020, Mandetta se tornou a principal estrela de Hollywood do Governo Bolsonaro, ganhando expressiva notoriedade no combate à pandemia de COVID-19 sendo constantemente capa de revistas, convidado para participar de vários programas de televisão, conseguindo muitos fãs e assinando diversos autógrafos, o que causou ciúmes no então Presidente, que como todo palhaço, gosta de ser o centro das atenções.

A partir daí, o "casamento" entre os dois foi desmoronando aos poucos já que Mandetta, como médico responsável, sempre foi a favor do isolamento social, do uso de máscaras e de lavar as mãos, coisas que Bolsonaro sempre se mostrou contra por ser um perfeito idiota e por causa da quebra da economia brasileira, além de não estar "nem aí" com a vida do povão, porque "não era coveiro" e "tinha um histórico de atleta".

Bolsonaro então, fez de tudo para que Mandetta pedisse demissão do cargo através de suas infantilidades como causar aglomerações com o seu gado e com uso de fake news nas redes sociais, dizendo que tudo não passava de uma "gripezinha". Mandetta, por sua vez, juntou forças com o governador de São Paulo, João Dodoria ( vulgo Homem Brinquedo para os íntimos), que se mostrou favorável ao isolamento social a fim de derrubar a imagem do Bozo e assim se candidatar a presidente em 2022 como bom tucano traíra que ele é.

A mídia (leia-se Rede Globo) logo especulou que a situação havia tornado as opiniões de Mandetta melhores aceitas que as do presidente Boçalnaro e principalmente quando o mundo inteiro entrou em quarentena, mas mesmo assim, Solnorabo foi o único na época que lutou contra o Lockdown, afirmando que quem não saísse para trabalhar era vagabundo. Por fim, Jair acabou aderindo (contra sua vontade) ao auxílio emergencial para ajudar os brasileiros menos favorecidos durante a crise...como o Silvio Santos, por exemplo.

Posteriormente, Bolsonaro teve uma "conversinha" com Mandetta, que em uma coletiva, mostrou-se de acordo com o discurso idiota do presidente e mandou todo mundo sair para as ruas e fingir que nada estava acontecendo. Mas uma semana depois, após ver que o número de cadáveres triplicou, logo obrigou todo mundo a ficar preso dentro de casa, sem trabalhar e fazer sexo até que encontrassem uma cura para a doença. E assim, os vários governadores do Brasil passaram a acreditar em Mandetta e todos fizeram o mesmo em seus estados, passando a ignorar o palhaço do Bolsonaro, que ficou puto da vida.

Após o Pato Donald realizar testes com o uso da cloroquina no combate ao coronavírus, Bolnossauro passou a criar passeatas de pirracha (como uma criancinha de 6 anos) defendendo o uso do medicamento (que até então não é aconselhável) quando Mandetta o criticou. No dia seguinte, sites do "Clã Bolsonaro" surgiram com Fake News dizendo que Mandetta seria exonerado e fuzilado pelo DOPS e substituído pelo careca Osmar Terra que nem sequer médico é. A notícia de que Bolsonaro tentaria matar Mandetta gerou mobilização de políticos, comunistas e gays em favor da permanência do ministro.

Logo, foram feitas inúmeras pesquisas pelo PT, que mostraram que Mandetta poderia até ser presidente nesse mandato mesmo no lugar de Bolsonaro, caso ele fosse deposto. Por outro lado, o ministro Onyx Lorenzoni criticou a atuação de Mandetta e revelou que tinha vontade de "cortar a cabeça dele" por causa do auxílio emergencial. Por fim, Mandetta foi demitido por Roberto Justos em 16 de abril de 2020 e assim, assinou o papel de divórcio com Jair Bolsonaro, sendo substituído na sequência pelo médico Nelson "Tropeço" Teich e por mais trocentos Ministros da Saúde diferentes (não necessariamente médicos). Depois disso, Mandetta nunca mais foi visto. Fontes confiáveis dizem que ele se isolou para sempre em sua residência com sua família e todos morreram de fome, assim como Bolsonaro também faleceu alguns meses depois de Covid-19.

Ver também[editar]