Manhattan

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa

Cquote1.png Experimente também: Cheiro de esgoto Cquote2.png
Sugestão do Google para Manhattan

Manhattan uma parte de uma ilha estadunidense que foi tão bem planejada que um mero ventinho ou chuva mais forte a deixa pior do que São Paulo nos dias de enchente, pra ter uma ideia dessa parte não muito diferente de Nova Yorque e, da inteligência e consideração aos habitantes de quem a fundou... Ou afundou, sei lá, tanto faz como tanto fez... E parece que fizeram tanta merda ao fundar esse distrito, que em homenagem ao esmero, o cheiro da cidade é um tal odor maravilhoso de bosta, que a maioria dos estrangeiros que por lá passam, ficam com essa impressão, e deve ser verdade, pois o nariz de tanta gente não estaria enganado. Claro que um bairro não é feito apenas de cheiro, então Manhattan deve ter lá suas compenssações e falaremos delas, para estragar suas agradáveis surpresas, caso um dia passe por lá.

Surgiu como[editar]

Comida boa que se encontra em Manhattan.
Mais artificial que isso, só o suco de laranja encontrado por lá.

Digamos bairro pra descomplicar, porque essa mania de organização não adianta muito, é só simbolismo, ou para ter uns cuecas a mais se sentindo importantes por cuidar de tal parte, mas nem chegam a fazer o que um vereador que preste consegue. Agora vou revelar uma coisa: Manhattan já foi um lugar decente e bom... No tempo em que só haviam indios por lá :D Depois da exploração, a colonização e, na independência, tentou-se retomar a dignidade do lugar e conseguiram... Fazer parecer que aquela parte da ilha era algo que prestasse e tem gente que acredita. Manhattan é portanto velha como a independência, ou seja, vem sendo fodida há muito tempo, essa é a conclusão, nem poderia ser diferente, é a parte de Nova Yorque mais conhecida, talvez por isso fede tanto, mas isso do fedorzão de esgoto nunca é resolvido porque parte do tempo o fedor fica disfarçado na fumaça, e ainda, os moradores já se habituaram a sentir aquilo, assim fica como uma pedrinha acomodada no calçado. Enquanto que outros lugares tem cheiro de eucalipto com brisa suave, esse bairro (e mesmo a cidade toda) tem esse odor vergonhoso, mas foda-se eu nunca vou pra lá mesmo... Ou quem sabe, pagando bem que mal tem, mas isso é outra história. Já que não há muito segredo de como essa parte da ilha infelizmente se tornou em Manhattan, vamos às partes principais, que estão longe de ser onde se faz mesmo algo que preste, mas que seja.

Central Park[editar]

Transeunte habitual.
Um habitante curtindo um maravilhoso dia de neve.

Originalíssimo nome para o parque central (...), não tem nada demais, talvez de menos tenha, o que se acha aí são putas, travecos, e gente meio lunática, mas um espécime de lunático que contém a noia com um rizinho acomodado, mas isso nem disfarça nada, se vê a doideira na cara. Gente zanzando pra lá e prá cá, nenhuma novidade nisso, mas só dá bicho estranho mesmo, as citadas putas e travecos são a coisa menos estranha que se acha no Central Park, pra se ter uma ideia, nem pense que as famílias com pirralhos e tals que passam por lá são muito diferentes, pelo contrário, são mais estranhos ainda, os pais de família são tudo tipo o Robin Willians e depois disso, nem preciso explicar mais nada.

Ilusoriamente é para que se dê um descanço do ritmo da metrópole, mas a arborização desse parque não ajuda em nada, até as árvores foram contaminadas com o fedor e estranheza, mas que vegetação daquele território todo não é estranha e/ou sem graça? Quem planejou aquela maravilha de parque para a população nova-yorquina foi um fresco de nome Frederick Law não sei o que e bem por isso o parque é uma bosta, pois de reserva ambiental não tem nada, quase zero de vegetação nativa, na panorâmica parece uma cerca viva gigante muito da malacabada. Ele é extenso para se ter desculpa da falta de arborização no restante de nova Yorque, foi bem isso que o fresco pensou, e ele é fresco pois não foi com acara da vegetação nativa, por isso é que tudo alí por mais bem cuidadinho que seja, tem ar de artificial, se você não concorda é por ser outro fresco e deve ter a casa cheia de mini-vasinhos com aquelas florezinhas toscas.

Eu falaria de outra partes, mas só sei do Centarl Park e do fedor de Manhattan e do bairro vizinho, nem estou muito à fim de pesquisar mais sobre essa porcaria agora, se achou pouco edite lá.

Pós catástrofe[editar]

A ilha se dividiu em duas. E daí? A Ilha do Mel, que nem artificial é, também se dividiu, claro que aos poucos, mas visualmente a abertura é a mesma. a ilha resolve se abrir por vento e acaba levando gente que não tinha nada a ver com o tórrido romance, pois bem, eles se recuperam, verba pra isso não falta e, já que já era tudo artificial, construir novamente nem é tão difícil. Os moradores nem estão aí, nem temem que a ilha resolva se abrir mais, ora, pra que serve as fissuras senão para serem atravessadas? Os parentes dos quase cem que morreram é que lamentam, assim mesmo nem todos os parentes e amigos lamentam, aceitam de boa, já que antes tu do que mi. A única pessoa que poderia ter afundado junto é a estauta que não representa liberdade nenhuma e aquela fisionomia sequer se parece com os norte-americanebas, com aquela cara de puta grega que nem existe mais ninguém daquele jeito, nem os estadunidenses que em geral são esquisitos chegam a se parecer, mas a dita continua lá, inteirinha, fazer o que.

Ver também, se tiver mal gosto[editar]