Margarida (flor)

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Margarida
Margarida em sua melhor forma.
Margarida em sua melhor forma.
Classificação científica
Reino: Plantinhas
Superdivisão: Plantas com esperma
Divisão: Anjo esperma
Classe: Eudissecotia
Subclasse: Esteróides
Ordem: Estrelares
Família: Asteroicae
Gênero: Daisy

Cquote1.png Experimente também: Margarina Cquote2.png
Sugestão do Google para Margarida (flor)
Cquote1.png Você quis dizer: Girassol desnutrido Cquote2.png
Google sobre Margarida (flor)

Margarida é aquela flor básica da família asteraceae, isso significa que ela é formada por uma fileira de astes iguais em torno de um miolinho... ou seja, é sem graça mas, tem gosto para tudo.

Daisy[editar]

Cãozinho sofrendo de margaridose.

Essa é mais uma flor com a qual gostam de batisar meninas com o nome dela e, nesse caso em particular (particular mas não é segredo para ninguém) o nome em inglês é melhorzinho: Daisy. No geral os nomes nas línguas latinas soam melhor, esse é um caso à parte e vamos à ele que além de ser um nome medonho: Margarida, a flor é muito imprestável. Nem vejo porque também, já que pode-se chamar as mulheres de flores, há tanta implicância com as mulheres frutas... ora, tudo faz parte da vegetação miraculosa da mãe Terra.

Voltando à Daisy ou Margarida, ela é também conhecida como Bonina, veja bonina é até mais bonitinho, o que não faz a flor ter mais graça mas, melhora o nome da guria que os pais encasquetarem em por um nome desses. Os demais nomes populares são aquilo que se denuncia o que fazem com as margaridas: Bem-me-quer, e o outro nome para completar a devastação Malmequer... agora já imagine a coitada despetalada e nua... drama da jardinagem.

Numa dessas estufas de Jardim Botânico, as margaridas podem figurar por lá mas, ninguém liga para elas e se o mestre ou mestra estiver em uma visita com alunos e resolver falar sobre, ninguém prestará atenção. A não ser que alguém olhar bem para aquelas pétalas convidativas e quiser repetir a atrocidade descrita acima.

A brincadeira pode ser retardada mas, nem se sabe até que ponto é condenável. Qualquer um que olha para as margaridas ou flores parecidas pensa o mesmo, ou seja, que é para pegar a dita arrancar as astezinhas miseráveis.

Love-me[editar]

A margarida sempre pode surgir em um dia de pouca inspiração de um desenhista.

A margarida é veterana nessa história de arrancar pétalas e, de forma idiota, imaginar que quer dizer alguma coisa. Isso aconteceu pela primeira vez em um compartimento do inferno onde o capeta estudava flores com pólen modificado, já que o objetivo é que judiassem mais das alergias dos filhos do homens. Ele queria uma flor básica mesmo sem perder tempo inventando muita coisa, até mesmo porque sabia da queda natural das pessoas por flores e que não são muito exigentes.

Nem queira saber o que pode sair de um campo de margaridas.

O capeta teria então conseguido uma variedade de asteraceae mas, não conseguiu por nela o que ele queria e, como não é muito coisa de Satã e seus capetas trabalhar com flores, embora exista capetas boiólas, ele desistiu logo mas, antes com raiva, ele pegou e começou a despetalar a pobre planta dizendo o tal :Bem-me-quer, Mal-me-quer mas, ele queria que desse mal-me-quer, e nem isso deu certo, ele apenas arremessou-a nesse planeta e, ninguém sabe porque é repetido o gesto do capeta vez ou outra.

As margaridas são consideradas inflorescências e não flores. Todos nós sabemos que apesar de discreta e pouco colorida, aquilo é uma flor sem tirar nem acrescentar mas, são essas classificações da botanofilia que determinou e é melhor não discutir. Em todo caso se ela prefere inflorescer, do que florescer, deve ser porque é tímida, tadinha.